rfi

Ouvindo
  • RFI Brasil
  • Último jornal
  • RFI em francês
RFI CONVIDA
rss itunes

Sommelière ensina como economizar na hora de escolher vinhos para o Natal

Por Claudia Giuza Mercier

O bom e velho vinho é presença indispensável durante a ceia de Natal. Mas como fazer uma boa escolha da bebida sem gastar muito?

Para a sommelière brasileira Marina Giuberti, dona de duas prestigiadas lojas de vinho em Paris, as vinícolas brasileiras têm produzido excelentes safras com preços razoáveis.

(Para ouvir a entrevista com Marina Giuberti na íntegra, clique na foto acima)

Segundo ela, o espumante é uma boa opção para acompanhar a ceia desde o aperitivo até a sobremesa. Mas ela explica que o ideal é escolher um tipo de vinho para cada prato.

Para não gastar muito a dica é “ir a uma boa enoteca ou a um supermercado onde a seleção seja feita por um especialista. A pessoa responsável por orientar sobre os vinhos está ali para respeitar o seu orçamento. Você nunca deve ter vergonha de falar do valor a ser gasto. Dentro dessa possibilidade, a gente vai achar o melhor vinho”, afirma Giuberti.

Segundo ela, dentro da realidade brasileira, o valor razoável para um bom vinho é a partir de R§ 50. “Eu sempre aconselho para quem está começando a ‘beber esse valor’. O vinho alimenta a alma, é um prazer. É melhor você começar a beber menos e melhor. Ao invés de comprar três garrafas de R§ 50, compre duas de R§ 100”, aconselha a Giuberti.

Uma garrafa para dois

Para não fazer feio durantes as festas, o ideal é calcular uma garrafa de vinho para cada duas pessoas. “Mas se você tem um cunhado que bebe muito, tenha sempre vinhos de reserva para não faltar na festa”, brinca a sommelière.

Para aqueles que desejam presentear com uma garrafa de vinho, a dica é escolher o rótulo de acordo com o perfil da pessoa. “O vinho é um presente coringa, todo mundo gosta. Tem vinho para todos os gostos e ocasiões. Qual a idade da pessoa? Qual a profissão dela? Em função disso você escolhe um vinho encorpado, um espumante mais leve”, diz Marina Giuberti.

Made in Brasil

A sommelière explica sobre a expansão do mercado brasileiro que tem produzido safras de qualidade. “O público brasileiro gosta muito de vinho, é um público que tem sede de aprendizado. O Brasil é 37 vezes maior que a França, a gente tem boas regiões vinícolas. Muitos viticultores fazem intercâmbio na França para aprender vinificar. O importante é escolher bem o local para comprar e ter confiança na pessoa que te aconselha”, esclarece.  

Champagne ou espumante?

Espumante é fundamental para celebrar. Napoleão Bonaparte já dizia sobre o champagne que a bebida é necessária na derrota e na vitória. O champagne vem da região de Champagne, que fica pertinho de Paris, no norte da França e é a bebida mais nobre, com gosto único. A gente sabe que no Brasil custa um pouco mais então a dica se for tomar espumante brasileiro é o método champenoise ou o método clássico. Esse método champenoise significa duas fermentações na garrafa. Ele vai dar uma perlage que é uma efervescência de maior qualidade. É um vinho mais prazeroso, mais elegante. Essas informações estão no rótulo”, ensina Marina Giuberti.  

Cursos para turistas brasileiros em Paris

A sommelière brasileira, diplomada na Itália e na França, é júri dos sommeliers franceses da região parisiense. Giuberti oferece cursos de degustação e harmonização na Divvino, sua “cave à vin”, que fica no coração de Paris. Ela recebe grupo de turistas brasileiros que querem conhecer o universo dos vinhos franceses.

Romain Vicari, artista plástico franco-brasileiro, expõe "bumerangue cultural" em Paris

“Aquecimento global é desafio do presente e do futuro para a produção de vinho”, diz enóloga brasileira à frente da OIV

“A ditadura não resiste à música”, afirma compositor multi-instrumentista Hermeto Pascoal

Avignon: “As crianças entendem tudo”, diz Miguel Fragata, diretor de peça infantil sobre refugiados

Decisão de Favreto sobre libertação de Lula deveria ter sido cumprida, dizem juristas ouvidos pela RFI

Sonho, rito e alteridade: ritual xavante inspira solo de brasileira em Montpellier Danse

Teatro do Oprimido de Paris remonta peça de Boal e questiona Brasil atual

"A seleção da França é quase toda afro-francesa", diz Gilberto Gil em Paris

Eleição presidencial no México tem semelhanças com Brasil, diz embaixador Rubens Barbosa

Vencedor do Prêmio Icatu, maestro brasileiro estreia em Paris novo sistema musical que homenageia Bach

“A música brasileira é muito maior do que as confusões políticas do país”, diz Kiko Loureiro, guitarrista do Megadeth

Artista plástica brasileira exibe em Paris obras inspiradas em arquitetos modernistas

Marcela Levi e Lucía Russo: Crise no Brasil está esgotando a criação na dança