rfi

Ouvindo
  • RFI Brasil
  • Último jornal
  • RFI em francês
RFI CONVIDA
rss itunes

“Béjart me disse que o mundo precisava de coreógrafos”, conta Claudio Bernardo

Por Márcia Bechara

O coreógrafo brasileiro, nascido em Fortaleza, comemora 30 anos de carreira na Bélgica com sua companhia, “As palavras”, e estreia na próxima sexta-feira (13) “Apoxyomenos”, à frente do Ballet Nacional da Croácia, em Zagreb, criação inspirada nas “Troianas”, de Eurípides, e nas trágicas travessias dos migrantes no Mediterrâneo. O novo trabalho fica em cartaz na capital croata até o dia 31 de outubro.

(Para ouvir o programa clique na foto acima)

“Eu venho de Fortaleza, no Ceará, de uma família simples que tinha grande prazer em participar de danças de salão. Quando fui estudar dança, eles me ajudaram bastante. Fui para São Paulo para trabalhar com o Ballet Stagium, depois trabalhei com o Victor Navarro e depois me inscrevi para a escola Mudra, de Maurice Béjart, onde fui aceito e onde criei minha primeira coreografia”, conta o coreógrafo Claudio Bernardo, que conversou com a reportagem da RFI Brasil no aeroporto de Zagreb, na Croácia, antes de embarcar para Bruxelas, na Bélgica, num breve interlúdio entre os ensaios com o Ballet Nacional croata.

“Maurice Béjart me ajudou bastante e me disse uma frase que foi muito importante para mim, ele falou ‘o mundo precisa de coreógrafos’... Eu tinha 21 anos, estava começando, nem sabia se a dança era realmente a minha vocação. Acabou sendo essa mesmo, e é uma coisa que eu adoro, ligada a muitas outras artes”, diz Bernardo.

“Trabalhei com Jean-Christophe Maillot em Tours, na França e depois voltei para a Bélgica, onde havia um movimento muito forte com Jan Fabre, Nicole Mossoux, eu tive vontade de voltar para esse berço. Quando voltei, comecei a trabalhar com o Frédéric Flamand e logo desenvolvi este apetite parar criar coreografias”, relata o artista brasileiro.

“Apoxyomenos”: entre tragédia grega e contemporânea

“O Ballet Nacional da Croácia me pediu uma criação. Eu vi um post desta escultura fenomenal [“Apoxyomenos”], é um jovem atleta que se limpa da areia e do óleo que eles passavam no corpo, depois dos treinos, com um objeto, o strigil. A escultura foi encontrada aqui no mar da Croácia por um mergulhador belga e ficou submersa durante dois mil anos”, conta Claudio Bernardo.

“Era um bronze intacto, e essa descoberta me fez pensar sobre toda essa história das travessias no Mediterrâneo, como “As Troianas”, de Eurípides, e os refugiados que agora chegam à Europa. Então de cara respondi que gostaria de fazer alguma coisa sobre o Apoxyomenos, aquele que ‘limpa a sua pele’, que é também aquele que ‘limpa a sua dor’, é o retrato dos refugiados da Europa nesta travessia [do Mediterrâneo], porque você vai perdendo tudo, você limpa até a identidade”, finaliza o coreógrafo brasileiro, que fundou a companhia As Palavras em 1995.

O bailarino e coreógrafo cearense Cláudio Bernardo Marko Ercegovic

Inimigo no fascismo brasileiro é o pobre, diz pesquisadora do voto em Bolsonaro

Da extrema-direita à esquerda: populismo tem faces distintas na Europa e na América Latina, diz especialista

“Lula adiou troca e prejudicou campanha de Haddad”, diz analista David Fleischer

"Bolsa Família é grande aliado para quem deseja fazer ajuste fiscal no Brasil", afirma Marcelo Neri

Novo livro de Jean-Paul Delfino traz personagem imortal que viveu no Brasil

“Ataque corrobora ânimo de briga manifestado por Bolsonaro”, diz cientista político da UFMG

Em Perpignan, a fotógrafa brasileira Alice Martins expõe imagens da guerra na Síria

“Atlas do Agronegócio revela a complexa cadeia do setor agroindustrial”, diz coordenadora

"Assegurar preservação do patrimônio é responsabilidade da sociedade", diz presidente do Ibram sobre incêndio no Museu Nacional

“Quero nossa democracia de volta” pede cineasta brasileiro Fellipe Barbosa em Veneza

“Mulheres brasileiras sempre foram vistas como patrimônio do homem”, diz diretora-presidente da ONG Artemis

“Mulheres negras e indígenas representam o feminismo de resistência brasileiro”, afirmam pesquisadoras

Apesar da crise, brasileiros participam de Encontro Mundial das Famílias em Dublin

Instrumentalização política dos migrantes alimentou xenofobia em Roraima, diz professor da UFRR

"Tenho uma parte da história do Brasil nos meus arquivos", conta a fotógrafa Rosa Gauditano

Após turnê internacional, cantora Flávia Coelho volta ao estúdio em Paris para gravar 4° álbum

"Vitimização de Lula é estratégia do PT para angariar votos", diz cientista político