rfi

Ouvindo
  • RFI Brasil
  • Último jornal
  • RFI em francês
Linha Direta
rss itunes

Alemanha registra aumento de ataques contra homossexuais

Por RFI

A Alemanha é um país liberal. Já teve um prefeito gay à frente da capital, Berlim, e acaba de aprovar o casamento entre pessoas do mesmo sexo. Mas nem sempre é seguro para os homossexuais. Segundo o Ministério do Interior, nos primeiros seis meses deste ano houve um aumento de 27% nos ataques homofóbicos em relação ao mesmo período do ano anterior.

Cristiane Ramalho, correspondente da RFI em Berlim

Os ataques envolvem desde lesões corporais até incitação ao ódio, abuso, roubo e extorsão. Foram 130 delitos, contra 102 registrados no mesmo período do ano passado. O número inclui ainda ataques contra bi e transexuais. E em boa parte deles – 35 casos, houve motivação política ligada à extrema-direita.

Os ativistas que lutam pelos direitos dos homossexuais estão preocupados. E prometem pressionar o próximo governo, a ser eleito em setembro, a adotar um programa nacional de prevenção contra a violência homofóbica.

Os novos dados foram divulgados a pedido de um deputado verde e militante da causa, Volker Beck. Ele acusou o governo de não viabilizar ações para evitar esse tipo de violência, que vem crescendo.

O aumento neste primeiro semestre segue uma tendência já registrada no ano passado. E pode ser ainda maior, já que muitas vítimas preferem não denunciar os incidentes.

Sociedade apóia casamento gay

Um sinal de que a sociedade alemã é tolerante em relação aos homossexuais está na forte aprovação ao casamento gay, apoiado por mais de 80% dos alemães. Mas o Parlamento - liderado pelo partido conservador de Angela Merkel -, só deu sinal verde para a proposta em junho, depois que a primeira-ministra liberou a sua bancada a votar de acordo com a própria consciência.

A decisão foi anunciada por Merkel durante uma entrevista, já em clima de campanha eleitoral, em que ela foi questionada sobre o tema por um eleitor gay que vota no seu partido, a União Democrata-Cristã (CDU).

Ao liberar a bancada, Merkel poderia esvaziar uma bandeira da oposição, e ao mesmo tempo sinalizar uma mudança de postura para seus eleitores mais liberais.

Mas a centro-esquerda, que governa em coalizão com os conservadores, agiu rápido e conseguiu aprovar a proposta antes das eleições do mês que vem.

A própria Merkel votou contra, por uma questão de princípio, como ela mesma justificou. Durante anos, sua resistência ajudou a bloquear a decisão, já aprovada pelo Brasil, e por vários países europeus, como Suécia, Portugal, Espanha e França.

Ser gay era crime até 1994

O Parlamento alemão aprovou ainda um projeto para reabilitar e indenizar dezenas de milhares de homens que foram punidos apenas por sua orientação sexual, passando a história a limpo.

Ser gay na Alemanha era crime previsto no Código Penal, em lei que vigorou de 1949 até 1994, e podia levar à prisão. Mais de 60 mil homens foram julgados com base na legislação, herdada da era nazista.

Muitos foram presos, perderam empregos, sofreram humilhação pública e carregaram o estigma ao longo da vida. Hoje, a perseguição de Estado aos homossexuais é impensável na Alemanha. Mas as agressões recentes mostram que a discriminação ainda está presente, até mesmo em cidades cosmopolitas como Berlim.

Bolívia tenta sair do vácuo de poder e evitar cenário de guerra civil

Sob embalo de vitória de Lula, esquerda latino-americana se reúne em Buenos Aires

Deputados árabes de Israel fazem greve de fome contra violência e inação da polícia

Congresso americano começa a votar trâmite de impeachment do presidente Donald Trump

Ventos semelhantes a furacão colocam Califórnia em alerta máximo contra incêndios

Número de refugiados e migrantes venezuelanos no mundo vai superar em breve o de sírios

Uma pedra no sapato de Bolsonaro: o peronismo volta ao poder na Argentina

Argentina: peronista Alberto Fernández pode vencer eleições presidenciais no 1° turno

Espanha exuma restos mortais de Franco, enterrado ao lado de vítimas da guerra civil

Realizando protestos diários, Catalunha monopoliza debate político antes de eleições legislativas

Evo Morales enfrentará inédito segundo turno na Bolívia e perde controle no Congresso

Elizabeth Warren desponta como a pré-candidata preferida dos democratas

Turquia ignora sanções dos EUA e promete intensificar ataques no norte da Síria

Partido ultraconservador vence eleição na Polônia e prosseguirá reformas controvertidas