rfi

Ouvindo
  • RFI Brasil
  • Último jornal
  • RFI em francês

Suécia Sexo Trabalho

Publicado em • Modificado em

Vereador sueco sugere pausa diária no trabalho para fazer sexo

media
Para vereador sueco, "pausa para sexo" pode permitir que casais passem mais tempo juntos e melhorem seus relacionamentos. Benoit Derrier

Os suecos deveriam ter uma pausa de uma hora remunerada durante o trabalho para poder fazer sexo com seus parceiros, sugeriu um vereador nesta terça-feira (21). O objetivo, segundo ele, é melhorar os relacionamentos dos casais.


"Há estudos que mostram que o sexo é bom para a saúde", declarou Per-Erik Muskos, vereador de 42 anos da cidade de Overtornea, no norte da Suécia, depois de ter apresentado a moção.

O político afirmou que os casais não passam tempo juntos o suficiente na atual sociedade. "É uma questão de ter melhores relações sentimentais", insistiu.

Muskos está confiante em sua ideia. Segundo ele, não há motivos para que sua moção não possa ser aprovada.

Contudo, o vereador admitiu que não há como provar que os funcionários não usarão sua hora para fazer outras coisas que não passar um tempo com seu parceiro. "Não se pode garantir que o trabalhador não vá passear, ao invés disso", afirmou, acrescentando que os chefes precisarão confiar em seus funcionários.

Projetos vanguardistas no trabalho

A Suécia tem projetos vanguardistas na área do trabalho. Há pouco menos de dois anos, o país começou a testar a diminuição da carga de de horário diária de seus trabalhadores de 8 para 6 horas. Segundo as autoridades, a empresas que adotaram a iniciativa registraram importantes benefícios para a população e os empregadores: menos ausências, maior produtividade e até mesmo melhora na saúde dos empregados.

Atrás dos finlandeses e dos franceses, os suecos são os que menos trabalharam na Europa em 2015. Segundo um estudo do instituto de pesquisas Coe-Rexecode, a média de horas trabalhadas dos trabalhadores na Suécia foi de 1.685 horas. A média de trabalho mundial é de 1.891 horas por ano.

Com informações da AFP