rfi

Ouvindo
  • RFI Brasil
  • Último jornal
  • RFI em francês

Berlinale Berlim Cinema Urso de Berlim Cineasta Brasileiro

Publicado em • Modificado em

De soldado a rebelde: filme mostra rito de passagem de Tiradentes

media
O cineasta brasileiro Marcelo Gomes que concorre ao Urso de Ouro com "Joaquim", na Berlinale. RFI/Letícia Constant

O cineasta pernambucano Marcelo Gomes está em competição oficial no Festival de Cinema de Berlim com o longa histórico “Joaquim“, sobre a vida do mártir Tiradentes, enforcado e esquartejado por ter participado da Inconfidência Mineira contra a soberania de Portugal.


Mesmo sendo uma obra histórica, Marcelo deu asas à ficção:“ O filme foi inspirado em fatos históricos mas, na verdade, o que se tem de documento sobre o nosso Tiradentes é a certidão de batismo e o processo de julgamento dele, que é o auto de devassa.

Sobre esse momento de mudança de paradigma, em que ele era um soldado da coroa e se torna um rebelde da coroa, não existe nenhum documento histórico. E eu queria falar desse momento de mudança de paradigma“, observa o diretor, que concorda que deu asas à imaginação, mas se apropriando de fatos reais: “Ele era um soldado, ele era um dentista, ele perdeu a cabeça, ele participou da Inconfidência“.

Marcelo explica que o enredo não chegou até a Inconfidência, propositadamente. Para ele, uma das motivações de Tiradentes mudar de campo pode ter sido a descoberta de que era tão marginalizado quanto os escravos, os índios e os mestiços“.

Analisando o mito do herói, o diretor pensa que ninguém nasce herói. “São contingências da vida, problemas profissionais, frustrações afetivas e reflexões sobre a própria vida que levam você a tomar um ato heróico“.

Lançamento no Brasil em 21 de abril

O cineasta espera que os brasileiros recebam o filme com o coração aberto. “Acho que a gente vive um momento no Brasil que é um “Fla-Flu “,muito grande. Se você é do amarelo não quer ninguém do azul, se você é do azul não quer ninguém de vermelho, acho que a gente tem que parar com isso porque se a gente ama o nosso país, a gente tem que entender melhor o passado, as fraturas sociais do passado para compreender melhor o presente, e dentro do presente o passado está mais vivo do que nunca. E, a partir da,í apontar soluções para o futuro, e parar com esse “Fla-Flu“!, enfatiza Gomes, concluindo que espera que “todas as torcidas vejam o filme“.

“Joaquim“ será lançado no Brasil em uma data simbolicamente escolhida: 21 de abril, dia de Tiradentes e feriado nacional.