rfi

Ouvindo
  • RFI Brasil
  • Último jornal
  • RFI em francês
Linha Direta
rss itunes

Polêmica reforma judicial da Polônia é novo quebra-cabeça da UE

Nas vésperas do réveillon, os poloneses se preparam para entrar em 2018 com o pé esquerdo. Devido à polêmica reforma judicial, o país deve ser alvo de um procedimento inédito de sanções da União Europeia (UE), que, em última instância, pode levar à suspensão do seu direito de voto no bloco. A questão é apontada por especialistas como o novo quebra-cabeça dos líderes europeus. 

Marcio Damasceno, correspondente da RFI, especial da Polônia

Ao anunciar que irá ativar o artigo 7 do Tratado da União Europeia contra a reforma judicial polonesa, Bruxelas se arrisca. A medida, chamada de “bomba atômica”, pode acabar explodindo no colo dos europeus. 

A situação também não é nada confortável para a Comissão Europeia. Caso decidir não fazer nada, pode ficar com imagem de uma instituição apática. Já ao levar adiante o processo, entrega ao governo nacionalista de Varsóvia uma chance de ouro para que se faça de vítima de Bruxelas, posando como defensor dos valores poloneses frente a uma suposta “agressão externa”. 

Ao menos o processo leva os 27 Estados-membros a se manifestarem a favor dos valores da Uniao Europeia. Quer dizer, em uma primeira fase, basta o apoio de quatro quintos dos membros do bloco para que o projeto siga adiante. E aí, se pelo menos 22 países da UE apontarem que há uma ameaça ao Estado de direito na Polônia, pelo menos a medida contribui para tirar a impressão de que é a Comissão Europeia que está numa desavença pessoal com Varsóvia.

A ameaça não parece convencer a Polônia a ceder e voltar atrás, até porque o processo de penalização provavelmente não vai chegar às últimas consequências. Os membros da União Europeia devem aprovar as sanções de forma unânime, e o governo da Hungria já disse que votará contra uma punição.

Polêmica reforma judicial

Há cerca de dois anos, a Polônia vem aplicando uma série de reformas. Algumas leis já estão em vigor há algum tempo, outras acabaram de ser sancionadas pelo presidente do país, Andrzej Duda. Em resumo, a parte mais polêmica destas mudanças consiste em 13 leis que permitem ao Executivo intervir de forma significativa em todo sistema judicial o que, segundo Bruxelas ameaçaria o Estado de direito. 

Entre elas, medidas que permitem ao governo polonês designar e destituir presidentes do Supremo Tribunal do país, que também é responsável pela validação de eleições. Outras dão ao ministro da Justiça, que também acumula a função de procurador-geral do país, poderes para demitir e indicar juízes de tribunais regionais. 

Uma das maiores preocupações da UE é quanto ao Tribunal Constitucional polonês que, com as reformas, passa a ter seus juízes sendo designados pelo Parlamento, que atualmente é dominado pelo Partido Lei e Justiça (PiS). Outra lei dá ao legislativo o poder de nomear os membros do Conselho Nacional do Judiciário, um órgão de supervisão de juízes.

O governo ultranacionalista do PiS diz que as reformas servem para profundar a democracia, tornar o Judiciário mais eficiente e aumentar a confiança que os cidadãos têm na Justiça. Outro argumento é que seria necessário retirar os antigos colaboradores do antigo governo comunista, que ainda estariam atuando no Judiciário. 

Já os críticos, incluindo a oposição e a Comissão Europeia, acusam o governo polonês de querer controlar o Judiciário.

Sociedade polarizada

A sociedade do país está dividida politicamente. Enquanto a parcela rural e conservadora da população defende a reforma judicial, argumentando que a Polônia precisa finalmente de uma Justiça que funcione e que não seja tão lenta e ineficaz como a atual, a classe média, e sobretudo os habitantes dos centros urbanos, temem a perda de suas liberdades, com o curso cada vez mais ditatorial imposto pelo governo nacionalista do PiS.

Mas a maioria da população não está muito incomodada com as ameaças de Bruxelas e até apoia as mudanças. Desde que chegou ao poder, em 2015, o ultraconservador PiS continua com popularidade alta. O polonês mediano está satisfeito com medidas sociais implementadas pelo governo, como o aumento do salário-família, a diminuição da idade de aposentadoria e o incentivo de projetos de moradia para os mais pobres. 

Seja como for, a crise ainda vai dar muito pano pra manga em 2018. Depois do Brexit, já há quem mencione um possível "Polexit". 
 

Protestos contra padre acusado de abuso sexual marcam visita do Papa aos países bálticos

Destituição do chefe da agência de inteligência alemã abala governo Merkel

70° Emmy é marcado por pedido de casamento e premiação de “The Marvelous Mrs. Maisel”

Hong Kong se recupera da passagem do tufão Mangkhut, o mais forte que já atingiu o território

Em Berlim, congresso sobre violência sexual destaca casos na Igreja Católica

25 anos depois, Acordos de Oslo entre Israel e Palestina parecem cada vez mais distantes

Primárias em Nova York podem concretizar "ano da mulher" do Partido Democrata

Ameaças de sanções contra o Tribunal Penal Internacional reforçam opção isolacionista dos EUA

Suécia: eleições devem confirmar avanço de partido da extrema-direita e anti-imigração

Devido ao Brexit, Reino Unido perde apoio dos países europeus no caso Skripal

Acusado de apoiar terrorismo, Catar pode virar ilha e ficar totalmente isolado

Aufstehen, movimento de esquerda e anti-imigração, é lançado na Alemanha

Ministro italiano pode ser afastado do cargo por bloquear migrantes na Sicília