rfi

Ouvindo
  • RFI Brasil
  • Último jornal
  • RFI em francês
Linha Direta
rss itunes

Catalunha: eleições não devem acabar com a crise na região

As eleições na Catalunha acontecem dois meses depois da declaração unilateral de independência feita pelo governo de Carles Puigdemont e da sua imediata destituição feita pelo governo de Mariano Rajoy. De acordo com as últimas pesquisas e a maioria das análises, caso os partidos não consigam fazer alianças depois desse pleito, novas eleições podem ser convocadas.

Fina Iñiguez, correspondente da RFI em Barcelona

As eleições desta quinta-feira (21) são atípicas: uma parte dos candidatos separatistas está na prisão, outra fora do país e as instituições da Catalunha estão sendo administradas em Madri.

As opções políticas estão polarizadas entre separatistas e constitucionalistas, ou seja,contrários à independência. Se não houver surpresa de última hora, nenhum partido dos sete concorrentes vai conseguir as 68 cadeiras necessárias para ter a maioria absoluta no Parlamento catalão.

O movimento separatista sabe que não pode se desligar da Espanha unilateralmente e os partidos constitucionalistas não podem desconsiderar o desejo de mais de dois milhões de catalães que querem que a Catalunha seja uma República independente.

O contexto é complexo. Para a situação voltar à normalidade, a Catalunha deve voltar a ser governada pelos seus candidatos eleitos e o famoso artigo 155 aplicado pelo governo de Mariano Rajoy para suspender o governo de Carles Puigdemont deve ser desativado.

Participação deve ser recorde

É esperado um recorde histórico de participação, que deve girar em torno dos 80%, o que poderia favorecer o bloco dos candidatos contrários à independência.

A campanha eleitoral no entanto terminou com muitos indecisos: de acordo com uma recente pesquisa do GESOP (Gabinete de Estudos Sociais e Opinião Pública), dos mais de cinco milhões e meio de catalães chamados às urnas, 27% estavam em dúvida sobre em quem iriam votar durante a campanha eleitoral.

Apesar desse cenário, os partidos deverão fazer o impossível para evitar novas eleições, o que agravaria a crise institucional e aumentaria a fuga das empresas. Mais de 3 mil já mudaram sua sede da Catalunha.

A situação pode ser reversível se os partidos chegarem a acordos que permitam a volta da normalidade institucional na Catalunha, a região mais rica da Espanha, responsável pelo 19% do PIB nacional e líder nos setores da exportação, indústria, pesquisa e turismo.

Candidata separatista ganha força

O que mais preocupa os separatistas é a possibilidade da vitória do partido Cidadãos. Sua candidata, Inés Arrimadas, a jovem política andaluza que lidera o partido Cidadãos na Catalunha, disparou na intenção de voto das últimas sondagens, superando inclusive o histórico partido separatista ERC que vinha sendo o líder.

Nenhuma pesquisa garantiu a governabilidade de nenhum dos sete partidos concorrentes e todos sabem que vão ter que fazer alianças. O bloco constitucionalista foi formado pelos partidos que apoiaram a intervenção da Catalunha: o conservador Partido Popular do primeiro-ministro Mariano Rajoy, o novo partido da direita Cidadãos, considerado mais à direita que o PP e o partido socialista da Catalunha (PSC).

No bloco separatista estão o partido Esquerda Republicana da Catalunha ERC, o Juntos pela Catalunha, liderado por Carles Puigdemont, o presidente destituído da Catalunha que está atualmente na Bélgica e o partido de extrema-esquerda CUP (Candidatura da Unidade Popular).

No meio, entre um bloco e outro, está o partido Catalunha em Comum. Um partido jovem de esquerda contrário à independência, surgido do movimento social 15M, que defende um referendo negociado com o governo espanhol. É o partido da prefeita de Barcelona, Ada Colau. As pesquisas apontam Catalunha em Comum como um dos partidos que vai disputar a governabilidade da Catalunha com o Partido Socialista buscando alianças.

Até o final da campanha nem Catalunha em Comum nem o Partido Socialista admitiram fazer acordos entre si. Cidadãos e PP previsivelmente vão se apoiar. A dúvida é se o PSC vai continuar alinhado com os partidos da direita, PP e Cidadãos, ou se vai ter o jogo de cintura suficiente para sair do bloco que promoveu o artigo 155 e buscar acordos com a esquerda.

Situação de Puigdemont

Puigdemont apostou todas as fichas numa só carta: a de ser o mais votado para voltar à Catalunha como presidente do Governo catalão (Generalitat) e provar que a aplicação do artigo 155 de Rajoy não acabou com o independentismo. Ele não considera não ganhar as eleições e ninguém se aventura a prever o que ele vai fazer caso isso aconteça.

Eleições na Turquia: quem são os cinco candidatos que vão enfrentar Erdogan?

Permissão para mulheres sauditas dirigirem pode impulsionar indústria automotiva

Argentina usará parte do empréstimo do FMI para conter escalada do dólar

Trump prefere jogar culpa nos democratas a assumir ônus da separação dos menores e seus pais

Candidato mais cotado à presidência da Colômbia coloca em risco acordo com as Farc

Londres: um ano após incêndio na Torre Grenfell, 68 famílias seguem sem moradia

Trump vai convencer Kim Jong-Un a abandonar o programa nuclear da Coreia do Norte?

Pipas incendiárias lançadas de Gaza destroem 20 km de plantações em Israel

Após queda de premiê, população mantém protestos na Jordânia contra austeridade

Restrições a importações de carros pode gerar guerra comercial entre Alemanha e EUA

Espanha: governo de Sánchez terá extrema-esquerda e partidos pró-independência

Governo de Rajoy é derrubado por moção de censura no Parlamento da Espanha

Veto contra lei da eutanásia em Portugal: nenhum partido quis pagar o ônus político de uma legalização

Itália: eleitores desaprovam rejeição do voto popular em escolha de chefe de governo

Espanha: um dos maiores casos de corrupção da Europa pode afastar Rajoy