rfi

Ouvindo
  • RFI Brasil
  • Último jornal
  • RFI em francês
Linha Direta
rss itunes

Espanha detém membros do governo da Catalunha que preparam referendo

A guarda civil espanhola prendeu nesta quarta-feira (20) 13 membros do executivo da Catalunha encarregados de preparar o referendo sobre a independência da região, marcado para 1° de outubro. O secretário da Economia catalão, Josep María Jové, braço direito do vice-presidente da região, Oriol Junqueras, está entre os detidos.

Luisa Belchior, correspondente da RFI em Madri

A pouco mais de uma semana da data marcada pela Catalunha para realizar um referendo de independência, as relações do governo local com o espanhol estão em grau máximo de tensão. Há duas semanas, a Justiça proibiu a consulta, a partir de uma denúncia impulsionada pelo primeiro-ministro Mariano Rajoy.

A operação policial desta quarta-feira envolveu as secretarias da Economia, do Interior e das Relações Exteriores da Catalunha, a sede do Tesouro catalão e o Centro de Telecomunicações e de Tecnologia da Informação da região autônoma.

Na semana passada, o Ministério Público denunciou por desobediência civil todos os cerca de 500 prefeitos de municípios catalães que declararam a intenção de realizar o referendo. Após as detenções de hoje, Barcelona convocou um protesto. Por outro lado, Rajoy alegou que está apenas cumprindo ordens judiciais.

Queda de braço entre Madri e Barcelona acirra os ânimos

Apesar da suspensão judicial, o governo catalão mantém o plebiscito e segue publicando diariamente no Diário Oficial da região a convocatória para a votação de 1º de outubro. O presidente da Catalunha, Carles Puidgemont, já afirmou que o resultado será vinculante. Ou seja, caso o "sim" ganhe, seu governo poderá convocar a independência dessa região da Espanha em até 48 horas. Essa ameaça abriu um intenso conflito político e judicial que se agrava a cada dia.

O governo central de Madri utiliza todos os recursos legais e políticos possíveis para impedir a votação. Na terca-feira (19), prefeitos da Catalunha começaram a prestar depoimento à Justiça. Além deles, o presidente da Catalunha e toda a sua cúpula foram indiciados por desobediência e malversação. Na semana passada, a Justiça ordenou uma operação de busca e apreensão na gráfica que ia imprimir as cédulas de votação.

Exército poderá intervir na votação

A Justiça deu uma ordem à polícia local para prender qualquer pessoa que esteja realizando a consulta pública no dia 1º de outubro. O corpo policial catalão, chamado Mossos D'Esquadra, tem muitos membros favoráveis à independência, mas seu diretor-geral disse que vai acatar a ordem. Mesmo assim, há a possibilidade de que o Exército tenha que intervir nas cidades catalãs no dia do plebiscito, porque, até a manhã de quarta-feira, o presidente catalão seguia afirmando que a realização do referendo está mantida.

As pesquisas mostram uma situação de empate, algumas delas com uma ligeira vantagem para o "sim", ou seja, pela separação. Caso isso aconteça, a Catalunha já tem pronta uma espécie mini Constituição. Aprovada no início de setembro pelo Parlamento local, o texto estabelece normas para os primeiros meses de uma suposta Catalunha independente, como a absorção dos funcionários públicos estatais, a adoção de três idiomas oficiais e a definição de quem terá nacionalidade catalã. Determina também que o presidente catalão indicará o nome do presidente do Tribunal Supremo e do procurador-geral da região.

O governo catalão diz se tratar de um processo democrático que Madri tenta impedir por medo do resultado. Mas o governo central se baseia no argumento de que, pela Constituição Espanhola, apenas o chefe de governo do país pode convocar um referendo. A legislação nacional impede que isso seja feito por um governo regional.

Refugiado deportado por engano expõe falha em política migratória da Alemanha

Novo bloqueio de Israel à Gaza aumenta temor de conflito de maiores proporções

Caos em aeroporto de Lisboa deixará Portugal com 1 milhão de turistas a menos por ano

"Nem sempre o melhor vence", alfineta capitão croata depois da final contra a França

Superação será fator decisivo na final da Copa entre França e Croácia

Trump visita May no Reino Unido mas tenta fugir dos protestos em Londres

Reforma da aposentadoria dos juízes ameaça Estado de Direito na Polônia

Secretário de Defesa americano dá prosseguimento a negociações diplomáticas em viagem pela Ásia

Fragilizada, Merkel tenta resolver conflito migratório em cúpula da UE

Com jogadores mais altos, Sérvia vai apostar em bolas aéreas contra o Brasil

Guerra comercial: EUA visam boicote ao capital chinês em empresas de tecnologia

UE visa criação de centros de triagem para migrantes fora do território europeu