rfi

Ouvindo
  • RFI Brasil
  • Último jornal
  • RFI em francês
Linha Direta
rss itunes

Catalunha segue em stand-by, Madri pode retirar autonomia da região

Por RFI

Depois de muito suspense, o presidente Puigdemont declarou que a Catalunha tinha “adquirido o direito de ser um Estado independente”, mas imediatamente pediu ao Parlamento para “suspender os efeitos da declaração durante algumas semanas” e abrir um tempo para o diálogo. A declaração causou surpresa nos adversários políticos e decepção nos partidários da independência.

Fina Iñiguez, correspondente em Barcelona

Depois do discurso de Puigdemont, para alguns a Catalunha está em “stand-by”, à espera de uma mediação internacional que sente Rajoy à mesa de negociação. E para outros a situação continua a mesma porque o presidente catalão não renunciou à independência da Catalunha, só está ganhando tempo para conseguir uma reação de Madri.

O governo espanhol convocou uma reunião extraordinária do Conselho de Ministros na manhã desta quarta-feira (11), para decidir os próximos passos.

Mariano Rajoy também quer ganhar tempo: ele informou que enviou um requerimento a Puigdemont para responder se ele declarou ou nao a indepedencia da Catalunha. Esse sería o passo prévio à aplicaçao do artigo 155 que suspende a autonomia da Catalunha.

Hoje à tarde, Rajoy vai comparecer ao Congresso para debater o assunto. O PSOE (socialista) e o Ciudadanos (centro-direita) são os partidos que o apoiam neste momento.

Segundo analistas, para Madri, Puigdemont não retrocedeu, e o governo espanhol pode aplicar a lei que suspende a autonomia da Catalunha. Uma decisão que muitos analistas consideram mais um erro estratégico de Rajoy, porque fortaleceria ainda mais o independentismo.

Primeiras reações

A primeira reação foi dentro da própria coalizão do governo. O discurso de Puigdemont decepcionou um de seus sócios, o partido anticapitalista CUP, que deu um prazo de no máximo um mês para fazer efetiva a declaração unilateral de independência. Após a sessão plenária, os 73 deputados independentistas assinaram um documento “simbólico” com um compromisso para continuar com o processo da independência, mas esse documento não tem valor jurídico.

De acordo com o governo catalão, Puigdemont abriu “um tempo para o diálogo” depois de ter recebido algumas propostas de mediação internacional com a condição de não tomar nenhuma decisão irreversível. Uma delas teria sido a do Governo suíço, embora Rajoy já tenha dito que não aceita nenhuma mediação.

O Partido Popular, que governa o país, e o Ciudadanos rejeitam a proposta de diálogo de Puigdemont, afirmando que isso só seria possível se o governo catalão voltasse à legalidade e desistisse de seu projeto independentista.

Êxodo empresarial

No plano empresarial também houve reações: o Grupo Planeta, uma das maiores empresas de comunicação do mundo sediada em Barcelona, anunciou sua saída para Madri, aumentando o êxodo empresarial da região.

Cerca de 30 empresas e bancos já tiraram a sede fiscal da Catalunha devido à instabilidade jurídica. Um êxodo que pode prejudicar a receita dos impostos e as finanças da região.

Oito segundos de euforia

Milhares de pessoas que acompanharam o discurso de Puigdemont em telões próximos ao Parlamento catalão e em várias cidades da Catalunha viveram um momento “montanha-russa”. Precisamente 8 segundos de euforia, que foi o tempo que Puigdemont demorou entre o reconhecimento da Catalunha como um estado independente e o pedido de suspensão da declaração.

À espera de que Rajoy explique no Parlamento qual vai ser a postura do governo, por enquanto a bola está no telhado de Madri.

Acordo entre Mercosul e UE deve ser assinado neste mês, afirma Temer em reunião da OMC

Votos brancos e nulos superam 65% em votação sobre judiciário da Bolívia

Resolução da ONU que levou à criação de Israel completa 70 anos, sem paz

Sem coalizão para governar, Alemanha tenta evitar eleições antecipadas

Chile vai ao segundo turno das eleições presidenciais com Piñera favorito

Greenpeace processa Noruega por avanço da exploração de petróleo no Ártico