rfi

Ouvindo
  • RFI Brasil
  • Último jornal
  • RFI em francês

Espanha ETA Movimentos separatistas País Basco Protestos

Publicado em • Modificado em

Apesar de proibição, separatistas bascos prometem manter protesto

media
Última onda de prisões de supostos apoiadores do ETA aconteceu na semana passada, em Bilbao. REUTERS/Vincent West

O sábado promete ser de tensão em Bilbao, na Espanha. Apesar de a justiça ter proibido uma manifestação dos separatistas bascos, em apoio a prisioneiros do movimento ETA, os participantes da mobilização prometem manter o protesto. O governo permanece inflexível na decisão de recusar qualquer concessão ao grupo armado.


O juiz do Tribunal da Audiência Nacional de Madri, Eloy Velasco, proibiu a manifestação por avaliar que, entre o grupo de apoio aos prisioneiros do grupo Herrira, se encontram membros da própria organização, desmantelada em setembro e proibida de exercer qualquer atividade por dois anos. Mesmo assim, os organizadores prometem realizar o ato neste sábado.

Na opinião do governo regional do País Basco, dominado por nacionalistas conservadores favoráveis à mobilização, a decisão de proibir o protesto “é incompreensível para a sociedade basca”. “É muito grave na medida em que, ano após ano, nós vimos que manifestações idênticas aconteceram sem nenhum obstáculo, inclusive na época em que o ETA era ativo”, afirmou Josu Erkoreka, porta-voz do governo regional.

De acordo com documentos recolhidos pela polícia, “Herrira conspirou ou foi o autor de uma dinâmica chamada Tantaz Tanta (“gota à gota”), cujo objetivo é juntar o maior número de militantes possível em manifestações de apoio aos detentos do ETA”, conforme o juiz. Velasco também proibiu “atividades de apoio, exaltação e financiamento em favor dos prisioneiros”.

O “Tantaz Tanta” se apresenta como uma organização da sociedade civil e pede uma “mobilização sem precedentes na história do País Basco”, para pedir a “repatriação dos prisioneiros e prisioneiras bascas”. Eles querem “o fim da dispersão” de centenas de militantes do ETA, detidos em dezenas de prisões espanholas e francesas, uma política adotada há 25 anos por Madri.