rfi

Ouvindo
  • RFI Brasil
  • Último jornal
  • RFI em francês
A Semana na Imprensa
rss itunes

Estônia: ex-república soviética vira paraíso digital sem burocracia

Por Adriana Moysés

Esta semana a Estônia, país báltico de 1,3 milhão de habitantes, tornou-se a atração da imprensa francesa. O país acada de assumir a presidência rotativa da União Europeia e revelou ao mundo uma proeza de dar inveja aos gigantes americanos do setor de tecnologia da informação: baniu a burocracia, criando um sistema único de governança a partir de uma carteira de identidade com assinatura digital certificada.

Os estonianos não guardam mais papéis nem documentos em casa. Tudo sobre a vida deles está arquivado em uma carteira de identidade digital, ligada a um portal do governo, que dá acesso a todo tipo de serviço público e privado 24 horas. Com esse documento único, eles movimentam a conta bancária, votam, declaram o imposto de renda, recolhem tributos, abrem uma empresa, emplacam o carro, consultam o médico, recebem resultados de exames e receitas, encomendam remédios na farmácia, fazem matrículas nas escolas, e o que mais você quiser imaginar que uma pessoa precisa fazer de burocracia no cotidiano.

Outra vantagem: sem se locomover, usando apenas um computador, uma tablet ou o celular. Os dados pessoais são protegidos. O titular do documento estabelece seus parâmetros de confidencialidade, sabe imediatamente quem consulta seus dados e, se achar que houve invasão de privacidade ou abuso, pode recorrer à justiça.

As únicas coisas que os estonianos não podem fazer com a carteira de identidade eletrônica é casar e ou divorciar.

Buscando um projeto de futuro

Independente da União Soviética desde 1991, a Estônia procurava um projeto econômico para se distinguir dos vizinhos finlandeses, dinamarqueses e lituanos, revela uma reportagem da revista francesa L’Obs, quando encontrou a parada: investir em educação, novas tecnologias e no setor de serviços, responsável por 71% da economia. Ao mesmo tempo, o Estado adotou o caminho da eficiência, para servir melhor seus cidadãos e praticamente desaparecer dos radares.

As escolas estonianas foram maciçamente equipadas com computadores. As crianças aprendem a codificar – a linguagem informática – a partir dos 6 anos. Resultado: o país é o terceiro no ranking Pisa de desempenho em educação, atrás de Cingapura e do Japão.  

O país já estava nesse caminho, conta a L’Obs, quando veio a crise financeira de 2008. Mas a recuperação foi rápida: hoje, a Estônia tem uma taxa de crescimento de 3,1% e 6,7% de desemprego. Apenas 10% da população não utiliza esse passe digital. Para esses cidadãos, o governo reserva um atendimento personalizado.

O país tem ideias tão avançadas que criou ainda um programa de residentes estrangeiros virtuais, de 143 nacionalidades, que usam a mesma carteira de identidade mágica.

O melhor, segundo a presidenta da Estônia, Kersti Kaljulaid – sim, porque o país é governado por uma mulher –, é que as transações eletrônicas praticamente eliminam a fraude e a corrupção, já que computador não aceita propina, diz ela.

Livreiro espalha ursos de pelúcia em bairro de Paris e cria laços entre vizinhos

Revista conta como artistas húngaros vivem com a política repressiva de Orban

Figurinos de Jean Paul Gaultier para Portela já despertam interesse dos franceses

Revista L’Obs traz matéria sobre o “Fascismo Tropical” de Bolsonaro

Revista francesa traz perfil de vice de Bolsonaro, um “general sinistro”

Com recompensa de US$ 25 mi, líder do grupo EI é o homem mais procurado do mundo

Rival de Merkel consegue se impor como homossexual em partido homofóbico

Qualquer que seja o presidente eleito, será difícil tirar Brasil da crise, diz revista francesa Le Point

Psiquiatras franceses defendem Plano Nacional para tratar distúrbios mentais

Revista revela casos de assédio sexual nos conservatórios musicais da França

Livro mostra como poder econômico compra eleição e enfraquece democracia

Francesa mostra circuito de 200 motéis como atração turística do Rio de Janeiro

Revista L’Obs questiona “o que é ser um homem na era pós #Metoo”