rfi

Ouvindo
  • RFI Brasil
  • Último jornal
  • RFI em francês
Linha Direta
rss itunes

Incertezas e ascensão da extrema-direita marcam eleição na Itália

Diante de um cenário de incertezas e o crescimento da extrema-direita, a Itália vota para renovar a Câmara dos Deputados e o Senado no domingo (4), mas sem nenhuma garantia sobre um novo governo. Em duas regiões, Lázio e Lombardia, onde ficam Roma e Milão, também serão eleitos os presidentes regionais. 

Rafael Belincanta, correspondente da RFI em Roma 

O clima na Itália a apenas dois dias da eleição é de apatia e desinteresse. Os italianos viram uma campanha que se concentrou na questão dos migrantes – que não é o principal problema do país e que não abriu espaço ao debate construtivo. 

O tema da imigração dominou a agenda de todos os candidatos, principalmente os de direita. Pouco se ouviu falar em novas propostas políticas que possam alavancar o crescimento da Itália, que finalmente está deixando para trás uma década de crise, com um PIB positivo de 1,5% no ano passado. 

A indústria da quarta economia da Europa voltou a crescer 4,9% em 2017, mas ainda sem gerar empregos. A falta de perspectivas positivas para uma sólida recuperação econômico-social abriu espaço para discursos populistas.

Pesquisas apontam para crescimento da extrema-direita

As últimas pesquisas, publicadas em 16 de fevereiro, são incoerentes, mas demonstram um crescimento da extrema-direita, representada pela Liga, cuja base eleitoral está no norte do país. As sondagens revelaram que ela teria ultrapassado o Força Itália, que ressuscitou Silvio Berlusconi. Mesmo inelegível, a sigla apostou na força já não tão vital de seu nome. Essa coalizão de direita poderia se aproximar dos 40% necessários para formar o governo. 

A centro-esquerda, liderada pelo atual governo do Partido Democrático e do ex-premiê Matteo Renzi, não deverá obter percentuais necessários para formar o executivo. 

As propostas populistas deverão fazer do Movimento 5 Estrelas o partido isolado mais votado, o que não quer dizer que terá a maioria para governar. Sem um perfil definido, caso obtenha cadeiras decisivas no Parlamento, a legenda poderia trair o próprio princípio fundamental de não se coligar e, para indicar o primeiro-ministro, formaria uma coalizão com a direita. 

Contudo, a grande surpresa poderá ser a lista Mais Europa, encabeçada pela histórica líder do partido radical e ex-ministra Relações Exteriores, Emma Bonino. Ela poderá dar uma sobrevida à centro-esquerda.

Importante abstenção prevista

Como o voto não é obrigatório na Itália, as previsões de participação dos italianos nesta eleição são baixas. Sobretudo entre os jovens de 18 a 24 anos, que têm direito a votar somente para a Câmara dos Deputados. De acordo com pesquisas, eles não se sentem representados por nenhum candidato. 

Além disso, as últimas sondagens falam de um percentual de abstenção de mais 30%, o que equivale a cerca de 16 milhões de eleitores. Já os indecisos são quase 7 milhões de eleitores, resignados ou sem esperança, que poderão determinar vitórias e derrotas partidárias. 

Se nas últimas eleições, há cinco anos, 75% dos eleitores votaram, as previsões é que este ano esse percentual não ultrapasse os 70%.

Partidos investem nas redes sociais 

Propagandas pagas pelos partidos fervilham nas redes sociais italianas. Twitter, Instagram, Facebook: nenhuma das plataformas fica de fora das estratégias de marketing nessas últimas horas de campanha. 

Com a propaganda, também aparecem as “fake news”, informações claramente tendenciosas que procuram denegrir a imagem dos candidatos. Mas basta um pouco de atenção para identificar as notícias falsas. Elas são quase sempre divulgadas por contas fajutas, sem foto de perfil ou com imagens suspeitas, e sem conteúdo de arquivo. 

As "fake news" aumentam ainda mais a confusão em torno da eleição italiana, o que só atrapalha o processo democrático.
 

Eleições na Turquia: quem são os cinco candidatos que vão enfrentar Erdogan?

Permissão para mulheres sauditas dirigirem pode impulsionar indústria automotiva

Argentina usará parte do empréstimo do FMI para conter escalada do dólar

Trump prefere jogar culpa nos democratas a assumir ônus da separação dos menores e seus pais

Candidato mais cotado à presidência da Colômbia coloca em risco acordo com as Farc

Londres: um ano após incêndio na Torre Grenfell, 68 famílias seguem sem moradia

Trump vai convencer Kim Jong-Un a abandonar o programa nuclear da Coreia do Norte?

Pipas incendiárias lançadas de Gaza destroem 20 km de plantações em Israel

Após queda de premiê, população mantém protestos na Jordânia contra austeridade

Restrições a importações de carros pode gerar guerra comercial entre Alemanha e EUA

Espanha: governo de Sánchez terá extrema-esquerda e partidos pró-independência

Governo de Rajoy é derrubado por moção de censura no Parlamento da Espanha

Veto contra lei da eutanásia em Portugal: nenhum partido quis pagar o ônus político de uma legalização

Itália: eleitores desaprovam rejeição do voto popular em escolha de chefe de governo

Espanha: um dos maiores casos de corrupção da Europa pode afastar Rajoy