rfi

Ouvindo
  • RFI Brasil
  • Último jornal
  • RFI em francês

República Tcheca Eleições Legislativas 2017 Refugiados Imigração Europa

Publicado em • Modificado em

Bilionário anti-imigração vence eleições legislativas na República Tcheca

media
Fundador da gigante agroalimentar, química e midiática Agrofert, Babis, de 63 anos, é apelidado de "Trump tcheco". REUTERS/David W Cerny

O partido populista ANO, do empresário bilionário Andrej Babis, contrário a abrir as portas à imigração e à Europa, venceu com folga as eleições legislativas na República Tcheca, segundo os resultados definitivos da votação divulgados neste sábado (21).


O partido ANO, que fez da luta contra a corrupção, contra o acolhimento de refugiados e contra a zona do euro suas principais bandeiras, obteve 29,7% dos votos na República Tcheca, o que lhe garantirá 78 assentos de um total de 200 no Parlamento.

O ANO é seguido por três partidos com resultado quase idênticos: ODS (direita) com 11,3%, Partido Pirata com 10,8% e SPD (extrema-direita) com 10,7%. Oito milhões de eleitores votaram na sexta-feira (20) e neste sábado (21) em um pleito que poderia bagunçar o cenário político no país.

Fundador da gigante agroalimentar, química e midiática Agrofert, Babis, de 63 anos, é apelidado de "Trump tcheco". Crítico da zona do euro e das diretrizes de Bruxelas por considerá-las uma limitação à soberania nacional, Babis não é nem hostil à UE como tal, nem partidário de um "Chexit".

"Os Estados devem ser dirigidos pelos presidentes e primeiros-ministros e não pelo (presidente da Comissão Europeia, Jean-Claude) Juncker. Não quero que haja mais integração" que a atual, disse Babis na quinta-feira (19) no último debate ao vivo na emissora privada TV Nova, com o chanceler Lubomir Zaoralek, à frente do partido social-democrata CSSD, pró-europeu.

“Não queremos migrantes aqui”

"Não temos vagas, não queremos migrantes aqui, queremos frear a imigração e queremos ter, por fim, um primeiro-ministro que diga à (chanceler alemã, Angela) Merkel e (ao presidente francês, Emmanuel) Macron que a solução está fora da Europa, acrescentou o líder do ANO.

Zaoralek está longe de opinar diferente. "Não haverá vagas (de acolhida para imigrantes), posso assegurá-lo e prometê-lo", afirmou. E "ninguém pode nos obrigar a ingressar na zona do euro". Membro da UE desde 2004, a República Tcheca conservou sua moeda nacional, a coroa.

"Nossa postura (sobre a adoção do euro) é negativa. A zona do euro foi um projeto econômico que se tornou um projeto político", afirmou Babis, antes de se declarar hostil à ideia de "pagar as dívidas gregas". Após uma campanha incomumente insossa, nove partidos podem alcançar o limiar de elegibilidade de 5%, o que corre o risco de abrir um período de incertezas antes de que se chegue a uma coalizão.

Pehe prevê "uma situação bastante complexa após as eleições, inclusive caótica, já que o resultado de Andrej Babis não será tão espetacular como se espera, devido aos escândalos" que ofuscam sua imagem. Segundo o analista, Babis será obrigado a negociar com formações como o CSSD, que não descartam uma coalizão com o ANO, embora sem seu líder.