rfi

Ouvindo
  • RFI Brasil
  • Último jornal
  • RFI em francês

Homossexuais Itália Terremoto Igreja Católica

Publicado em • Modificado em

Padre diz que terremotos na Itália são castigos divinos contra gays

media
O padre italiano Giovanni Cavalcoli chocou até mesmo o Vaticano com as declarações contra as uniões homossexuais. Facebook

Um padre italiano classificou os recentes terremotos ocorridos na Itália como um "castigo divino" contra as uniões de homossexuais. As declarações provocaram a ira do Vaticano, que considerou suas declarações ofensivas para os fiéis e ateus.


De acordo com a imprensa italiana, o padre Giovanni Cavalcoli fez a polêmica declaração à católica Rádio Maria no último domingo (30), quando um terremoto de magnitude 6,5 foi registrado na região da Úmbria, centro do país. Segundo ele, os tremores sísmicos que vêm sacudindo a Itália há meses são um "castigo divino" pela "ofensa à família e à dignidade do matrimônio, sobretudo por culpa das uniões gays".

O Vaticano foi notificado e reagiu na sexta-feira (4) com indignação. As afirmações de Cavalcoli são "ofensivas para os fiéis e escandalosas para os não fiéis", declarou o arcebispo italiano Angelo Becciu, número dois da Secretaria de Estado do Vaticano, o "ministério" mais importante da Santa Sé. Depois de pedir "perdão" às vítimas dos terremotos, o religioso lembrou que tinham "a solidariedade e o apoio" do papa Francisco.

Padre se recusa a pedir desculpas

A reação da Santa Sé não mudou a opinião do padre Cavalcoli, que se negou a pedir desculpas sobre a polêmica declaração. Ele repetiu em outra emissora de rádio italiana que os terremotos foram provocados pelos "pecados do homem". Ao ser questionado sobre a resposta de Becciu, o padre alfinetou: "O Vaticano? Que revise o catecismo!".

A Itália, o último grande país da Europa Ocidental que não havia acordado, até este ano, nenhum estatuto aos casais do mesmo sexo, devido a uma forte oposição da Igreja Católica. No final de julho, o governo legalizou a união civil entre homossexuais. No entanto, a decisão não equivale ao matrimônio, ao qual apenas heterossexuais têm direito.