rfi

Ouvindo
  • RFI Brasil
  • Último jornal
  • RFI em francês

Acordo Grécia Crise Eurogrupo Zona do Euro

Publicado em • Modificado em

Líderes alemães consideram insuficientes novas propostas da Grécia para um acordo

media
Ministro alemão das Finanças, Wolfgang Schauble, disse que as propostas do primeiro-ministro Alexis Tsipras não são "substanciais". ©Reuters.

A reunião dos ministros europeus da Finanças, realizada nesta segunda-feira (22) em Luxemburgo, terminou em clima de pessimismo. Ao menos para os alemães. O representante de Berlim no encontro, Wolfgang Schauble, considerou fracas as propostas apresentadas pela Grécia para um acordo que evite a falência do país. No fim de semana, vários deputados alemães não pouparam críticas à Atenas.


Schauble considera que o primeiro-ministro grego, Alexis Tsipras, não apresentou "propostas substanciais" para alcançar um acordo e evitar um "default". A opinião do ministro alemão das Finanças vai de encontro com a do presidente do Eurogrupo, Jeroen Dijsselbloem, que está otimista sobre o término do impasse sobre a permanência da Grécia no bloco.

"Este é um passo ao qual damos as boas-vindas e um passo em uma direção positiva. Acredito também que é uma oportunidade para alcançar um acordo esta semana", afirmou Dijsselbloem. O ministro holandês também declarou que os sócios tiveram pouco tempo para analisar as propostas da Grécia, apresentadas nesta segunda-feira.

Alemães são os mais inflexíveis

Enquanto o presidente francês, François Hollande, e o primeiro-ministro italiano, Matteo Renzi, expressaram suas esperanças sobre as novas propostas de Tsipras, os alemães parecem ser os mais inflexíveis sobre as negociações com Atenas. Mais cedo, a chanceler Angela Merkel advertiu que a reunião de hoje em Bruxelas não será decisiva e terá apenas caráter consultativo.

Neste fim de semana, várias lideranças alemãs não pouparam críticas à Atenas. "Ou a Grécia aceita uma solução viável, ou ela deixa a zona do euro" declarou Hans Michelbach, membro do partido União Cristã Social (CSU) e aliado da chanceler alemã Angela Merkel.

"Assistimos a um espetáculo desonroso: 27 Estados da União Europeia deixam Alexis Tsipras levá-los na palma da mão", declarou outro membro do partido, Hans-Peter Friedrich, que faz um apelo para que Merkel não ceda às exigências dos gregos.

O presidente do Parlamento Europeu e integrante do Partido Social-Democrata alemão foi ainda mais longe nas críticas. "O que não vai funcionar é deixar a zona do euro e não pagar suas dívidas, esperando que as parcelas de ajuda continuarão chegando facilmente", provocou.