rfi

Ouvindo
  • RFI Brasil
  • Último jornal
  • RFI em francês
Linha Direta
rss itunes

Tradição e fantasia se misturam em festas históricas do Carnaval europeu

Carnaval animado não é exclusividade dos países abaixo da Linha do Equador. Na Europa, apesar do frio, milhares de turistas e foliões aproveitam as tradições carnavalescas mantidas há séculos e que continuam até hoje.

 

Letícia Fonseca, correspondente da RFI em Bruxelas

A origem do Carnaval como festa pagã é muito antiga, remonta aos tempos do Antigo Egito, passando pela Grécia Antiga e depois pelos romanos. Naquela época, as festas aconteciam no final do inverno para celebrar o início da primavera e a fecundidade da terra. Mas o chamado Carnaval “moderno” nasceu na Europa, era o período em que se podia comer e beber sem limites, nos três dias anteriores à Quaresma, onde só era permitido comer peixe. Foi no século XI que a Igreja Católica instituiu a Semana Santa e os quarenta dias de jejum com abstinência de carne. O nome Carnaval vem do latim carnis levale, que significa retirar a carne.

Ao som de tambores e dos sinos que levam na cintura, centenas de Gilles se preparam para mais um Carnaval em Binche, no sul da Bélgica. Uma tradição reconhecida como Patrimônio Imaterial da Humanidade pela UNESCO, que remonta ao final do século XVIII. A festa começa no domingo, mas o ponto alto do Carnaval belga é o cortejo dos famosos personagens chamados Gilles, que acontece na Terça-Feira Gorda e atrai uma multidão de espectadores.

A bela fantasia vermelha, amarela e preta – cores da bandeira do país, a máscara confeccionada sob medida, o chapéu com enormes penas de avestruz e os tamancos de madeira são preparados durante meses. Apenas homens nascidos ou que moram há mais de cinco anos em Binche são aceitos na confraria. Uma herança passada de pai para filho há gerações. Apesar do frio, a animação pelas ruas é garantida. Com um cesto de laranjas nas mãos, os Gilles desfilam pelas cidade e lançam as frutas para o público. Segundo a lenda, quem conseguir pegar as laranjas terá sorte o ano inteiro.

Revoluções carnavalescas e festas pela Europa

O Carnaval de Veneza é um dos espetáculos mais famosos do mundo. Há séculos, mais precisamente em 1296, foi declarado celebração pública pela República Della Sereníssima. Era a única época quando as pessoas podiam se esconder por trás de máscaras, omitindo classes sociais e status, e tinham até a possibilidade de ridicularizar a aristocracia. Com essa “explosão” social, as autoridades conseguiam manter o ordem e o poder no resto do ano. Hoje, milhares de turistas lotam as ruas de Veneza com máscaras e fantasias de Pierrôs, Colombinas e Arlequins – personagens da Commedia Dell’Arte.

No último domingo, o tradicional “vôo do anjo” abriu oficialmente as festividades em Veneza, na Itália. Do alto do célebre campanário na Praça de São Marcos, uma estudante com asas de anjo, suspensa a 80 metros do chão jogou confete nos foliões e deu início às festividades. Esse ano, os organizadores estimam receber 24 milhões de visitantes durante os dez dias de Carnaval.

Batalha de flores

A batalha de flores faz parte da tradição do Carnaval de Nice, na França. Em gôndolas enfeitadas, milhares de flores são atiradas aos espectadores. São flores produzidas na região: mimosas, gérberas, rosas e margaridas, entre outras. Este ano, os carros alegóricos com arranjos florais vão desfilar por um novo trajeto, evitando uma das avenidas mais famosas da Côte d’Azur, a Promenade des Anglais, onde aconteceu o ataque terrorista em julho do ano passado.

Na Alemanha, mais precisamente na cidade de Colônia, acontece o Carnaval mais animado do país. Os alemães podem não saber sambar mas nem por isso falta animação nas ruas, bares e bailes da cidade. A festa alemã, regada a muita cerveja, começa cedo: às 11 horas e 11 minutos do dia 11 de Novembro.

A temporada de Carnaval – também chamada de Quinta Estação – só faz uma pausa no Natal e Ano Novo, depois é retomada e segue até a Quarta-Feira de Cinzas. Rosenmontag, a segunda-feira de Carnaval, é o dia mais importante quando mais de um milhão de pessoas nas ruas de Colônia. Kölle Alaaf!, que significa Viva Colônia, no dialeto local. Vale lembrar outras festas de Carnaval famosas na Europa como o de Notting Hill em Londres, Rijeka na Croácia, Stiges e Tenerife na Espanha, entre outros.

Em clima tenso no clã Bolsonaro, presidente eleito será diplomado no TSE

Extrema direita se reúne na Bélgica contra Pacto sobre Migração da ONU

Bolivianos fazem greve geral contra nova candidatura de Evo Morales à presidência

Israel realiza operação em túneis do Hezbollah na fronteira com Líbano

Participação do Brasil no G20 é irrelevante à espera do que fará Bolsonaro

Hong Kong: congresso condena cientista"irresponsável" que editou genes em embriões

Outdoors sobre prêmio para retorno de migrantes causam indignação na Alemanha

Itália quer impedir empréstimo de obras de Da Vinci para museu do Louvre

Fim do Airbnb na Cisjordânia reforça ações contra ocupação israelense

Trump fecha o cerco aos migrantes latino-americanos na fronteira com o México

Primeiro Foro Mundial do Pensamento Crítico da esquerda discute vitória de Bolsonaro

Brexit: Parlamento britânico está dividido sobre acordo entre May e UE