rfi

Ouvindo
  • RFI Brasil
  • Último jornal
  • RFI em francês

Germanwings Andreas Lubitz Relatório BEA

Publicado em • Modificado em

Germanwings: relatório pede quebra do sigilo médico de pilotos

media
O copiloto, Andreas Lubitz, que lançou o avião contra os Alpes franceses REUTERS/Foto-Team-Mueller/Files

O Escritório Francês de Investigação e Análise da Aviação (BEA) afirmou neste domingo que devem haver regras claras que autorizem a quebra de sigilo médico em casos de problemas psicológicos de um piloto. A recomendação faz parte do relatório final sobre o acidente da companhia aérea alemã Germanwings, que deixou 150 mortos no dia 24 de março do ano passado, quando o avião foi lançado pelo copiloto contra os Alpes franceses.


"Muitos médicos privados tinham a informação de que copiloto Andreas Lubitz estava doente", disse Arnaud Desjardins, encarregado das investigações sobre o acidente. "Essa informação nunca chegou às autoridades aeronáuticas nem à Germanwings", acrescentou durante a apresentação do relatório à imprensa no centro de convenções Bourget, na região metropolitana de Paris.

O texto também confirma definitivamente que o acidente foi provocado voluntariamente pelo co-piloto. O avião ia de Barcelona a Dusseldorf, na Alemanha.

Passageiros gritaram nos segundos finais da queda do avião

Os passageiros do voo 4U9525 da Germanwings perceberam que o avião estava caindo. A gravação contida na caixa-preta encontrada no local da catástrofe registra os gritos desesperados dos ocupantes segundos antes do choque contra a montanha. 

O copiloto Lubitz ficou sozinho na cabine nos últimos 10 minutos do voo, antes do choque fatal contra a montanha. A análise da caixa-preta contendo os últimos 30 minutos de conversas no cockpit revelou que, durante 20 minutos, comandante e copiloto, ambos alemães, conversavam normalmente.

Depois, o comandante de bordo preparou o briefing de aterrissagem em Dusseldorf e trocou informações com o copiloto, que passou a responder de forma lacônica.

Copiloto manipulou a descida do avião

Em seguida, na gravação, ouve-se um ruído de cadeira, e o comandante deixa a cabine. Quando fica sozinho no cockpit, o copiloto manipula a descida do avião. “A ação foi voluntária”, segundo disse o procurador de Paris, Brice Robin, após a abertura das caixas-pretas.

Quando percebe a perda de altitude, o comandante faz vários apelos para que o copiloto abra a porta, mas ele não dá nenhuma resposta. Pela gravação, ouve-se perfeitamente a respiração de Lubitz,  e ela é normal.

Durante os oito minutos de queda do avião, os controladores aéreos fazem vários apelos para que o voo 4U9525 acione o transponder, equipamento que coloca o avião em situação de prioridade em relação a qualquer outro voo.

O copiloto não responde, fica silencioso o tempo todo. Ouve-se apenas sua respiração, ritmada e normal. A torre de controle até pediu para outros aviões entrarem em contato com o Airbus, mas Lubitz não respondeu. Nenhuma mensagem de emergência foi enviada aos controles aéreos.

Comandante e tripulação dão socos na porta da cabine

Nos últimos minutos, ouve-se pessoas dando socos na porta da cabine, tentando desesperadamente abrir a porta, que é blindada. Segundo o procurador, as vozes eram do comandante e de um membro da tripulação. Em nenhum momento houve resposta. Os gritos dos passageiros só são ouvidos alguns instantes antes do choque fatal. O Airbus A320 se espatifou contra uma montanha a 750km por hora.

Copiloto foi contratado em 2013

O copiloto era originário de Montabaur, cidade no oeste da Alemanha. O prefeito de Montabaur declarou à agência alemã DPA que ele vivia com os pais e também tinha um apartamento em Dusseldorf.

A Germanwings, filial de baixo custo da Lufthansa, informou que o copiloto foi contratado pela empresa em 2013 e tinha 630 horas de voo. Já o comandante tinha 10 anos de experiência e 6 mil horas de voo em aeronaves da Airbus, conforme foi divulgado nas primeiras horas após o acidente.