rfi

Ouvindo
  • RFI Brasil
  • Último jornal
  • RFI em francês
Linha Direta
rss itunes

País mais corrupto da União Europeia assume presidência do bloco

Por Letícia Fonseca

A Bulgária assume pela primeira vez a presidência rotativa da União Europeia (UE). Os desafios do governo búlgaro, nos próximos seis meses, não são poucos. Entre eles estão, as negociações do Brexit, a política migratória e as relações com a Turquia, a possibilidade da Polônia perder o direito de voto no Conselho Europeu e muito mais.

Dez anos após a sua adesão ao bloco europeu, a Bulgária - o país mais pobre e considerado o mais corrupto da União Europeia – tem pela frente a administração de questões bem delicadas para o futuro da Europa. Com o lema “a unidade faz a força”, o governo de Sófia, capital da Bulgária, afirmou que pretende assumir muito mais o papel de mediador do que exercer uma liderança nos próximos seis meses.

Sem nenhuma experiência em comandar o bloco europeu e famosa pela ineficácia no combate à corrupção endêmica no país, a presidência búlgara está sendo vista com muita cautela. Uma das razões desta desconfiança é o seu governo de coalizão. Ao vencer as eleições do ano passado, o conservador e populista Boiko Borisov, atual primeiro-ministro do país, fez uma aliança com a extrema-direita búlgara do partido Patriotas Unidos para poder governar.

Outra preocupação de Bruxelas é o fracasso da estratégia anticorrupção adotada pela Bulgária. Porém, ao assumir a presidência rotativa da UE, esta nação dos Balcãs, com pouco mais de 7 milhões de habitantes, vê uma excelente oportunidade para melhorar sua imagem. O objetivo do governo búlgaro é se integrar no espaço Schengen – que é a livre circulação de pessoas dentro da UE -, e quem sabe, até adotar a moeda única europeia.

Política migratória

Apesar da aliança com os nacionalistas do partido Patriotas Unidos, a Bulgária diz apoiar a política europeia de realocação de refugiados. Porém, relatórios publicados por organizações de direitos humanos denunciam abusos e violência contra os refugiados nas fronteiras e centros de acolhimentos na Bulgária. Pelo fato de fazer fronteira com a Turquia, milhares de refugiados passaram pelo país antes de chegar ao destino final na Europa. Poucos querem ficar no país. Segundo a Anistia Internacional, o clima de xenofobia e intolerância na Bulgária aumentou nitidamente nos últimos dois anos.

O grande receio de Bruxelas é que, nos próximos seis meses, várias reuniões do bloco europeu vão ser presididas por políticos populistas e da extrema-direita. Os dirigentes europeus pretendem adotar um novo sistema de asilo europeu, aliviando assim a pressão nos países que estão na linha de frente, como a Itália, Grécia e a própria Bulgária. De acordo com as regras atuais, o país responsável pelo processo de asilo é, a princípio, aquele no qual o requerente pisou pela primeira vez dentro da União Europeia.

Posição neutra em relação ao Brexit

Certamente a nova etapa das negociações do Brexit, a saída do Reino Unido do bloco europeu, vai estar no topo da agenda da presidência búlgara. O governo de Sófia adiantou que pretende coordenar de forma “neutra” as futuras negociações entre Bruxelas e Londres.

As discussões sobre o período de transição pós-Brexit já começam este mês, mas as negociações sobre as relações comerciais com o Reino Unido só a partir de março. A data do divórcio entre União Europeia e Reino Unido está marcada para 29 de março de 2019, e a seguir, um período de transição de até dois anos.

Outra prioridade de Sófia é a integração de seus vizinhos dos Balcãs. Em maio, os líderes do bloco devem discutir as relações da região com a União Europeia. Apenas Sérvia e Montenegro mantêm negociações de adesão com Bruxelas. Enquanto Albânia, Bósnia, Kosovo e Macedônia aguardam ansiosamente um convite dos europeus.

O terceiro destaque da agenda da presidência búlgara será o novo orçamento comunitário. É provável que o orçamento sofra uma redução significativa a partir de 2020 por causa do Brexit. Os países do Leste Europeu, que são grandes beneficiários dos fundos vindos de Bruxelas, estão particularmente inquietos.

 

Eleições na Turquia: quem são os cinco candidatos que vão enfrentar Erdogan?

Permissão para mulheres sauditas dirigirem pode impulsionar indústria automotiva

Argentina usará parte do empréstimo do FMI para conter escalada do dólar

Trump prefere jogar culpa nos democratas a assumir ônus da separação dos menores e seus pais

Candidato mais cotado à presidência da Colômbia coloca em risco acordo com as Farc

Londres: um ano após incêndio na Torre Grenfell, 68 famílias seguem sem moradia

Trump vai convencer Kim Jong-Un a abandonar o programa nuclear da Coreia do Norte?

Pipas incendiárias lançadas de Gaza destroem 20 km de plantações em Israel

Após queda de premiê, população mantém protestos na Jordânia contra austeridade

Restrições a importações de carros pode gerar guerra comercial entre Alemanha e EUA

Espanha: governo de Sánchez terá extrema-esquerda e partidos pró-independência

Governo de Rajoy é derrubado por moção de censura no Parlamento da Espanha

Veto contra lei da eutanásia em Portugal: nenhum partido quis pagar o ônus político de uma legalização

Itália: eleitores desaprovam rejeição do voto popular em escolha de chefe de governo

Espanha: um dos maiores casos de corrupção da Europa pode afastar Rajoy