rfi

Ouvindo
  • RFI Brasil
  • Último jornal
  • RFI em francês

Emmanuel Macron Europa Grécia Alexis Tsipras

Publicado em • Modificado em

Em Atenas, Macron lança apelo para "refundar a Europa"

media
O presidente francês Emmanuel Macron discursa em Atenas com o Partenon ao fundo. REUTERS/Aris Messinis/Pool

Em um discurso solene durante sua passagem pela capital grega nesta quinta-feira (7), o presidente francês, Emmanuel Macron, pediu a restauração "da soberania, da democracia e da confiança", principalmente por meio de reformas, como a criação de um parlamento da zona do euro. Ele discursou no alto da colina Pnyx, em frente ao Partenon.


"Esta noite quero que coletivamente reencontremos a força para refundar nossa Europa, começando pela análise crítica sem concessão desses últimos anos", disse ao lado do primeiro-ministro grego, Alexis Tsipras.

Ele insistiu na necessidade de criar uma governança forte, um orçamento e um parlamento da zona do euro.

O presidente deseja um debate “de um novo método”, cujas linhas seriam traçadas até o fim do ano, para ser “submetidas ao povo no ano que vem”. Ele também defende “listras transnacionais paras as eleições europeias”.

Sobre o FMI

Antes, em entrevista coletiva ao lado de Macron, Tsipras disse que a Europa precisa estabelecer instituições para resolver futuras crises financeiras de seus países membros sem ter que recorrer a terceiros como o Fundo Monetário Internacional (FMI).

"A Europa precisa criar instituições apropriadas para ser capaz de lidar com seus problemas usando as próprias instituições, suas próprias ferramentas de financiamento", afirmou.

O FMI, juntamente com a UE, participou de dois dos três pacotes de resgate concedidos à Grécia desde 2010, em troca de medidas impopulares de austeridade.

Tsipras ainda destacou que a Grécia está "pronta e determinada" a sair do resgate internacional em agosto do ano que vem.

"Nós estamos absolutamente prontos e determinados a seguir nessa direção e estou certo de que nossos credores têm a mesma abordagem de evitar obstáculos e atrasos. É importante não apenas para Grécia, mas para a Europa", acrescentou.