rfi

Ouvindo
  • RFI Brasil
  • Último jornal
  • RFI em francês
RFI CONVIDA
rss itunes

Entender o nazismo é importante para a juventude, diz autora e tradutora de livro sobre Hitler

Por Silvano Mendes

A jornalista, escritora e tradutora brasileira Silvia Bittencourt se especializou aos poucos no nazismo. Radicada na Alemanha há mais de duas décadas, ela redigiu um livro e traduziu para o português outras duas obras que tratam o assunto e defende a importância de publicações que expliquem às novas gerações os riscos dos regimes autoritários.  

Ex-correspondente da Folha de S.Paulo na Alemanha, Silvia Bittencourt é autora do livro “A Cozinha Venenosa –Um jornal contra Hitler”, publicado pela Três Estrelas, e tradutora de “Sonhos do Terceiro Reich”, de Charlotte Beradt, da mesma editora, e “High Hitler”, de Norman Ohler, da editora Planeta. Esse último, aliás, fez muito barulho ao revelar o consumo de drogas não apenas pelo líder nazista como também pelas suas tropas.  

“A partir do momento que você explica que os soldados alemães desde o início da Segunda Guerra Mundial estavam dopados, você leva em consideração que a história poderia ter sido outra”, analisa a tradutora. Ela ressalta, no entanto, que a autor nunca disse que sem as drogas Hitler não teria tomado as decisões que tomou. “A ideia de exterminar judeus e de fazer a guerra ele já tinha desde os anos 20”, enfatiza.

Já o livro “Sonhos do Terceiro Reich” foi escrito por uma jornalista alemã que coletou, nos anos 1930, quando Hitler estava no poder, os relatos dos sonhos de vários moradores. A obra, que ficou na gaveta durante décadas, antes de ser publicada nos anos 1960, mostra como o regime opressor tomava também o inconsciente da população.

A autora e tradutora reconhece que há uma fascinação por Hitler e pelo nazismo, inclusive no mercado editorial. “Até hoje existe uma curiosidade muito grande sobre como todos esses fatos históricos puderam acontecer. Como os alemães puderam votar naquele homem, como a coisa pode se desenvolver para o Holocausto. É um assunto que sempre vai exercer um fascínio e faz com que haja tantos livros sobre o tema”, explica.

Ela também rejeita a análise de que a abundância de livros sobre o nazismo possa provocar o que a filósofa e escritora alemã Hannah Arendt chama de “banalização do mal”. Para Bittencourt, “é muito importante voltar nesse assunto sempre, pois a juventude hoje, tanto aqui como no Brasil, não tem muito ideia [do que aconteceu]. É muito distante para eles o que foi o nazismo ou, no caso do Brasil, a ditadura militar. As pessoas que falam de um governo mais autoritário para reestabelecer a ordem não têm ideia”, defende.

Inimigo no fascismo brasileiro é o pobre, diz pesquisadora do voto em Bolsonaro

Da extrema-direita à esquerda: populismo tem faces distintas na Europa e na América Latina, diz especialista

“Lula adiou troca e prejudicou campanha de Haddad”, diz analista David Fleischer

"Bolsa Família é grande aliado para quem deseja fazer ajuste fiscal no Brasil", afirma Marcelo Neri

Novo livro de Jean-Paul Delfino traz personagem imortal que viveu no Brasil

“Ataque corrobora ânimo de briga manifestado por Bolsonaro”, diz cientista político da UFMG

Em Perpignan, a fotógrafa brasileira Alice Martins expõe imagens da guerra na Síria

“Atlas do Agronegócio revela a complexa cadeia do setor agroindustrial”, diz coordenadora

"Assegurar preservação do patrimônio é responsabilidade da sociedade", diz presidente do Ibram sobre incêndio no Museu Nacional

“Quero nossa democracia de volta” pede cineasta brasileiro Fellipe Barbosa em Veneza

“Mulheres brasileiras sempre foram vistas como patrimônio do homem”, diz diretora-presidente da ONG Artemis

“Mulheres negras e indígenas representam o feminismo de resistência brasileiro”, afirmam pesquisadoras

Apesar da crise, brasileiros participam de Encontro Mundial das Famílias em Dublin

Instrumentalização política dos migrantes alimentou xenofobia em Roraima, diz professor da UFRR

"Tenho uma parte da história do Brasil nos meus arquivos", conta a fotógrafa Rosa Gauditano

Após turnê internacional, cantora Flávia Coelho volta ao estúdio em Paris para gravar 4° álbum

"Vitimização de Lula é estratégia do PT para angariar votos", diz cientista político