rfi

Ouvindo
  • RFI Brasil
  • Último jornal
  • RFI em francês
Brasil-Mundo
rss itunes

Família brasileira conta como é morar no maior coliving do mundo

Já imaginou morar num espaço de 10 m² e ter mais 500 vizinhos? Para um brasileiro de classe média, pode parecer estranho, a princípio, mas um coliving ou uma moradia coletiva, com um espaço privado pequeno e espaços de uso compartilhado, é tendência em muitas cidades grandes do Hemisfério Norte.

Paloma Varón, de Londres

Londres tem o maior coliving do mundo: o The Colective Old Oak fica no noroeste da cidade, tem 10 andares onde moram 546 pessoas. A maioria é de solteiros, mas tem alguns casais e uma única família: os brasileiros Lucilia Wuillaume, seu marido Ricardo Esteves e a filha do casal, Anna Clara Esteves.

Neste coliving, cada quarto tem de 10 a 25 m² e conta com um banheiro. Uma cozinha minimalista é compartilhada com o vizinho de porta. Mas cada andar conta com uma cozinha coletiva e outros espaços de interação, que incluem serviços como lavanderia e sala de ginástica, além de salas de jogos, biblioteca, salas de jantares e eventos, restaurante, espaço de coworking, sauna, jardim, terraço externo e outros.

A ideia é usar o quarto só para dormir, já que todas as outras atividades podem ser realizadas em espaços coletivos.

As razões para optar por este estilo de vida são variadas. Segundo Reza Merchant, CEO do The Colective Old Oak, o alto valor e a dificuldade de firmar um contrato de aluguel são algumas delas, mas não só.

“Você sabe, em grandes cidades, a moradia vem se tornando impagável e inacessível. O coliving oferece soluções de moradia para pessoas de renda média. Outra questão é a solidão, que vem se tornando epidêmica, em cidades como Londres. Para resolver este problema, criamos comunidades, onde as pessoas possam se sentir parte de algo maior e podem interagir, se conectar. Esta é uma necessidade humana, todo mundo precisa se conectar.”

A família Wuillaume-Esteves veio para este coliving depois de morar três anos em Paris. Eles querem passar uma temporada em Londres para melhorar o inglês da família e ter outras oportunidades de trabalho. Anna Clara tem 18 anos – idade mínima para morar neste coliving – e diz estar satisfeita com a experiência.

“Eu achei que ia ser meio pequeno para os três, no começo, mas eu não acho tanto porque eu fico pouco no meu quarto e aí eu saio com meus amigos no prédio mesmo. Eu acho que o único problema daqui é que tem tudo, então eu nunca saio daqui”, disse.

Anna Clara trabalha no restaurante do coliving. Tanto o restaurante quanto a sala de ginástica ficam no térreo e são abertos para as pessoas do bairro.

Para Lucilia Wuillaume, a principal vantagem do coliving é a convivência, as amizades e laços que se formam entre os moradores.

“A convivência é muito mais tranquila do que se pode imaginar. As pessoas sabem que estão vindo aqui viver juntamente com outras pessoas, então já existe um cuidado. Elas têm vontade de conviver, já há esta propensão. Claro que não é perfeito, sempre tem alguém que vai deixar alguma coisa suja, fazer um pouquinho de barulho, mas é muito mais tranquilo do que se pode imaginar", conta.

Lucilia disse que se sente mais acolhida vivendo no coliving do que nos anos em que morou em Paris, com a sua família.

“Eu fiz muitos mais amigos aqui do que em três anos em Paris, porque as pessoas vêm aqui para conviver, para dividir, para compartilhar, para ajudar. As pessoas se ajudam muito aqui, oferecem serviços, estão muito disponíveis, vêm aqui para conhecer os outros, para viver de uma forma diferente. Então é muito mais fácil você fazer amizade com pessoas que estão com vontade de fazer amizade, estão com vontade de compartilhar”, conta.

Para Ricardo Esteves, a maior vantagem do coliving são os novos amigos que, muitas vezes, viram também parceiros de trabalho. "Na primeira semana aqui, conheci um colombiano e passamos a trabalhar juntos." Ricardo é fotógrafo profissional e orienta pessoas que querem entrar no mundo da fotografia.

Outra vantagem, segundo ele, é o espaço de coworking, aberto 24 horas. “Como sou tutor de fotógrafos em diversos países, como Brasil e Austrália, muitas vezes eu preciso trabalhar de madrugada. Eu nunca poderia fazer isso na minha casa em Paris, por causa dos vizinhos, e também não encontraria um coworking aberto de madrugada. Aqui, basta eu sair do quarto e ir trabalhar no coworking do prédio na hora que eu quiser”, relata.

Gabriel Neira P. Varón

Gabriel Voto, morador e funcionário do coliving, é mestre em Sustentabilidade e Liderança e trabalha com engajamento comunitário. “A ideia é criar uma comunidade estável e saudável aqui no prédio. Morando aqui, fica mais fácil entender os ganhos e as dores de quem opta por viver em coliving”, conta.

“Este prédio é um microcosmo de Londres: a diversidade cultural que tem aqui, com pessoas do mundo inteiro, é uma torre de Babel, e acho que a gente tem conseguido criar um bom espírito de comunidade, apesar de não ser fácil. Acho que, se funciona aqui, funciona no mundo inteiro”, avalia.

Segundo a administração do The Collective, a média de idade dos moradores é de 28 anos, mas tem gente de 18 a 60 anos. Cerca de 40% dos 560 locatários são de fora do Reino Unido. Para integrar tanta gente de origens e costumes diferentes, o coliving promove de 20 a 30 eventos toda semana. O tempo mínimo de permanência é de três meses.

 

Instituto Camões aposta em parceria com Brasil para promoção da língua portuguesa

Brasileira que trabalhou com família real britânica conta bastidores e gafes com a rainha

Único terreiro de candomblé na Alemanha só pode fazer seis rituais por ano

Artista brasileiro expõe na Itália obras de seu ateliê com portadores de deficiência

Brasileiro assume direção científica do maior jardim botânico do mundo, em Londres

Bailarina brasileira cria plataforma de empoderamento feminino em Nova York

Livro e exposição em Berlim contam história de judeu que se refugiou no Brasil fugindo do nazismo

Brasileiro cria projeto de moradia alternativo e divide casa com imigrantes africanos em Roma

Primeiro diretor negro de teatro público em Berlim, brasileiro propõe perspectiva de “pós-migração”

Brasileira propõe serviço de fotografia profissional para turistas do mundo todo

Associação de mulheres brasileiras luta contra ação de despejo da prefeita de Roma

Leila Daianis fala sobre seu trabalho de defesa das transexuais brasileiras em Roma