rfi

Ouvindo
  • RFI Brasil
  • Último jornal
  • RFI em francês
RFI CONVIDA
rss itunes

Sommelière ensina como economizar na hora de escolher vinhos para o Natal

Por Claudia Giuza Mercier

O bom e velho vinho é presença indispensável durante a ceia de Natal. Mas como fazer uma boa escolha da bebida sem gastar muito?

Para a sommelière brasileira Marina Giuberti, dona de duas prestigiadas lojas de vinho em Paris, as vinícolas brasileiras têm produzido excelentes safras com preços razoáveis.

(Para ouvir a entrevista com Marina Giuberti na íntegra, clique na foto acima)

Segundo ela, o espumante é uma boa opção para acompanhar a ceia desde o aperitivo até a sobremesa. Mas ela explica que o ideal é escolher um tipo de vinho para cada prato.

Para não gastar muito a dica é “ir a uma boa enoteca ou a um supermercado onde a seleção seja feita por um especialista. A pessoa responsável por orientar sobre os vinhos está ali para respeitar o seu orçamento. Você nunca deve ter vergonha de falar do valor a ser gasto. Dentro dessa possibilidade, a gente vai achar o melhor vinho”, afirma Giuberti.

Segundo ela, dentro da realidade brasileira, o valor razoável para um bom vinho é a partir de R§ 50. “Eu sempre aconselho para quem está começando a ‘beber esse valor’. O vinho alimenta a alma, é um prazer. É melhor você começar a beber menos e melhor. Ao invés de comprar três garrafas de R§ 50, compre duas de R§ 100”, aconselha a Giuberti.

Uma garrafa para dois

Para não fazer feio durantes as festas, o ideal é calcular uma garrafa de vinho para cada duas pessoas. “Mas se você tem um cunhado que bebe muito, tenha sempre vinhos de reserva para não faltar na festa”, brinca a sommelière.

Para aqueles que desejam presentear com uma garrafa de vinho, a dica é escolher o rótulo de acordo com o perfil da pessoa. “O vinho é um presente coringa, todo mundo gosta. Tem vinho para todos os gostos e ocasiões. Qual a idade da pessoa? Qual a profissão dela? Em função disso você escolhe um vinho encorpado, um espumante mais leve”, diz Marina Giuberti.

Made in Brasil

A sommelière explica sobre a expansão do mercado brasileiro que tem produzido safras de qualidade. “O público brasileiro gosta muito de vinho, é um público que tem sede de aprendizado. O Brasil é 37 vezes maior que a França, a gente tem boas regiões vinícolas. Muitos viticultores fazem intercâmbio na França para aprender vinificar. O importante é escolher bem o local para comprar e ter confiança na pessoa que te aconselha”, esclarece.  

Champagne ou espumante?

Espumante é fundamental para celebrar. Napoleão Bonaparte já dizia sobre o champagne que a bebida é necessária na derrota e na vitória. O champagne vem da região de Champagne, que fica pertinho de Paris, no norte da França e é a bebida mais nobre, com gosto único. A gente sabe que no Brasil custa um pouco mais então a dica se for tomar espumante brasileiro é o método champenoise ou o método clássico. Esse método champenoise significa duas fermentações na garrafa. Ele vai dar uma perlage que é uma efervescência de maior qualidade. É um vinho mais prazeroso, mais elegante. Essas informações estão no rótulo”, ensina Marina Giuberti.  

Cursos para turistas brasileiros em Paris

A sommelière brasileira, diplomada na Itália e na França, é júri dos sommeliers franceses da região parisiense. Giuberti oferece cursos de degustação e harmonização na Divvino, sua “cave à vin”, que fica no coração de Paris. Ela recebe grupo de turistas brasileiros que querem conhecer o universo dos vinhos franceses.

Livro sobre Dandara, líder do movimento negro do Quilombo dos Palmares, é lançado na França

“Uso da religião está sendo deturpado nas eleições", diz médium Divaldo Franco

“Minha música é um engajamento pela liberdade”, diz gaúcho radicado na França

“Apenas distanciamento histórico vai explicar o que deu errado no Brasil”, diz cineasta Filipe Galvon

"Brasileiros querem coisas novas, mesmo que elas piorem para depois melhorar", diz Luiz Olavo Baptista

Jussara Korngold: "Brasileiros contribuiram para entrada do espiritismo nos EUA"

Documentário sobre ocupação do prédio do IBGE durante Rio 2016 é lançado na França

“Brasil virou um território da burrice”, diz escritor Bernardo Carvalho

“Há uma crença de que um regime mais militarizado colocaria ordem no Brasil”, diz historiadora da USP

Campanha da extrema direita mergulha Brasil em momento regressivo, diz especialista em segurança

"Faremos políticas públicas de alto impacto e baixo custo", diz cocandidata da Bancada Ativista de SP

Bolsonaro é produto de "avacalhação" da democracia brasileira, diz analista

Tudo o que você precisa saber para votar nas eleições brasileiras de 2018 em Paris

“Eu quis mostrar o ciclo criminoso que persiste no sertão brasileiro”, diz cineasta Eduardo Morotó em Biarritz

“Era inimaginável ver alguém defendendo a volta da ditadura, como hoje no Brasil”, diz a cineasta Flávia Castro

“Bolsonaro representa a banda podre do Brasil”, diz cartunista Adão Iturrusgarai

Bela Gil em festival Slow Food na Itália: “É importante conhecer quem produz o alimento”