rfi

Ouvindo
  • RFI Brasil
  • Último jornal
  • RFI em francês

Jean-Claude Juncker União Europeia Parlamento Europeu Malta Comissão Europeia

Publicado em • Modificado em

Presidente da Comissão Europeia chama eurodeputados de "ridículos"

media
Le président de la Comission européenne, Jean-Claude Juncker, le 6 avril 2017 à Bruxelles. REUTERS/Francois Lenoir

O presidente da Comissão Europeia, Jean-Claude Juncker, criticou os poucos deputados presentes em um debate nesta terça-feira (4) no Parlamento Europeu, chamando-os várias vezes de "ridículos". Juncker ficou irritado pela ausência maciça dos parlamentares em uma sessão de balanço da gestão de Malta na presidência rotativa da União Europeia.


"Saúdo aqueles que se incomodaram de vir até aqui, mas o fato de que apenas cerca de 30 deputados [de 751] assistam a esse debate mostra claramente que o Parlamento não é sério, e queria dizer isso hoje", declarou Juncker. Em seguida, ele acrescentou que "o Parlamento Europeu é ridículo, muito ridículo".

O chefe do Executivo comunitário deu essas declarações pela manhã durante um debate sobre a recém-encerrada presidência maltesa da União Europeia (UE), na presença de seu primeiro-ministro Joseph Muscat.

O Parlamento Europeu "também deve respeitar as presidências dos países menores" da União Europeia, ressaltou Juncker, referindo-se a Malta, o menor país do bloco. "Se o senhor Muscat fosse a senhora [Angela] Merkel, a ausência de eurodeputados seria dificilmente imaginável", apontou, em alusão à chanceler alemã. Juncker deu a entender que "nunca mais" assistirá a "uma reunião desse tipo".

As críticas do presidente do Executivo comunitário geraram reações, como a de seu colega na Casa, Antonio Tajani. "Não cabe à Comissão controlar o Parlamento", e sim o contrário, rebateu.

"Vocês são ridículos! Queria prestar uma homenagem à presidência maltesa...", reiterou Juncker, antes de o presidente do Parlamento Europeu lhe pedir para "usar uma linguagem diferente". "Não somos ridículos, eu lhe peço, por favor", disse Tajani.