rfi

Ouvindo
  • RFI Brasil
  • Último jornal
  • RFI em francês
Linha Direta
rss itunes

Merkel e Schulz prometem “esforços” para formar governo na Alemanha

A chanceler Angela Merkel e o líder do partido social-democrata, Martin Schulz, prometeram neste domingo (7) uma "nova política" na Alemanha, dando início às negociações para formação de um novo governo para tentar tirar, finalmente, o país do impasse. As discussões começam 100 dias depois das eleições gerais que mergulharam o país num impasse e vão até quinta-feira (12).

Márcio Damasceno, correspondente da RFI em Berlim

"Não podemos simplesmente continuar como antes: os tempos são outros e requer uma nova política”, declarou um dos responsáveis do partido social-democrata, Lars Klingbeil, que falou também em nome do CDU, de Merkel e do CSU, os três partidos envolvidos nas negociações. O partido de Merkel venceu as eleições de setembro, mas amargou o pior resultado desde 1949, principalmente por causa do bom desempenho da extrema-direita, inédito na paisagem política alemã. Ainda não é possível antecipar o resultado dessas discussões.

Caso os sociais-democratas topem apoiar Merkel, estariam continuando a parceria que já tem governado a Alemanha desde 2013. É exatamente isso que os sociais-democratas disseram não estarem mais dispostos a fazer e, depois de também terem amargado perdas históricas nas últimas eleições, tinham optado em ir para a oposição.

Sem acordo com verdes

O problema é que Merkel não conseguiu chegar a um acordo com o verdes e liberais, e os sociais-democratas foram chamados à mesa de negociações mas ainda não aceitaram continuar governando com Merkel. As consultas começam, como eles dizem, com resultado em aberto. O partido de Schulz aceitou em conversar com os conservadores – algo que antes nem estavam dispostos - sobretudo pelo perigo que novas eleições podem representar em termos de instabilidade política para o país.

As consultas iniciadas neste domingo vão durar cinco dias e os participantes vão decidir se têm pontos suficientes em comum para negociar uma coalizão.Os sociais-democratas já avisaram que não estão dispostos a continuar a parceria com os conservadores da mesma forma que vinham fazendo até agora, eles querem mudanças.

Como exatamente serão essas mudanças, ainda ninguém sabe. Os analistas acreditam ser grande a pressão sobre o partido de Merkel para que ele ceda em certos pontos e que os sociais-democratas vão querer vender caro a participaçao deles no governo.

Política migratória

Entre as maiores discórdias, está a política migratória. Enquanto os sociais-democratas são favoráveis à flexibilização da política para os migrantes, os conservadores querem endurecer as regras, para agradar o eleitorado tradicional, mais à direita, e voltarem a recuperar votos perdidos para a extrema-direita.

Há quem diga que, mesmo que Merkel consiga fechar uma coalizão de governo, ela não terminaria esse mandato e que o fim do chamado “merkelismo” já está próximo.Mas pesquisas de opinião recentes apontam que ela ainda é vista como uma boa chefe de governo por 65% dos eleitores. A convocação de novas eleições não está descartada, mas é a pior alternativa possível. A outra possibilidade seria um governo de minoria, outra hipótese que não agrada ninguém.

Em clima tenso no clã Bolsonaro, presidente eleito será diplomado no TSE

Extrema direita se reúne na Bélgica contra Pacto sobre Migração da ONU

Bolivianos fazem greve geral contra nova candidatura de Evo Morales à presidência

Israel realiza operação em túneis do Hezbollah na fronteira com Líbano

Participação do Brasil no G20 é irrelevante à espera do que fará Bolsonaro

Hong Kong: congresso condena cientista"irresponsável" que editou genes em embriões

Outdoors sobre prêmio para retorno de migrantes causam indignação na Alemanha

Itália quer impedir empréstimo de obras de Da Vinci para museu do Louvre

Fim do Airbnb na Cisjordânia reforça ações contra ocupação israelense

Trump fecha o cerco aos migrantes latino-americanos na fronteira com o México

Primeiro Foro Mundial do Pensamento Crítico da esquerda discute vitória de Bolsonaro

Brexit: Parlamento britânico está dividido sobre acordo entre May e UE