rfi

Ouvindo
  • RFI Brasil
  • Último jornal
  • RFI em francês
Linha Direta
rss itunes

Polônia pede para cidadãos no exterior delatarem críticos ao país

O governo nacionalista da Polônia volta a provocar polêmica, após a aprovação de uma controversa lei para punir quem acusar o Estado polonês de ter culpa pelo Holocausto. A imprensa alemã noticiou nesta quinta-feira que as representações diplomáticas polonesas estão divulgando um texto pedindo a seus cidadãos no exterior que reportem às autoridades polonesas declarações que difamem a imagem da Polônia.

Marcio Damasceno, correspondente da RFI em Berlim

A carta foi escrita pelo presidente do Senado polonês, Stanisław Karczewski. Nela, o político conservador fala sobre a lei sancionada semana passada pelo presidente do país, uma lei controversa que prevê punição de até três anos de prisão para aqueles que afirmarem que a Polônia teve alguma culpa nos crimes do Holocausto, cometidos pelo regime nazista alemão. No texto, o senador defende a nova lei, afirma que ela se destina a proteger a Polônia de supostas inverdades. Ele pede a seus conterrâneos no exterior que estejam alertas para “comentários antipoloneses”, que procurem defender a imagem da Polônia mundo afora e que os poloneses reportem a consulados e embaixadas quando tiverem conhecimento de declarações “prejudiciais à boa imagem da Polônia”.

Essa carta, diz a imprensa alemã, está sendo divulgada à comunidade polonesa no exterior pelas representações diplomáticas polonesas não só na página dessas instituições na internet, como através de emails.

Alemanha lamenta medida

Na Alemanha, a iniciativa pegou muito mal. Embora o governo alemão prefira se abster de comentários, um destacado membro do partido da chanceler alemã, Angela Merkel, o ex-ministro Norbert Röttgen, lamentou a medida, classificando-a de vergonhosa. Outro analista chegou a dizer que o governo ultraconservador polonês está usando um método de incentivo de delatores que se assemelha a ditaduras de décadas passadas.

Também as próprias associações de poloneses se manifestaram contra a medida. Mais de 20 organizações polonesas na Alemanha, Estados Unidos e Suécia publicaram uma carta aberta dizendo que rejeitam apoiar as ações do atual governo polonês relacionadas à controversa lei sobre o Holocausto.

Há críticos na Alemanha que dizem que o governo de Varsóvia apela para o sentimento de vítima dos poloneses. Desde que chegou ao poder, o partido Lei e Justiça, o PiS, tem se pautado pelo maciço incentivo ao patriotismo, tentando colocar a Alemanha como uma ameaça. Primeiro cobrou as reparações de guerra que Berlim supostamente ainda estaria devendo à Polônia. Com frequência, entra em confronto com a União Europeia e acusa a Alemanha de, com seu poder político, tentar prejudicar Varsóvia em Bruxelas. Agora, diz querer combater, com uma polêmica lei -que muitos acusam de ser um mecanismo de censura - afirmações que tentariam manchar a imagem da Polônia associando o país a crimes praticados pelos alemães.

Carta no Brasil

Em entrevista à RFI, a primeira-secretária Marta Olkowska, responsável por assuntos econômicos e políticos na embaixada da Polônia em Brasília, disse que não há determinação de enviar a carta por email aos poloneses no Brasil. Mas ela afirmou que o texto deve ser divulgado pela embaixada na homepage da representação diplomática, por ser um documento oficial do presidente do Senado da Polônia.

Quanto às acusações de que o texto teria um caráter de denuncismo, a diplomata disse que não vê a carta dessa forma e sim como um texto que pede a união da comunidade polonesa, além de informar os poloneses e pedir para que eles fiquem atentos aos acontecimentos atuais.

Protestos contra padre acusado de abuso sexual marcam visita do Papa aos países bálticos

Destituição do chefe da agência de inteligência alemã abala governo Merkel

70° Emmy é marcado por pedido de casamento e premiação de “The Marvelous Mrs. Maisel”

Hong Kong se recupera da passagem do tufão Mangkhut, o mais forte que já atingiu o território

Em Berlim, congresso sobre violência sexual destaca casos na Igreja Católica

25 anos depois, Acordos de Oslo entre Israel e Palestina parecem cada vez mais distantes

Primárias em Nova York podem concretizar "ano da mulher" do Partido Democrata

Ameaças de sanções contra o Tribunal Penal Internacional reforçam opção isolacionista dos EUA

Suécia: eleições devem confirmar avanço de partido da extrema-direita e anti-imigração

Devido ao Brexit, Reino Unido perde apoio dos países europeus no caso Skripal

Acusado de apoiar terrorismo, Catar pode virar ilha e ficar totalmente isolado

Aufstehen, movimento de esquerda e anti-imigração, é lançado na Alemanha

Ministro italiano pode ser afastado do cargo por bloquear migrantes na Sicília

Papa tenta na Irlanda conquistar católicos afastados por escândalos de pedofilia