rfi

Ouvindo
  • RFI Brasil
  • Último jornal
  • RFI em francês
Linha Direta
rss itunes

Islândia é o 1° país do mundo a impor igualdade salarial

Por RFI

A Islândia se tornou o primeiro país do mundo a criar uma lei que exige a igualdade de salários entre homens e mulheres. A legislação entrou em vigor em 1° de janeiro de 2018.

Claudia Wallin, correspondente da RFI em Estocolmo

A nova lei islandesa torna efetivamente ilegal pagar salários mais altos a homens, entre funcionários que exerçam funções semelhantes. Pelas novas regras, todas as empresas privadas e agências governamentais que tenham mais de 25 funcionários passam a ser obrigadas a obter uma certificação oficial, junto ao governo, que comprove suas políticas de igualdade salarial entre homens e mulheres. Os empregadores que não cumprirem a legislação estarão sujeitos a multa. A meta da Islândia é eliminar a desigualdade de salários entre homens e mulheres até 2020.

"O fosso salarial de gênero ainda é, infelizmente, um fato no mercado de trabalho islandês, e é hora de tomar medidas radicais”, disse o ministro da Igualdade e Assuntos Sociais da Islândia, Thorsteinn Viglundsson.

Nos últimos nove anos consecutivos, a Islândia tem liderado o ranking do Fórum Econômico Mundial sobre os países onde há mais igualdade de gênero - atrás dos islandeses estão Noruega, Finlândia, Ruanda e Suécia. O relatório Global Gender Gap analisa a evolução da igualdade desde 2006, entre 144 países do mundo, com base em indicadores como oportunidades econômicas e participação política.

Desigualdade persistente

Mas segundo estatísticas do governo da Islândia, apesar das conquistas apontadas no relatório as mulheres islandesas ainda ganham entre 14% e 18% menos do que os homens.

“As pessoas estão começando a perceber que a desigualdade salarial entre homens e mulheres é um problema sistemático, que nos obriga a recorrer a novos métodos para ser solucionado”, observou Dagny Osk Aradottir Pind, do conselho executivo da Associação Islandesa para os Direitos das Mulheres.

A nova lei da igualdade salarial foi aprovada por todos os partidos políticos do Parlamento islandês, onde quase 50% dos deputados e funcionários são mulheres.

Pressão das trabalhadoras

A pressão das trabalhadoras islandesas também foi fundamental no processo: em outubro de 2016, milhares de mulheres saíram do trabalho mais cedo na Islândia como forma de protesto contra a disparidade salarial. Elas pararam de trabalhar exatamente às 14:38 - que é o horário a partir do qual as mulheres islandesas calculam que passam a trabalhar de graça, se levada em conta a diferença em relação à remuneração dos homens. Do trabalho, as manifestantes seguiram para o Parlamento, a fim de reivindicar a igualdade salarial. A estimativa é de que 90% das mulheres islandesas aderiram ao protesto - incluindo as donas de casa, que naquele dia não fizeram as tarefas domésticas para se juntar à manifestação.

O movimento feminino ganhou ainda mais força na Islândia em dezembro passado, quando a feminista Katrín Jakobsdóttiro, líder da frente política Esquerda Verde, tomou posse como primeira-ministra do país. Ela é a segunda mulher a ocupar o cargo de premiê no país nórdico, que tem uma população de 320 mil habitantes.

Situação mundial

Nos demais países, o cenário é preocupante. Os resultados do mais recente relatório do Global Gender Gap, divulgado em novembro passado, mostram que a desigualdade de gênero voltou a crescer pela primeira vez no mundo, depois de uma década de avanços. O estudo do Fórum Econômico Mundial aponta que, caso seja mantido o ritmo atual, será preciso um século para reduzir a diferença de gênero em escala global. Em 2016, essa expectativa era de 83 anos.

Em relação às desigualdades no local de trabalho, as projeções são ainda mais pessimistas: só haverá igualdade daqui a 217 anos. A razão da queda dos índices, segundo o relatório, foi a redução da igualdade do ponto de vista econômico e político.

Na União Europeia, a diferença de salários entre homens e mulheres é, em média, de 16%. O relatório do Fórum Econômico Mundial analisa a situação dos países em quatro pilares principais: Participação Econômica e Oportunidade, Acesso à Educação, Saúde e Sobrevivência e Empoderamento Político.

Em 2017, o Brasil caiu para a 90ª colocação no ranking, em um universo de 144 países. No ano passado, ficou em 79º e em 2015, em 85º. No primeiro estudo, realizado em 2006, o Brasil ocupava a 67ª posição no ranking.

Eleições na Turquia: quem são os cinco candidatos que vão enfrentar Erdogan?

Permissão para mulheres sauditas dirigirem pode impulsionar indústria automotiva

Argentina usará parte do empréstimo do FMI para conter escalada do dólar

Trump prefere jogar culpa nos democratas a assumir ônus da separação dos menores e seus pais

Candidato mais cotado à presidência da Colômbia coloca em risco acordo com as Farc

Londres: um ano após incêndio na Torre Grenfell, 68 famílias seguem sem moradia

Trump vai convencer Kim Jong-Un a abandonar o programa nuclear da Coreia do Norte?

Pipas incendiárias lançadas de Gaza destroem 20 km de plantações em Israel

Após queda de premiê, população mantém protestos na Jordânia contra austeridade

Restrições a importações de carros pode gerar guerra comercial entre Alemanha e EUA

Espanha: governo de Sánchez terá extrema-esquerda e partidos pró-independência

Governo de Rajoy é derrubado por moção de censura no Parlamento da Espanha

Veto contra lei da eutanásia em Portugal: nenhum partido quis pagar o ônus político de uma legalização

Itália: eleitores desaprovam rejeição do voto popular em escolha de chefe de governo

Espanha: um dos maiores casos de corrupção da Europa pode afastar Rajoy