rfi

Ouvindo
  • RFI Brasil
  • Último jornal
  • RFI em francês

Imigrantes Europa Eslovênia Croácia Hungria

Publicado em • Modificado em

Migrantes tentam chegar à Europa pela Eslovênia após Hungria fechar fronteira

media
Um migrante é registrado e fotografado pela polícia ao entrar na Eslovênia neste sábado, 17 de outubro de 2016. REUTERS/Srdjan Zivulovic

Os migrantes que tentam chegar ao norte da Europa pelos Balcãs começaram a entrar na Eslovênia neste sábado (17), depois que a Hungria fechou a fronteira com a vizinha Croácia. Seis ônibus lotados de homens, mulheres e crianças entraram em território esloveno nesta manhã.  


Vindos da Croácia, os veículos foram recebidos por patrulhas locais. Três ônibus seguiram para um centro de recepção e os passageiros dos outros três foram registrados diretamente na fronteira.

Os migrantes dos três ônibus foram submetidos a uma revista prévia a um controle de identidade. A polícia informou que eles serão levados para um centro de recepção próximo da fronteira com a Áustria e terão total liberdade para deixar o local e prosseguir viagem.

Nova rota

Depois do anúncio do fechamento por parte do governo húngaro, a Croácia anunciou que enviaria os migrantes que transitam por seu território para a Eslovênia. O governo esloveno, que enviou reforços à fronteira e suspendeu o tráfego ferroviário com a Croácia, informou que mantém conversações com Zagreb para criar "um ou dois" pontos de atendimento aos migrantes.

A Hungria fechou na sexta-feira (16) os principais pontos de passagem de migrantes na fronteira com a Croácia, bloqueada agora em vários trechos por uma grande cerca de arame farpado. Os postos de fronteira de Beremend e Letenji permanecem abertos para as pessoas com documentos, mas não aceitam os migrantes sem vistos.

Mais de 170.000 migrantes entraram na Hungria pela fronteira com a Croácia desde 15 de setembro. Os dois países estabeleceram uma colaboração para assegurar o trânsito diário.

Naufrágios e mortes

Os milhares de migrantes que tentam entrar na Europa pela Grécia, Macedônia e Sérvia prosseguem com as viagens extremamente arriscadas. Doze migrantes morreram afogados neste sábado quando a embarcação em que viajavam naufragou na costa da Turquia.

A Guarda Costeira do país conseguiu recuperar os corpos que estavam em um bote de madeira que partiu da estação balneária de Ayvalik (noroeste) com destino à ilha grega de Lesbos. Vinte e cinco passageiros foram resgatados, depois de pedir socorro com seus celulares.

Mais cedo, a Guarda Costeira da Grécia anunciou a morte de quatro migrantes, três crianças e uma mulher, no naufrágio de uma embarcação no mar Egeu. Onze pessoas que estavam no mesmo bote foram resgatadas e as equipes de emergência procuram uma criança que está desaparecida.

Balanço trágico

Quase 300 migrantes morreram no mar Egeu em 2015, durante tentativas de fugir dos conflitos e da pobreza em seus países, informou a Organização Internacional para as Migrações (OIM). Mais de 600.000 migrantes atravessaram o Mediterrâneo desde janeiro, segundo a OIM, sendo que mais de 466.000 desembarcaram na Grécia. Mais de 3.000 pessoas morreram na travessia.

O Alto Comissariado das Nações Unidas para os Refugiados (Acnur) informou na sexta-feira (16) um aumento do número de chegada de botes à Turquía esta semana. O aumento pode ter sido motivado por uma "melhora momentânea das condições meteorológicas" e porque os migrantes se apressam "antes da chegada do inverno e do temor de fechamento das fronteiras europeias".

(com informações da AFP)