rfi

Ouvindo
  • RFI Brasil
  • Último jornal
  • RFI em francês
  • Brasil/Itália : Bolsonaro afirma que vai extraditar italiano Cesare Battisti se for eleito
O Mundo Agora
rss itunes

G20 perdeu boa parte de sua utilidade

Por Alfredo Valladão

Quando o G20 dos chefes de Estado foi lançado, há dez anos atrás, o mundo enfrentava a maior crise financeira internacional desde a Grande Depressão dos anos 1930. Hoje, com as economias gigantes – Estados Unidos e Europa - saindo do buraco, esse encontro perdeu o charme e boa parte de sua utilidade.

Na verdade, o G20, que junta 80% do PIB do planeta, nunca foi um organismo decisório, e nem um indício de democratização do sistema internacional. No início era apenas um mecanismo de diálogo, iniciado pelos Estados Unidos e a Europa, para disciplinar as reações das economias “emergentes” diante do vendaval financeiro.

Todos os comunicados finais das primeiras reuniões começavam com longos preâmbulos recitando o catecismo do liberalismo global: economia de mercado, livre-comércio, denúncia do protecionismo, liberdade de circulação de capitais, necessidade de reformas estruturais, além dos inevitáveis apelos ao “desenvolvimento sustentável e inclusivo”. Um catálogo de princípios seguido por medidas concretas para regulamentar melhor e ao mesmo tempo salvar o sistema financeiro global. E os vinte Estados membros, obedientes, assinavam em baixo.
    
Sem dúvida, uma catástrofe global foi evitada – mesmo se custou suor e lágrimas para populações inteiras e para muitos países que ainda não saíram do poço. Só que o mundo mudou. Os ditos “emergentes” perderam fôlego – inclusive a China – e descobriram que o crescimento dependia das exportações para os grandes mercados de consumo americano e europeu.

A revolução tecnológica da informação e comunicação está impondo um novo modelo econômico e social que favorece, de novo, as sociedades do Atlântico Norte. Hoje, são elas que estão carregando o crescimento global.

Para o velho “Primeiro Mundo”, as principais conversas e decisões acontecem cada vez mais no pequeno e antigo clube dos ricos: o G7. E esse grupo dos que estão na frente da nova economia global conectada está muito mais preocupado com as consequências domésticas desse jogo global: as desigualdades sociais e territoriais internas, os desempregados da “velha” economia, a chegada de centenas de milhares de imigrantes sonhando com uma vida melhor, movimentos populistas, nacionalistas e racistas que querem fechar as fronteiras e dar uma marcha ré na história. Pior ainda: a dificuldade da transição para um novo mundo interconectado também está ressuscitando pesadas tensões geopolíticas – na Ucrânia, na Síria ou na Coreia do Norte – e parindo governos ultranacionalistas e autoritários.

Sinais de alarme
    
O Brexit – a saída da Grã-Bretanha da União Europeia – e a eleição de Donald Trump com o seu slogan “Primeiro a América”, são sinais de alarme. A tentação de olhar só para o próprio umbigo sem se preocupar com os problemas globais que afetam a todos, pode trazer de volta os tempos dos egoísmos nacionais e das guerras de todos contra todos.

O G-20 de Hamburgo foi a demonstração dessa perigosa evolução. Sem dúvida, mais uma vez, foram repetidos os princípios que deveriam reger as economias abertas e o desenvolvimento sustentável. Também ficou claro o objetivo comum dos países membros: “gerir os desafios dos tempos e arquitetar o mundo interconectado”.

Mas o que valem as boas intenções sem a anuência da maior potência mundial: os Estados Unidos de Donald Trump? Dezenove membros reiteraram seus compromissos para com o Acordo de Paris sobre a mudança climática, mas tiveram que engolir a despedida dos Estados Unidos e até um menção sobre a importância de combustíveis fósseis. O protecionismo foi condenado, mas falou-se mais de “comércio justo”, defesa comercial e “excesso de capacidades”, do que de ‘livre-comércio”.

Na verdade, o G20 de Hamburgo serviu mais para os encontros e acordos bilaterais entre os dirigentes dos Estados Unidos, Rússia, China, Japão e Europa do que para criar um consenso multilateral sobre o que fazer com o mundo. Todos os outros países membros, sem cacife para apitar, foram reduzidos ao papel de meros espectadores ou pedintes.

*Alfredo Valladão, do Instituto de Estudos Políticos de Paris, assina uma crônica de política internacional às segundas-feiras na RFI

Opinião: Brasileiros viraram reféns de minorias extremistas que polarizaram a sociedade

América do Sul enfrenta desafio das migrações em massa, pela primeira vez em sua história

Só renovação salva empresas que atingiram “limite de crescimento”

Clima de guerra comercial prejudica países emergentes e em desenvolvimento

No jantar de Putin e Trump em Helsinque quem está no cardápio é a Europa

Movimentos "antissistema" beneficiam de crise social, política e econômica na UE

Fim de emenda que proíbe aborto na Irlanda revela crise institucional da Igreja

Opinião: Meghan é “salvação” para modernizar imagem da monarquia britânica