rfi

Ouvindo
  • RFI Brasil
  • Último jornal
  • RFI em francês
RFI CONVIDA
rss itunes

“Béjart me disse que o mundo precisava de coreógrafos”, conta Claudio Bernardo

Por Márcia Bechara

O coreógrafo brasileiro, nascido em Fortaleza, comemora 30 anos de carreira na Bélgica com sua companhia, “As palavras”, e estreia na próxima sexta-feira (13) “Apoxyomenos”, à frente do Ballet Nacional da Croácia, em Zagreb, criação inspirada nas “Troianas”, de Eurípides, e nas trágicas travessias dos migrantes no Mediterrâneo. O novo trabalho fica em cartaz na capital croata até o dia 31 de outubro.

(Para ouvir o programa clique na foto acima)

“Eu venho de Fortaleza, no Ceará, de uma família simples que tinha grande prazer em participar de danças de salão. Quando fui estudar dança, eles me ajudaram bastante. Fui para São Paulo para trabalhar com o Ballet Stagium, depois trabalhei com o Victor Navarro e depois me inscrevi para a escola Mudra, de Maurice Béjart, onde fui aceito e onde criei minha primeira coreografia”, conta o coreógrafo Claudio Bernardo, que conversou com a reportagem da RFI Brasil no aeroporto de Zagreb, na Croácia, antes de embarcar para Bruxelas, na Bélgica, num breve interlúdio entre os ensaios com o Ballet Nacional croata.

“Maurice Béjart me ajudou bastante e me disse uma frase que foi muito importante para mim, ele falou ‘o mundo precisa de coreógrafos’... Eu tinha 21 anos, estava começando, nem sabia se a dança era realmente a minha vocação. Acabou sendo essa mesmo, e é uma coisa que eu adoro, ligada a muitas outras artes”, diz Bernardo.

“Trabalhei com Jean-Christophe Maillot em Tours, na França e depois voltei para a Bélgica, onde havia um movimento muito forte com Jan Fabre, Nicole Mossoux, eu tive vontade de voltar para esse berço. Quando voltei, comecei a trabalhar com o Frédéric Flamand e logo desenvolvi este apetite parar criar coreografias”, relata o artista brasileiro.

“Apoxyomenos”: entre tragédia grega e contemporânea

“O Ballet Nacional da Croácia me pediu uma criação. Eu vi um post desta escultura fenomenal [“Apoxyomenos”], é um jovem atleta que se limpa da areia e do óleo que eles passavam no corpo, depois dos treinos, com um objeto, o strigil. A escultura foi encontrada aqui no mar da Croácia por um mergulhador belga e ficou submersa durante dois mil anos”, conta Claudio Bernardo.

“Era um bronze intacto, e essa descoberta me fez pensar sobre toda essa história das travessias no Mediterrâneo, como “As Troianas”, de Eurípides, e os refugiados que agora chegam à Europa. Então de cara respondi que gostaria de fazer alguma coisa sobre o Apoxyomenos, aquele que ‘limpa a sua pele’, que é também aquele que ‘limpa a sua dor’, é o retrato dos refugiados da Europa nesta travessia [do Mediterrâneo], porque você vai perdendo tudo, você limpa até a identidade”, finaliza o coreógrafo brasileiro, que fundou a companhia As Palavras em 1995.

O bailarino e coreógrafo cearense Cláudio Bernardo Marko Ercegovic

“Diálogo com a criança é extremamente importante”, diz autora de livro infantil sobre câncer de mama

"Crianças francesas vão adorar ver Neymar numa situação tão humana e próxima deles", diz tradutora dos quadrinhos 'As aventuras de Neymar Jr'

Romain Vicari, artista plástico franco-brasileiro, expõe "bumerangue cultural" em Paris

“Aquecimento global é desafio do presente e do futuro para a produção de vinho”, diz enóloga brasileira à frente da OIV

“A ditadura não resiste à música”, afirma compositor multi-instrumentista Hermeto Pascoal

Avignon: “As crianças entendem tudo”, diz Miguel Fragata, diretor de peça infantil sobre refugiados

Decisão de Favreto sobre libertação de Lula deveria ter sido cumprida, dizem juristas ouvidos pela RFI

Sonho, rito e alteridade: ritual xavante inspira solo de brasileira em Montpellier Danse

Teatro do Oprimido de Paris remonta peça de Boal e questiona Brasil atual

"A seleção da França é quase toda afro-francesa", diz Gilberto Gil em Paris

Eleição presidencial no México tem semelhanças com Brasil, diz embaixador Rubens Barbosa

Vencedor do Prêmio Icatu, maestro brasileiro estreia em Paris novo sistema musical que homenageia Bach

“A música brasileira é muito maior do que as confusões políticas do país”, diz Kiko Loureiro, guitarrista do Megadeth

Artista plástica brasileira exibe em Paris obras inspiradas em arquitetos modernistas