rfi

Ouvindo
  • RFI Brasil
  • Último jornal
  • RFI em francês
Linha Direta
rss itunes

Feiras de Natal alemãs reforçam segurança depois do atentado de 2016

Por Márcio Damasceno

Na Alemanha, as tradicionais feiras natalinas, Christkindlrmarket, reabrem esta semana com segurança reforçada, depois do atentado que deixou 12 mortos e mais de 60 feridos no ano passado.

Entre as medidas que antes não existiam, estão o controle de bolsas na entrada e as câmeras de segurança nos estandes, além da instalação de cabines de polícia nos mercados mais movimentados da cidade. Tudo devidamente cercado por barreiras de concreto, que já haviam sido instaladas logo depois do atentado de 2016.

Mas não é só em Berlim que os esquemas de segurança do mercado de Natal estão sendo incrementados. Outras cidades alemãs também estão aumentando a segurança de suas feiras natalinas. Algumas medidas chamam a atenção, inclusive, pela criatividade.

Nas cidades de Hagen e Duisburg, por exemplo, estão sendo colocados grandes tanques de água em forma de cubo nos arredores do mercado de Natal local. Vinte reservatórios, com capacidade para mil litros de água cada um, foram posicionados em áreas estratégicas de acesso para a proteger o mercado, prevenindo a entrada de caminhões ou outros veículos. Outras localidades protegem seus mercados com sacos de areia gigantes. Já a prefeitura de Colônia decidiu fornecer um treinamento especial aos policiais para o patrulhamento de feiras natalinas da cidade.

Natal chegando cada vez mais cedo

A abertura cada vez mais prematura dos mercados de Natal na Alemanha tem provocado protestos tanto da igreja católica quando da igreja protestante. Tradicionalmente, as feiras natalinas começam na Alemanha no chamado Advento, que, no calendário religioso cristão, corresponde às quatro semanas que antecedem o Natal. Assim, a maioria dos mercados costumava abrir no começo de dezembro ou, quando muito, no final de novembro. Mas, de alguns anos para cá, esses eventos têm aberto cada vez mais cedo.

As igrejas acusam os organizadores de estarem provocando o que chamam de uma “ampliação artificial” do período do Advento por razões comerciais. Além de começarem mais cedo, as feiras estão também fechando mais tarde do que mandava a tradição. Muitas continuam funcionando dias depois do Natal, até mesmo depois do réveillon.

Eventos relembram os mortos no atentado

Os preparativos já começaram para a cerimônia em homenagem às vítimas no primeiro aniversário do atentado ao mercado de Natal de Berlim, em 19 de dezembro.

Durante a cerimônia, será inaugurado um monumento com o nome de todos os mortos. A obra terá a forma de uma rachadura dourada no chão na praça onde a tragédia ocorreu, nos arredores da Igreja Memorial Imperador Guilherme, indicando também o país de origem das vítimas da tragédia.

O mercado de Natal onde ocorreu o atentado deverá abrir no próximo dia 27, com uma cerimônia especial, lembrando o ocorrido e, logicamente, com esquema de segurança redobrado.

Trauma psicológico

Segundo a imprensa alemã, 390 policiais e 154 bombeiros atuaram no socorro às vítimas do atentado de Berlim. Desses, 28 policiais e 64 bombeiros afirmam ainda estar traumatizados, estando alguns sob acompanhamento psicológico.

 

Novo bloqueio de Israel à Gaza aumenta temor de conflito de maiores proporções

Caos em aeroporto de Lisboa deixará Portugal com 1 milhão de turistas a menos por ano

"Nem sempre o melhor vence", alfineta capitão croata depois da final contra a França

Superação será fator decisivo na final da Copa entre França e Croácia

Trump visita May no Reino Unido mas tenta fugir dos protestos em Londres

Reforma da aposentadoria dos juízes ameaça Estado de Direito na Polônia

Secretário de Defesa americano dá prosseguimento a negociações diplomáticas em viagem pela Ásia

Fragilizada, Merkel tenta resolver conflito migratório em cúpula da UE

Com jogadores mais altos, Sérvia vai apostar em bolas aéreas contra o Brasil

Guerra comercial: EUA visam boicote ao capital chinês em empresas de tecnologia

UE visa criação de centros de triagem para migrantes fora do território europeu

Eleições na Turquia: quem são os cinco candidatos que vão enfrentar Erdogan?

Permissão para mulheres sauditas dirigirem pode impulsionar indústria automotiva