rfi

Ouvindo
  • RFI Brasil
  • Último jornal
  • RFI em francês

Bálcãs Kosovo Sérvia Albânia Encontro Diplomacia

Publicado em • Modificado em

Discussão sobre o Kosovo constrange encontro histórico entre Albânia e Sérvia

media
Edi Rama (esquerda) fez a primeira visita de um chefe do Governo da Albânia à Sérvia em 68 anos. REUTERS/Marko Djurica

O que era para ser uma visita histórica do primeiro-ministro da Albânia à Sérvia – a primeira em 68 anos – acabou virando um conflito verbal entre os líderes dos dois países. Todas as declarações diplomáticas de bom entendimento proferidas ao longo da segunda-feira (10) acabaram indo para os ares assim que o albanês mencionou o tema Kosovo.


A primeira parte da coletiva de imprensa foi marcada por promessas de cooperação e integração regional, além da adesão à União Europeia. Foi quando o chefe do governo albanês Edi Rama conclamou a Sérvia a reconhecer a “realidade irreversível” do Kosovo, sua ex-província que luta pela independência, diante de seu colega sérvio, visivelmente contrariado ao ouvir a tradução simultânea.

O chefe do governo sérvio, Aleksandar Vucic, considerou a declaração uma “provocação”: “Eu não sei o que o Sr. Rama tem a ver com o Kosovo. Não permitirei que ninguém humilhe a Sérvia em Belgrado. ”, declarou Vucic, bastante irritado.

Albaneses vivem no sul da Sérvia

A intenção da visita de Edi Rama era apaziguar os ânimos depois dos incidentes de 14 de outubro, em Belgrado, quando uma partida de futebol entre Sérvia e Albânia pelas eliminatórias da Euro 2016 teve de ser cancelada por uma briga. A disputa começou porque um drone sobrevoou o estádio brandindo uma bandeira do Grande Albânia, movimento nacionalista que pretende reunir os povos albaneses, entre eles o do Kosovo, em um único Estado.

Mesmo que Belgrado se recuse a reconhecer a independência do Kosovo, progressos significativos foram realizados nos últimos tempos, principalmente a conclusão de um acordo considerado histórico sobre as relações entre Sérvia e Albânia, sob os auspícios de Bruxelas.

Edi Rama também pediu respeito aos direitos das minorias albanesas do sul da Sérvia, cerca de 60 mil pessoas, que vivem no Vale de Presevo. A região sofre com a pobreza e com o desemprego e é negligenciada pelas autoridades sérvias, que a acusam de ter intenções separatistas e seguir o exemplo do Kosovo, palco de um breve e violento conflito armado em 2001.

Uma visita de Rama a Presevo estava prevista para esta terça-feira (11), mas após o incidente de hoje, Belgrado não confirmou se a agenda será mantida.