rfi

Ouvindo
  • RFI Brasil
  • Último jornal
  • RFI em francês

Tribunal veneno Bósnia

Publicado em • Modificado em

Réu croata morre ao ingerir veneno durante julgamento em Haia

media
Slobodan Praljak, de 72 anos, gritou "Praljak não é um criminoso" antes de levar o frasco contendo veneno à boca, em Haia, em 29 de novembro de 2017. Reuters.

O ex-oficial do Exército bósnio-croata Slobodan Praljak, 72 anos, morreu nesta quarta-feira (29) após ingerir veneno na sala de audiências do Tribunal Penal Internacional para a Antiga Iugoslávia (TPII), em Haia, um drama inédito para a polícia holandesa.


“O gesto desesperado do réu ilustra a profunda injustiça moral cometida pelo tribunal de Haia”, considerou o primeiro-ministro croata, Andrej Plenkovic.Ele expressou suas "sinceras condolências" à família de Praljak.

Quando o tribunal se dispunha a emitir sua última sentença antes do encerramento de suas atividades em dezembro, o réu gritou "Praljak não é um criminoso".

"Rejeito seu veredicto", declarou ele ao tribunal, que confirmou sua sentença de 20 anos de prisão. Em seguida, o réu sacou um frasco do bolso, tragando seu conteúdo diante das câmeras. Segundo seu advogado, ele "bebeu veneno".

Funcionários do tribunal correram para atender Praljak, e o presidente da corte, Carmel Agius, ordenou a suspensão da audiência. Minutos depois, chegava uma ambulância, e um helicóptero sobrevoava a área. Vários socorristas entraram no tribunal.

Slobodan Praljak não resistiu e morreu em um hospital de Haia.

Sua morte foi anunciada por vários meios de comunicação croatas, incluindo o canal privado N1, e pelos principais jornais do país, Jutarnji List e Vecernji List, antes de ser confirmado pela agência oficial de notícias Hina, que cita uma fonte próxima ao acusado.

A sala de audiência onde aconteceu o incidente foi declarada "cena de crime" e "uma investigação foi aberta pela polícia holandesa", segundo anunciou o juiz presidente Carmel Agius antes de retomar o julgamento na parte da tarde, em outra sala do TPII.

Incidente inédito

Esse incidente inédito acontece durante uma audiência de apelação de seis ex-dirigentes e chefes militares dos bósnio-croatas, acusados de crimes de guerra no conflito entre croatas e muçulmanos (1993-1994) que explodiu durante a guerra na Bósnia (1992-1995).

Naquele momento, os juízes tinham acabado de confirmar a condenação a 25 anos de prisão contra o ex-dirigente dos croatas da Bósnia Jadranko Prlic pela transferência de populações muçulmanas e pelo recurso a assassinatos, estupros e destruições de bens civis com o objetivo de criar uma "grande Croácia".

Esses atos foram classificados pela acusação como crimes de guerra e crimes contra a humanidade cometidos durante a disputa bélica na Bósnia, que deixou mais de 100 mil mortos e 2,2 milhões de deslocados.

O veredicto desta quarta deveria ser o último do TPII antes de seu encerramento em dezembro, depois de quase um quarto de século dedicado a julgar os autores das piores atrocidades na Europa desde a Segunda Guerra Mundial.

Precedentes

Esta, porém, não é a primeira vez que um incidente acontece no TPII. Em 2006, o ex-líder dos sérvios da Croácia, Milan Babic, de 50 anos, condenado a 13 anos de prisão por abusos cometidos durante a guerra de 1991-1995 na Croácia, cometeu suicídio na prisão em Haia.

Ele foi o segundo preso do tribunal a se matar, depois de outro sérvio da Croácia, Slavko Dokmanovic, em junho de 1998.

Na semana passada, Ratko Mladic, ex-chefe das forças sérvias da Bósnia, condenado à prisão perpétua por genocídio e outros crimes, ficou muito estressado ao ouvir seu veredicto. Ele chegou a ser expulso da sala de audiência e não estava na banco dos réus acusado no momento da leitura do veredicto.

Jadranko Prlic, que era "primeiro-ministro" do Herceg-Bosna, entidade autoproclamada pelos nacionalistas croatas, foi julgado com outros cinco ex-líderes desta "República", condenados em primeira instância a sentenças que variam de dez a vinte anos de prisão, todas confirmadas em recurso nesta quarta-feira.

Como para Prlic, foram pedidos quarenta anos de detenção contra três deles: Bruno Stojic, seu ex-ministro da Defesa, Milivoj Petkovic, ex-chefe das forças armadas de Herceg-Bosna e Slobodan Praljak.

Eles foram condenados por "formação de quadrilha" para impor a dominação croata. Enquanto a guerra da Bósnia foi travada essencialmente entre muçulmanos e sérvios, croatas e muçulmanos também lutaram entre si.

A imagem mais simbólica da guerra que opôs entre 1993 e 1994 croatas católicos e bósnios muçulmanos foi a destruição da "Stari Most", a ponte otomana de Mostar, cidade multiétnica, habitada por muçulmanos da Bósnia e croatas católicos.

(Com informações da AFP)