rfi

Ouvindo
  • RFI Brasil
  • Último jornal
  • RFI em francês
Linha Direta
rss itunes

Mais de mil jovens são acusados de pornografia infantil na Dinamarca

A polícia da Dinamarca começou nesta semana a interrogar mais de mil jovens que estão sendo acusados de pornografia infantil. O crime teria sido cometido por dinamarqueses de 14 a 25 anos que compartilharam no Facebook vídeos de adolescentes fazendo sexo. 

Margareth Marmori, correspondente da RFI em Copenhague

A denúncia chegou à polícia dinamarquesa depois que o Facebook alertou as autoridades norte-americanas sobre o problema. O caso começou em 2015, quando vídeos com cenas de sexo envolvendo uma menina de 15 anos e garotos da mesma idade foram compartilhados nas redes sociais. 

Apesar da revolta criada pela publicação do material, duas sequências desses vídeos e uma foto continuaram sendo compartilhados através do serviço de mensagens do Facebook, o Messenger, até o início de 2017.
 
O material mostra a menina mantendo relações sexuais com um dos meninos e foi divulgado contra a vontade dela. Mas, mesmo que ela tivesse autorizado o compartilhamento do material, ainda seria um caso para a polícia porque, na Dinamarca, é crime divulgar vídeos e fotografias pornográficas de menores de 18 anos de idade.

Consequências e punições

De acordo com a polícia da Dinamarca, os jovens têm entre 14 e 25 anos de idade e estão espalhados por todo o país, embora a maior parte deles viva na Zelândia, que é a ilha onde fica a capital Dinamarca. A grande maioria deles enviou os vídeos pouquíssimas vezes, mas alguns compartilharam o material centenas de vezes Cerca de 200 dos jovens que compartilharam as imagens são do sexo feminino.

Depois dos depoimentos, a polícia decidirá quem será indiciado. Os jovens poderão ser formalmente acusados de infringir o parágrafo 235 do Código Penal dinamarquês, que trata da divulgação de pornografia infantil.  As penas podem ser multas ou prisão por até seis anos. 

Em entrevista ao jornal Politiken, o diretor da Polícia Zelândia do Norte, Henrik Gunst, explicou que a punição vai depender de fatores como o número de compartilhamentos e a idade do acusado. "Mas, independentemente da pena que receberem, se forem condenados, durante dez anos os jovens terão em seu registro criminal a observação de que cometeram crime de pornografia infantil. Com essa observação, eles serão proibidos, por exemplo, de trabalhar na polícia ou de exercer atividades em que tenham contato com crianças, como acontece em escolas e jardins-de-infância", reiterou. 

Violação da privacidade aumenta na Dinamarca

Em 2016, em todo o país, houve 251 denúncias de violação da privacidade através da internet e acredita-se esse número cresceu no ano passado. O caso atual chama a atenção pelo grande número de pessoas envolvidas.  

A Polícia da Dinamarca espera que a punição dos acusados se torne um exemplo e faça com que as pessoas pensem duas vezes antes de compartilharem imagens com conteúdo sexual de menores de idade ou sem o consentimento dos envolvidos.

Há até pouco tempo, a polícia dinamarquesa era criticada por não levar a sério denúncias desse tipo. Agora, diversas organizações de proteção a crianças e adolescentes aplaudem a seriedade com que as autoridades passaram a tratar o assunto.  

O governo também está fazendo campanhas de esclarecimento para que pais e educadores orientem as crianças sobre a gravidade dos crimes de pornografia infantil, atentado ao pudor e violação da privacidade cometidos através das mídias sociais.

Carnaval de Gallipoli, na Itália, valoriza tradições da época do Império Romano

Protestos fascistas e influência de Berlusconi marcam campanha eleitoral na Itália

Olimpíadas de Pyeongchang podem ser "os jogos da paz" entre as duas Coreias?

Eleitores vão às urnas para votar versão equatoriana do “Ficha Limpa”

Pedido de vista no julgamento de Lula seria um balde de água fria na militância