rfi

Ouvindo
  • RFI Brasil
  • Último jornal
  • RFI em francês
Linha Direta
rss itunes

Repressão do governo espanhol fortalece independentistas na Catalunha

Por RFI

O "sim" venceu com o 90% dos votos no referendo da Catalunha, abrindo caminho para a independência do governo catalão. A vitória foi marcada pela violência policial, que deixou mais de 90 feridos neste domingo (1).

Fina Iñiguez, correspondente da RFI em Barcelona

De acordo com o porta-voz do governo catalão, Jordi Turull, o resultado final mostra que houve 2.020.144 votos a favor do "sim". O "não" registou 7, 8%, cerca de 176.566 votos. Apenas 2% dos catalães votaram em branco e 0,89% anularam o voto.

Os votos de fora da Catalunha e de 400 colégios fechados, que de acordo com Turull, equivaleriam a 770 mil cédulas eleitorais, ainda não foram contados. Ele afirmou que, apesar das dificuldades, o referendo foi rigoroso, para evitar fraudes. O presidente catalão Puigdemoint declarou, antes mesmo de apresentar os resultados, que a Catalunha tinha “adquirido o direito de ser um Estado independente”, pedindo à Europa para ser intermediária no processo.

Graças à falta de habilidade do premiê espanhol em lidar com a questão da Catalunha nos últimos anos e, especialmente, em relação ao referendo, os independentistas conseguiram duas coisas: votar e ganhar a atenção internacional. De acordo com a maioria das análises, os independentistas se fortaleceram e estão mais perto de alcançar o seu objetivo.

Muitos já dizem que nunca esquecerão a humilhação sofrida. Rajoy, talvez ainda não tenha percebido, mas já perdeu a Catalunha que, tanto diz, quer dentro da Espanha. Os próximos dias vão ser muito tensos politicamente. Nesta segunda-feira (2), o presidente Puigdemont anunciou que vai debater no Parlamento a declaração da independência da Catalunha. Hoje o presidente Rajoy também se reunirá com as forças políticas para iniciar um diálogo que, em suas palavras, permita “voltar à normalidade institucional”.

Greve geral

Na terça-feira (3) os catalães foram convocados para uma greve geral pelas plataformas independentistas Omnium Cultural e ANC, os sindicatos majoritários CCOO (Comissoes Operárias) e UGT (União Geral de Trabalhadores), juntamente com o partido anticapitalista CUP, em protesto contra "a repressão dos direitos fundamentais" ocorridas na Catalunha nas últimas semanas para impedir o referendo.

Na quarta-feira, se o Parlamento catalão aprovar a lei de desconexão da Catalunha da Espanha, Puigdemont deverá anunciar como o seu governo pretende implementar a independência.

Se isso acontecer, um dos cenários possíveis é que o governo espanhol aplique o artigo 155 da Constituição espanhola que, na prática, suspende a autonomia da Catalunha. Ou seja: a Catalunha perderia todas as competências, a administração da região voltaria para as mãos do governo espanhol e os dirigintes catalães poderiam ser presos.

Isso, longe de resolver a questão catalã, deverá complicar ainda mais a relação dos independentistas com o Estado espanhol. Nenhum governo espanhol aplicou esse artigo, portanto suas consequências são desconhecidas e, do ponto de vista da reação dos envolvidos, imprevisível.

Outro cenário possível é que se Rajoy não obtiver nenhum acordo com o governo catalão e nem o apoio suficiente para suspender a autonomia da Catalunha, sejam convocadas eleiçõe gerais. Se tendência das pesquisas se confirmar, o partido de Rajoy ganharia com maioria absoluta e essa possibilidade também não resolveria o conflito catalão. Esta semana vai ser chave para ver os passos do governo catalao e espanhol, mas o caminho promete ser longo e cheio de obstáculos.

Acordo entre Mercosul e UE deve ser assinado neste mês, afirma Temer em reunião da OMC

Votos brancos e nulos superam 65% em votação sobre judiciário da Bolívia

Resolução da ONU que levou à criação de Israel completa 70 anos, sem paz

Sem coalizão para governar, Alemanha tenta evitar eleições antecipadas

Chile vai ao segundo turno das eleições presidenciais com Piñera favorito

Greenpeace processa Noruega por avanço da exploração de petróleo no Ártico