rfi

Ouvindo
  • RFI Brasil
  • Último jornal
  • RFI em francês
Linha Direta
rss itunes

Casa onde Hitler nasceu vai ser destruída na Áustria

Ministro do Interior da Áustria, Wolfgang Sobotka, anunciou que a casa onde nasceu o ditador nazista Adolf Hitler vai ser demolida. A notícia parece pôr fim ao debate que se arrasta há décadas sobre o destino do prédio, atualmente desocupado na pequena cidade de Braunau am Inn, perto da fronteira alemã. A construção atrai não só turistas, como também neonazistas, algo que preoupava o governo da localidade.

Marcio Damasceno, correspondente da RFI em Berlim

A casa natal de Hitler deve ter o mesmo destino de outras construções ligadas ao nazismo, principalmente na Alemanha, que foram demolidas para não virarem local de culto de neonazistas.

Esse é o caso do famoso bunker de Hitler, onde o ditador nazista passou seus últimos dias e se suicidou. O prédio, no centro da Berlim, ficava no terreno da chancelaria, o palácio que servia de sede do governo e que foi totalmente destruído. O bunker foi parcialmente demolido e aterrado e hoje fica debaixo de um estacionamento. No local, apenas uma placa lembra a história.

Já a sepultura de Rodulf Hess, que foi braço direito de Hitler, foi completamente demolida há cinco anos. O túmulo ficava numa cidade de interior da Alemanha e serviu como local de romaria de neonazistas durante muitos anos.

Há quatro anos, a Áustria destruiu o túmulo dos pais de Hitler no povoado de Leonding, depois de alegações de que ele se tornara local de peregrinação, após serem encontrados símbolos nazistas no local.

Casa onde Hitler nasceu não pertence ao governo

A casa onde Hitler nasceu não pertence ao governo, mas era alugada pelo prefeitura de Braunau am Inn. Ela está desocupada desde 2011 e pertence aos herdeiros da família Pommer, a proprietária original.

Durante a Segunda Guerra Mundial, o prédio havia sido expropriada pelo regime alemão que a transformou em centro cultural do partido nazista. Com o fim da guerra, ela foi devolvida aos donos e desde 1977, passou a ser de propriedade de Gerlinde Pommer.

O edificio já abrigou uma biblioteca e um banco. A última finalidade foi um centro para pessoas com deficiências. Só que a entidade beneficente saiu do edifício 5 anos atrás, depois que a proprietária não permitiu a realização de obras para melhorar a acessibilidade no imóvel.

Destruição ainda precisa de aval do Parlamento

A prefeitura local, passou a pagar o aluguel, embora mantivesse a casa sem utilização, entre outras coisas, para evitar que neonazistas alugassem o prédio.

Desde então, a propriedade é motivo de debate sobre o que fazer com ela. Uns eram a favor de transformar a casa em memorial para lembrar do passado dela, outros queriam que ela simplesmente sumisse do mapa. E parece que é isso que deve mesmo acontecer.

O governo austríaco afirmou que decidiu derrubar a casa com base na recomendação de uma comissão de 13 especialistas. O projeto agora precisa do aval do Parlamento, mas isso é praticamente certo, já que uma ampla maioria dos legisladores apoia a demolição.

Prédio é tombado pelo patrimônio histórico

A casa, onde Hitler nasceu e morou somente até os três anos de idade, é grande e tem três andares. Ela fica no centro histórico de Braunau am Inn e foi tombada pelo patrimônio histórico, em 1993.

Atualmente, não há muitas referências do lado de fora sobre o passado da casa, pintada da cor amarela. Não há nenhuma placa indicativa ou outro sinal de que nela nasceu o ditador nazista. Os turistas, que de vez em quando tiram fotos em frente à casa, descobrem o prédio por outros meios.

No entanto, existe a poucos metros do edifício uma pedra de granito, vinda da pedreira do campo de concentração de Mauthausen. O marco foi colocado em 1989, por ocasião do centenário do nascimento de Hitler. A pedra tem a inscrição "Pela paz, liberdade e democracia. Fascismo nunca mais. Milhões de mortos servem de advertência".

Cubanos celebram 500 anos de Havana com eventos culturais e festas pelas ruas

Proposta de eutanásia para quem "está cansado de viver" cria polêmica na Bélgica

Transporte público, bicicleta, cafezinho do próprio bolso: conheça a filosofia finlandesa de respeito ao dinheiro público

Bolívia tenta sair do vácuo de poder e evitar cenário de guerra civil

Sob embalo de vitória de Lula, esquerda latino-americana se reúne em Buenos Aires

Deputados árabes de Israel fazem greve de fome contra violência e inação da polícia

Congresso americano começa a votar trâmite de impeachment do presidente Donald Trump

Ventos semelhantes a furacão colocam Califórnia em alerta máximo contra incêndios

Número de refugiados e migrantes venezuelanos no mundo vai superar em breve o de sírios

Uma pedra no sapato de Bolsonaro: o peronismo volta ao poder na Argentina

Argentina: peronista Alberto Fernández pode vencer eleições presidenciais no 1° turno

Espanha exuma restos mortais de Franco, enterrado ao lado de vítimas da guerra civil

Realizando protestos diários, Catalunha monopoliza debate político antes de eleições legislativas

Evo Morales enfrentará inédito segundo turno na Bolívia e perde controle no Congresso