rfi

Ouvindo
  • RFI Brasil
  • Último jornal
  • RFI em francês
RFI CONVIDA
rss itunes

Entender o nazismo é importante para a juventude, diz autora e tradutora de livro sobre Hitler

Por Silvano Mendes

A jornalista, escritora e tradutora brasileira Silvia Bittencourt se especializou aos poucos no nazismo. Radicada na Alemanha há mais de duas décadas, ela redigiu um livro e traduziu para o português outras duas obras que tratam o assunto e defende a importância de publicações que expliquem às novas gerações os riscos dos regimes autoritários.  

Ex-correspondente da Folha de S.Paulo na Alemanha, Silvia Bittencourt é autora do livro “A Cozinha Venenosa –Um jornal contra Hitler”, publicado pela Três Estrelas, e tradutora de “Sonhos do Terceiro Reich”, de Charlotte Beradt, da mesma editora, e “High Hitler”, de Norman Ohler, da editora Planeta. Esse último, aliás, fez muito barulho ao revelar o consumo de drogas não apenas pelo líder nazista como também pelas suas tropas.  

“A partir do momento que você explica que os soldados alemães desde o início da Segunda Guerra Mundial estavam dopados, você leva em consideração que a história poderia ter sido outra”, analisa a tradutora. Ela ressalta, no entanto, que a autor nunca disse que sem as drogas Hitler não teria tomado as decisões que tomou. “A ideia de exterminar judeus e de fazer a guerra ele já tinha desde os anos 20”, enfatiza.

Já o livro “Sonhos do Terceiro Reich” foi escrito por uma jornalista alemã que coletou, nos anos 1930, quando Hitler estava no poder, os relatos dos sonhos de vários moradores. A obra, que ficou na gaveta durante décadas, antes de ser publicada nos anos 1960, mostra como o regime opressor tomava também o inconsciente da população.

A autora e tradutora reconhece que há uma fascinação por Hitler e pelo nazismo, inclusive no mercado editorial. “Até hoje existe uma curiosidade muito grande sobre como todos esses fatos históricos puderam acontecer. Como os alemães puderam votar naquele homem, como a coisa pode se desenvolver para o Holocausto. É um assunto que sempre vai exercer um fascínio e faz com que haja tantos livros sobre o tema”, explica.

Ela também rejeita a análise de que a abundância de livros sobre o nazismo possa provocar o que a filósofa e escritora alemã Hannah Arendt chama de “banalização do mal”. Para Bittencourt, “é muito importante voltar nesse assunto sempre, pois a juventude hoje, tanto aqui como no Brasil, não tem muito ideia [do que aconteceu]. É muito distante para eles o que foi o nazismo ou, no caso do Brasil, a ditadura militar. As pessoas que falam de um governo mais autoritário para reestabelecer a ordem não têm ideia”, defende.

Incêndios e barricadas substituíram greves como forma de protesto na França, diz especialista

Representante dos delegados da Polícia Federal diz ser contra banalização das armas no Brasil

Lia Rodrigues volta à Paris com “Fúria”, coreografia com moradores da favela da Maré

Militares nomeados por Bolsonaro são mais moderados do que ministros, diz Leonardo Sakamoto

“Comunidade internacional espera responsabilidade ambiental do Brasil”, diz especialista

“Muita gente procurava uma confeitaria menos doce”, diz chef francês radicado em Brasília

Paris recebe Bazar de Natal com artesanato de mulheres de favelas cariocas

Fotógrafo brasileiro lembra 30 anos da morte de Chico Mendes com exposição em Paris

Músicos Francis e Olivia Hime homenageiam Vinicius de Moraes na França

“Ser estrangeiro me fez escritor”, diz Natan Barreto, que lança livro de poesias em Paris

“Discurso de Bolsonaro legitima ‘direito de matar’”, afirma professora da Universidade de Brasília

Ex-ambulante brasileiro fala para 400 estudantes na Europa: “Seja parte da solução, não do problema”

“Romances em quadrinhos estão em momento especial”, diz ilustradora Luli Penna

“Sociedade civil é quem vai mudar o Brasil”, diz empresária Luiza Trajano em Paris

“É preciso regulação para que investigações sobre fake news não demorem anos”, diz especialista

"O problema do brasileiro é se conformar que Bolsonaro está eleito", diz Delfim Netto

Fotógrafa francesa Charlotte Dafol expõe em Paris imagens de ocupações brasileiras