rfi

Ouvindo
  • RFI Brasil
  • Último jornal
  • RFI em francês
Linha Direta
rss itunes

Alemanha trata crianças hiperativas com colete de areia

Uma reportagem publicada em um jornal de Hamburgo mostrou que escolas da cidade utilizam coletes contendo de 1 a 6 quilos de areia para tratar alunos hiperativos.

Márcio Damasceno, correspondente da RFI em Berlim

O método, que já é usado há alguns anos, faz com que as crianças fiquem mais calmas, sintam melhor o próprio corpo e se concentrem mais nas aulas, diz o artigo.

A prática não é nova. Os coletes começaram a ser fabricados há 15 anos para crianças diagnosticadas com o chamado TDHA (Transtorno do Déficit de Atenção). Os defensores dos coletes de areia dizem que o método é menos agressivo do que o uso de medicamentos, sendo uma alternativa para a aplicação de drogas. Já os críticos afirmam que o tratamento lembra o uso de camisas de força em clínicas de psiquiatria.

Colete só é usado com consentimento

As escolas lembram que ninguém é obrigado a usar os coletes e ressaltam que o tratamento é feito de forma voluntária, com consentimento das crianças e dos pais. Além disso, os acessórios só seriam usados em períodos de no máximo meia hora e não seriam utilizados para disciplinar as crianças.

As escolas dizem que as crianças hiperativas até gostam de usar os coletes. Alguns pedagogos, entretanto, criticam que o método não tem comprovação científica.

Já uma associação alemã especializada no problema do transtorno de déficit de atenção com hiperatividade pondera que a prática pode ser uma boa alternativa de tratamento, já que as próprias crianças, professores e os pais dessas crianças têm visto resultado no método.

 

Carnaval de Gallipoli, na Itália, valoriza tradições da época do Império Romano

Protestos fascistas e influência de Berlusconi marcam campanha eleitoral na Itália

Olimpíadas de Pyeongchang podem ser "os jogos da paz" entre as duas Coreias?

Eleitores vão às urnas para votar versão equatoriana do “Ficha Limpa”

Pedido de vista no julgamento de Lula seria um balde de água fria na militância