rfi

Ouvindo
  • RFI Brasil
  • Último jornal
  • RFI em francês

Escócia Referendo Separatista Theresa May Brexit

Publicado em • Modificado em

Parlamento da Escócia autoriza novo referendo separatista

media
Deputados escoceses aplaudem a aprovação do segundo referendo separatista nesta terça-feira, 28 de março de 2017. REUTERS/Russell Cheyne

O Parlamento regional da Escócia autorizou nesta terça-feira (28) a primeira-ministra Nicola Sturgeon a solicitar a Londres a organização de um novo referendo de independência, na véspera do início oficial do processo de Brexit.


Após a autorização do Parlamento escocês, decidida por 69 votos contra 59, a premiê Nicola Sturgeon deve obter o acordo da primeira-ministra britânica Theresa May e do Parlamento de Westminster para organizar esta segunda consulta, após o referendo perdido pelos separatistas em 2014 por 55% a 45%.

"A votação de hoje tem que ser respeitada" pelo governo britânico, declarou Sturgeon, do partido independentista SNP (Partido Nacional Escocês). "Seria democraticamente indefensável e totalmente insustentável se opor" ao resultado, acrescentou.

Um dia antes da notificação do adeus britânico à União Europeia (Brexit), tornando a situação praticamente irreversível, May encontra sobre a mesa a demanda de um referendo que já chamou de "inaceitável", mas que poucos acreditam que poderá impedir. O secretário de Estado para a Escócia, David Mundell, insistiu nesta terça-feira (28) na BBC: "não vamos abrir nenhuma negociação até o fim do processo do Brexit".

Sem artigo na Constituição que o proíba, May não tem praticamente outra opção que tentar adiar o referendo o máximo possível para que não coincida com os dois anos de negociações com Bruxelas sobre os termos do divórcio UE-Reino Unido.

Enquanto isso, na Irlanda do Norte, os dois principais partidos ganharam mais um mês para tentar chegar a um acordo e definir quem assume a liderança do Parlamento local. A turbulência na situação política interna do Reino Unido culmina dias antes de o país declarar oficialmente a sua saída da União Europeia.

Etapas para a realização do referendo

A primeira-ministra do Reino Unido, Theresa May, precisa agora concordar com a realização do referendo e já deu a entender que não quer saber do assunto, pelo menos a curto prazo. A premiê britânica se reuniu na segunda-feira (27) em Glasgow com Nicola Sturgeon e, apesar de a conversa ter sido descrita como amistosa, May voltou a dizer que este não é o melhor momento para a realização de um referendo.

As duas líderes, no entanto, parecem ter chegado a um consenso sobre a possibilidade de a consulta pública ocorrer em 2018 ou 2019, depois que for concluído o processo de saída do Reino Unido da União Europeia. Até lá é impossível prever o que os escoceses devem escolher.

Uma pesquisa de opinião realizada no início de março indicou que 49% dos escoceses preferem que o referendo ocorra só depois de terminado o Brexit. Outras cinco sondagens separadas, realizadas de janeiro para cá, mostram que sem os indecisos, o resultado do referendo seria novamente praticamente empatado, com um ligeira vantagem dos votos contra a independência.