rfi

Ouvindo
  • RFI Brasil
  • Último jornal
  • RFI em francês
Linha Direta
rss itunes

Caso de Pizzolato pode facilitar a extradição de Battisti à Itália

As autoridades da Itália estão confiantes em obter do governo de Michel Temer a extradição do ex-ativista Cesare Battisti, preso preventivamente em Corumbá (MS). O caso de Henrique Pizzolato, ex-diretor do Banco do Brasil, voltou à mesa de negociações de um "acerto político" entre Roma e Brasília, que resulte na extradição de Battisti.

Gina Marques, correspondente da RFI em Roma

Ex-integrante do grupo Proletários Armados pelo Comunismo, Battisti, hoje com 62 anos, foi condenado à prisão perpétua na Itália por quatro homicídios ocorridos na década de 1970. Ele recebeu refúgio político por uma decisão do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva e vivia em liberdade desde 2011. Para entender a relação entre o caso de Pizzolato e o de Battisti, é preciso retornar no tempo.

Em 2009, o Supremo Tribunal Federal (STF) autorizou a extradição de Battisti, mas o então presidente Lula, no seu último dia de mandato, em 2010, negou que o ex-militante fosse extraditado, autorizando sua permanência no Brasil.

Em 2012-2013, irrompeu entre os dois países o caso do ex-diretor do Banco do Brasil. Pizzolato, que possui dupla nacionalidade brasileira e italiana, foi condenado a 12 anos de prisão no escândalo do Mensalão, por corrupção passiva, peculato e lavagem de dinheiro, mas fugiu para a Itália antes de começar a cumprir a pena.

No início de 2014, Pizzolato foi preso em Maranello, e o governo brasileiro pediu imediatamente sua extradição. O governo italiano decidiu então extraditar Pizzolato, o que só se concretizou em 2015, com a esperança de convencer a então presidente Dilma Rousseff a deportar Battisti. Mas isso não aconteceu.

Em uma visita de Dilma a Roma, em julho de 2015, o presidente da Itália, Sergio Matarella, e o então primeiro-ministro Matteo Renzi solicitaram ao governo brasileiro que revisse a possibilidade de extradição de Battisti. Em uma entrevista coletiva ao lado da presidente brasileira, Renzi chegou a dizer que havia divergências jurídicas com o Brasil. Dilma desconversou sobre o caso Battisti.

Italianos nunca aceitaram decisão de Lula

A maioria dos italianos interpretou a decisão brasileira de negar a extradição de Battisti como uma afronta. Foi uma decisão política do governo Lula. Em todas as instâncias jurídicas brasileiras, o parecer foi favorável à extradição de Battisti. O caso acabou criando um mal-estar nas relações diplomáticas entre a Itália e o Brasil.

Na época em que o governo brasileiro decidiu dar refúgio a Battisti, um grupo de italianos protestou, jogando laranjas na frente da embaixada brasileira em Roma. Além dos protestos, muitas negociações comerciais entre os dois países foram interrompidas.

Recentemente, a Itália apresentou ao governo Temer um novo pedido de extradição de Battisti. O ministro da Justiça, Torquato Jardim, e o ministro das Relações Exteriores, Aloysio Nunes Ferreira, seriam favoráveis que o presidente Michel Temer autorizasse a entrega do ex-ativista à Itália.

A defesa de Battisti entrou com um "habeas corpus", no Supremo Tribunal Federal (STF), para impedir uma possível deportação. Segundo o advogado dele, Igor Tamasauskas, já não há mais tempo para que Temer reveja a decisão de Lula por uma questão de prescrição legal de prazo.

Mas há tempos que o governo italiano pede para que o governo brasileiro reveja o caso. Pode ter chegado o momento certo.

Questão de política interna na Itália

O ministro da Justiça italiano, Andrea Orlando, declarou que está confiante e que “a Itália está fortemente determinada a fazer com que Battisti cumpra a pena na Itália”. Ele ressaltou que “este é o modo de devolver, pelo menos em parte, o quanto foi retirado do país e dos familiares das vítimas”.

Já o ministro das Relações Exteriores, Angelino Alfano, reuniu-se em Roma, nesta quinta-feira (6), com o embaixador da Itália no Brasil, Antonio Bernardini. Depois do encontro, o ministro disse pelo Twitter que está em negociações para trazer Battisti de volta à Itália, entregá-lo à justiça, e que continuam os trabalhos com as autoridades brasileiras.

Questão de política interna italiana

Assim como no Brasil, Battisti se transformou numa questão política na Itália. O governo italiano quer resolver um problema que tem quase quarenta anos. A Itália quer também colocar um ponto final no passado terrorista da década de 1970. A maioria dos ex-terroristas foram condenados e cumpriram penas, mas Battisti não. Ele sempre escapou e nunca pediu desculpas para suas vítimas.

Uma delas é Alberto Torregiani que tinha 15 anos quando seu pai, Pierluigi, foi assassinado em 1979. Ele ficou paraplégico e até hoje pede justiça. O comportamento de Battisti é considerado arrogante e os italianos querem vê-lo na prisão.

No Brasil para posse de Bolsonaro, premiê de Israel quer discutir transferência de embaixada

Condenação de Michael Cohen complica a situação legal do presidente Donald Trump

Em último Conselho Europeu do ano, UE não fará concessões a May sobre o Brexit

Premiê britânica se reúne com líderes europeus para obter novas garantias para Brexit

Em clima tenso no clã Bolsonaro, presidente eleito será diplomado no TSE

Extrema direita se reúne na Bélgica contra Pacto sobre Migração da ONU

Bolivianos fazem greve geral contra nova candidatura de Evo Morales à presidência

Israel realiza operação em túneis do Hezbollah na fronteira com Líbano

Participação do Brasil no G20 é irrelevante à espera do que fará Bolsonaro

Hong Kong: congresso condena cientista"irresponsável" que editou genes em embriões

Outdoors sobre prêmio para retorno de migrantes causam indignação na Alemanha

Itália quer impedir empréstimo de obras de Da Vinci para museu do Louvre

Fim do Airbnb na Cisjordânia reforça ações contra ocupação israelense