rfi

Ouvindo
  • RFI Brasil
  • Último jornal
  • RFI em francês
RFI CONVIDA
rss itunes

Entender o nazismo é importante para a juventude, diz autora e tradutora de livro sobre Hitler

Por Silvano Mendes

A jornalista, escritora e tradutora brasileira Silvia Bittencourt se especializou aos poucos no nazismo. Radicada na Alemanha há mais de duas décadas, ela redigiu um livro e traduziu para o português outras duas obras que tratam o assunto e defende a importância de publicações que expliquem às novas gerações os riscos dos regimes autoritários.  

Ex-correspondente da Folha de S.Paulo na Alemanha, Silvia Bittencourt é autora do livro “A Cozinha Venenosa –Um jornal contra Hitler”, publicado pela Três Estrelas, e tradutora de “Sonhos do Terceiro Reich”, de Charlotte Beradt, da mesma editora, e “High Hitler”, de Norman Ohler, da editora Planeta. Esse último, aliás, fez muito barulho ao revelar o consumo de drogas não apenas pelo líder nazista como também pelas suas tropas.  

“A partir do momento que você explica que os soldados alemães desde o início da Segunda Guerra Mundial estavam dopados, você leva em consideração que a história poderia ter sido outra”, analisa a tradutora. Ela ressalta, no entanto, que a autor nunca disse que sem as drogas Hitler não teria tomado as decisões que tomou. “A ideia de exterminar judeus e de fazer a guerra ele já tinha desde os anos 20”, enfatiza.

Já o livro “Sonhos do Terceiro Reich” foi escrito por uma jornalista alemã que coletou, nos anos 1930, quando Hitler estava no poder, os relatos dos sonhos de vários moradores. A obra, que ficou na gaveta durante décadas, antes de ser publicada nos anos 1960, mostra como o regime opressor tomava também o inconsciente da população.

A autora e tradutora reconhece que há uma fascinação por Hitler e pelo nazismo, inclusive no mercado editorial. “Até hoje existe uma curiosidade muito grande sobre como todos esses fatos históricos puderam acontecer. Como os alemães puderam votar naquele homem, como a coisa pode se desenvolver para o Holocausto. É um assunto que sempre vai exercer um fascínio e faz com que haja tantos livros sobre o tema”, explica.

Ela também rejeita a análise de que a abundância de livros sobre o nazismo possa provocar o que a filósofa e escritora alemã Hannah Arendt chama de “banalização do mal”. Para Bittencourt, “é muito importante voltar nesse assunto sempre, pois a juventude hoje, tanto aqui como no Brasil, não tem muito ideia [do que aconteceu]. É muito distante para eles o que foi o nazismo ou, no caso do Brasil, a ditadura militar. As pessoas que falam de um governo mais autoritário para reestabelecer a ordem não têm ideia”, defende.

Brasileira apresenta na Berlinale documentário sobre ocupação dos Sem Terra em Goiás

“Direito à comunicação no Brasil ainda é muito atrasado”, diz fundador de web rádio indígena

"Alastrar competitividade para toda a economia brasileira está no radar do governo", diz diretor-geral da OMC

Fotógrafo curitibano expõe em Paris obras inspiradas na espiritualidade

Orçamento participativo e Bolsa Família são as principais políticas públicas “exportadas” pelo Brasil

“Brasil tem volta da oligarquia com uma política de extrema direita”, diz sociólogo da UFRJ

Compositor francês Debussy influenciou até Bossa Nova, lembra maestro Isaac Chueke

“Brasil e França trabalharam pelo silenciamento da memória escravista”, diz historiadora

Escritora Telma Brites Alves lança em Paris seu livro "Gaia: A Roda da Vida"

Cantora brasileira mistura música árabe e nordestina em álbum “Brisa Mourisca”

Movimento dos Atingidos por Barragens quer garantias de reparação total de danos às vítimas de Brumadinho

"Precariedade das favelas é estimulada pelo próprio Estado", diz historiador

Human Rights Watch: partida de Jean Wyllys é “triste para a esquerda e a direita”

“Falta educação no projeto de governo Bolsonaro”, diz Renato Janine Ribeiro

Apoiar oposição a Maduro é ingênuo e perigoso, diz especialista da Unicamp

"Estrela no Guia Michelin brinda a amizade franco-brasileira”, diz chef Raphaël Rego

Brasil é país que mais cai em relatório sobre competitividade divulgado em Davos

“Europeu gosta de música brasileira com contexto histórico”, diz cantor Mario Bakuna