rfi

Ouvindo
  • RFI Brasil
  • Último jornal
  • RFI em francês
Linha Direta
rss itunes

Anexação da Crimeia e falta de candidatos de peso ajudaram a eleger Putin

Por Silvano Mendes

Há quase 20 anos no poder, Vladimir Vladimirovitch Putin conquistou neste domingo (19) seu quarto mandato de presidente da Rússia. Além da falta de concorrentes de peso, temas como a anexação da Crimeia tiveram impacto no pleito. Mas alguns detalhes, com o resultado do candidato Comunista e o índice de participação, mostram que essa vitória não foi tão esmagadora quanto parece.

Do enviado especial a Moscou

Como já era de se esperar, os jornais russos desta segunda-feira (19) destacam o resultado das eleições. A manchete do KomsoMolskaia  é “A vitória absoluta de Putin”, termo que também é utilizado pelo Rossiiskaja Gazeta. O jornal Izvesia, um dos principais títulos da imprensa diária russa, destaca no título a frase “O sucesso nos espera”, citando o discurso de vitória de Putin.

O Kommersant, jornal econômico e com uma linha editorial mais internacional, lembra que Putin ganhou a eleição apesar da crise diplomática com o Reino Unido. O tema, aliás, foi citado pelo presidente reeleito na entrevista coletiva após a divulgação do resultado. Putin declarou que a Moscou não é responsável pelo episódio, pois seu país não teria mais armas químicas. E completou dizendo que, “se a Rússia estivesse por trás do caso, esse ex-espião não estaria mais vivo”.

No entanto, apesar do tom ufanista da imprensa, o resultado conquistado pelo representante do Partido Comunista, Pavel Groudinine, também surpreendeu. Ele reuniu quase 12% dos votos, o que pode parecer pouco, mas já é bem acima do que vinha sendo anunciado pelos institutos de sondagem. Mesmo assim, a falta de uma concorrência séria acabou favorecendo Putin, pois todos os candidatos tiveram resultados extremamente baixos, o que deu ao presidente ao novo mandato de seis anos desde o primeiro turno.

Rússia na periferia do mundo civilizado

Outro aspecto que marcou essa campanha foi a anexação da Crimeia (que Moscou e os partidários de Putin preferem chamar de “reunificação”). Putin usou essa operação como um exemplo de sucesso de seu terceiro mandato e lembrou do fato em diversos momentos da campanha. Foi na Crimeia que o presidente-candidato fez um de seus raros comícios, além de ter mudado a data da eleição deste domingo para coincidir com o aniversário de quatro anos da transferência do território ucraniano para a Rússia.

“A Crimeia dará a Putin seu lugar na história pois, vista da Rússia, trata-se de uma operação que vai ser lembrada para sempre”, comentou o historiador e diretor da Câmada de comércio e da indústria franco-russa, Pavel Chinsky, pouco antes da divulgação dos resultados. Foi nessa região, aliás, que Putin conseguiu – junto com a Chechênia– os melhores resultados, alcançando cerca de 90% dos votos.

“No entanto, se podemos dizer que há uma verdadeira legitimidade histórica, a maneira como feita essa operação vai contra todos os princípios do direito internacional. A Crimeia distanciou a Rússia da Europa e fez o país se marginalizar. As sanções econômicas são o resultado mais visível. Essa anexação colocou a Rússia na periferia do mundo civilizado”, conclui.

Novo bloqueio de Israel à Gaza aumenta temor de conflito de maiores proporções

Caos em aeroporto de Lisboa deixará Portugal com 1 milhão de turistas a menos por ano

"Nem sempre o melhor vence", alfineta capitão croata depois da final contra a França

Superação será fator decisivo na final da Copa entre França e Croácia

Trump visita May no Reino Unido mas tenta fugir dos protestos em Londres

Reforma da aposentadoria dos juízes ameaça Estado de Direito na Polônia

Secretário de Defesa americano dá prosseguimento a negociações diplomáticas em viagem pela Ásia

Fragilizada, Merkel tenta resolver conflito migratório em cúpula da UE

Com jogadores mais altos, Sérvia vai apostar em bolas aéreas contra o Brasil

Guerra comercial: EUA visam boicote ao capital chinês em empresas de tecnologia

UE visa criação de centros de triagem para migrantes fora do território europeu

Eleições na Turquia: quem são os cinco candidatos que vão enfrentar Erdogan?