rfi

Ouvindo
  • RFI Brasil
  • Último jornal
  • RFI em francês
Linha Direta
rss itunes

Javalis invadem Alemanha e atacam lavouras e pessoas

A Alemanha vem sofrendo uma verdadeira invasão de javalis. Os animais, cuja população tem crescido nos últimos anos, preocupam autoridades o país, que cogitam a liberação da caça do javali até mesmo dentro de reservas florestais. Algumas regiões chegaram a criar um prêmio em dinheiro aos caçadores para cada animal abatido.

Marcio Damasceno, correspondente da RFI em Berlim

A principal preocupação das autoridades alemãs com essa proliferação de javalis é a disseminação da peste suína africana, que vem afetando criações de porcos no Leste Europeu.

O vírus dessa doença – altamente contagiosa para os animais – vem se espalhando rapidamente em direção ao oeste da Europa desde que foi detectado na Ucrânia em 2012. O surto já chegou à República Tcheca e à Polônia, e não há vacina para o mal – os animas morrem dentro de cinco a 10 dias depois de infectados.

Caso chegue à Alemanha, a doença – que não afeta humanos – poder causar severos prejuízos à indústria de suinocultura do país.

Mas também já há prejuízos milionários em lavouras. Manadas de javalis atacam plantações de milho, por exemplo, destruindo os plantios e causando prejuízos aos agricultores. Os bichos também têm causado danos em jardins, em parques públicos e até em cemitérios.

Ataque a pessoas

A televisão aqui na Alemanha tem mostrado, de vez em quando, imagens assustadoras de manadas de javalis pelas ruas, invadindo até mesmo praias e atacando e ferindo turistas.

Reportagens de TV mostram também a controvérsia em uma ilha no norte da Alemanha, em Usedom, na fronteira com a Polônia.

Do lado da fronteira alemã os javalis podem ser caçados e do lado polonês eles são protegidos pela proibição da caça. Isso faz com que os animais se reproduzam na Polônia e atravessem a fronteira durante a noite, causando prejuízos nas lavouras alemãs.

Mas especialistas ressaltam que esses ataques a pessoas são ocorrências isoladas, que não acontecem com tanta frequência. Mas esses incidentes, com certeza, tendem a ser cada vez menos raros conforme cresce a população de javalis.

Mudanças climáticas

Especialistas apontam a mudança climática como uma das principais causas do aumento da população europeia de javalis, que hoje estão presentes na Dinamarca e na Suécia, onde antes eram pouco comuns.

Os invernos cada vez mais amenos fazem crescer a expectativa de vida dos animais, fazem com que haja mais comida à disposição deles.

Outro fator é a aproximação cada vez maior das plantações de áreas de floresta e, principalmente, o aumento do cultivo de milho e de outros cereais, que servem de alimento aos javalis.

Para tentar conter a disseminação dos javalis, algumas administrações regionais criaram um prêmio que vai de 20 a 25 euros para cada animal abatido pelos caçadores. Alguns políticos sugerem a liberação da caça também em áreas de reserva, uma medida que é controversa.

Aliás, a caça ao javali é uma atividade que atraiu até mesmo o príncipe Harry, do Reino Unido. Semana passada o filho mais novo do príncipe Charles esteve caçando em florestas nos arredores de Berlim, juntamente com um grupo de amigos alemães.

Segundo a imprensa, eles teriam matado 15 javalis. Mas não há notícia sobre se o príncipe abateu ele mesmo algum animal.

De qualquer forma, a motivação de Harry, com certeza não foi o prêmio oferecido aos caçadores, e sim a diversão. A caça é um dos passatempos preferidos do príncipe britânico.

Em clima tenso no clã Bolsonaro, presidente eleito será diplomado no TSE

Extrema direita se reúne na Bélgica contra Pacto sobre Migração da ONU

Bolivianos fazem greve geral contra nova candidatura de Evo Morales à presidência

Israel realiza operação em túneis do Hezbollah na fronteira com Líbano

Participação do Brasil no G20 é irrelevante à espera do que fará Bolsonaro

Hong Kong: congresso condena cientista"irresponsável" que editou genes em embriões

Outdoors sobre prêmio para retorno de migrantes causam indignação na Alemanha

Itália quer impedir empréstimo de obras de Da Vinci para museu do Louvre

Fim do Airbnb na Cisjordânia reforça ações contra ocupação israelense

Trump fecha o cerco aos migrantes latino-americanos na fronteira com o México

Primeiro Foro Mundial do Pensamento Crítico da esquerda discute vitória de Bolsonaro

Brexit: Parlamento britânico está dividido sobre acordo entre May e UE