rfi

Ouvindo
  • RFI Brasil
  • Último jornal
  • RFI em francês
O Mundo Agora
rss itunes

“Aventuras externas” da Rússia e China são desafios para o mundo

Por Alfredo Valladão

Tem tudo para ser Guerra Fria. Mas não é bem assim. Claro, o assassinato de um antigo espião russo em Londres, com um agente neuro-tóxico de uso militar, parece um romance de John Le Carré. O governo britânico não achou a mínima graça e impôs rapidamente novas sanções contra Moscou, por cima das penalidades já correndo contra a anexação da Criméia pela Rússia e as interferências russas em eleições nos Estados Unidos e na Europa. Os europeus – e até a Alemanha que tem um monte de interesses no mercado russo – também apoiaram e renovaram as sanções.

A nova doutrina estratégica americana classifica a Rússia e a China como ameaças principais. Donald Trump está a fim de uma guerra comercial contra os chineses e a OTAN vem reforçando o seu dispositivo militar nos países europeus fronteiriços da Rússia. Enquanto isso, Putin continua suas provocações militares na Europa do Leste e anuncia novas e poderosas armas nucleares. E Beijing endurece as suas reivindicações territoriais no mar da China Meridional. Não há dúvida de que a panela de pressão geopolítica está assobiando sem parar.

Mas é só assobio. Na Guerra Fria havia dois campos bem definidos, com duas ideologias claras: o comunismo totalitário contra o capitalismo liberal. O objetivo era impor a própria visão do mundo ao resto do planeta. No final, com a queda do muro de Berlin e a implosão da União Soviética, o capitalismo venceu por nocaute.

Hoje, praticamente o mundo inteiro se converteu à superioridade da economia de mercado. O que permitiu um boom econômico mundial e o crescimento dos “países emergentes”. Certo, não quer dizer que a democracia liberal também foi adotada. Em Beijing, Moscou, e algumas capitais da Europa do Leste, a moda é a “democracia iliberal” – folha de parreira para esconder autoritarismos políticos.

Nem Moscou nem Beijing tem o projeto de impor seu modelo ao mundo. Agora é cada um por si. É defender e promover interesses, e não mais ideologias ou visões do mundo. Voltamos aos tempos de antes da Guerra Fria, quando o que contava não era transformar o mundo à sua imagem mas simplesmente o “equilíbrio de potências”.

De igual para igual com os Estados Unidos

O objetivo de Vladimir Putin – reeleito por mais seis anos num voto fabricado e sem oposição – é conquistar respeito, para ser tratado de igual para igual pelos Estados Unidos. Mas a demografia russa é extremamente desfavorável, e a economia não tem condições de competir com o mundo ocidental e de aguentar uma corrida armamentista sem fim. Foi assim que a União Soviética acabou capitulando.

O Kremlin tenta compensar essas fraquezas estruturais com pequenos golpes militares, na Geórgia, Ucrânia, ou Síria, grandes manobras nas fronteiras ocidentais e ataques cibernéticos. São táticas perigosas mas não mudam a relação de forças estratégicas no mundo. A Rússia continua estruturalmente fraca e ninguém anseia copiar o seu modelo de sociedade.

Quanto à China, não há dúvida que quer se tornar a potência dominante no seu entorno geográfico. O objetivo é criar uma rede de países e mercados dependentes para favorecer os seus próprios negócios e empresas.

O regime de Beijing não quer tomar nenhuma responsabilidade na organização do planeta. Mateus, primeiro os teus! Só que a economia chinesa vem desacelerando e que os problemas internos se acumulam. A decisão de fazer de Xi Jinping um verdadeiro “imperador” vitalício e a política de fechamento do país e de perseguição a qualquer tipo de oposição, são sinais que o Partido Comunista está com medo de convulsões internas. E a saída como sempre, é apelar para o nacionalismo e para a gesticulação militar na região.

O desafio para o resto do mundo não é mais ideológico ou sistémico. Além de conter as políticas agressivas de Moscou ou Beijing, o problema será administrar as possíveis crises internas e as aventuras externas russas e chinesas. Nada disso é Guerra Fria, mas o perigo é que pode sempre acabar em guerras quentes.

América do Sul enfrenta desafio das migrações em massa, pela primeira vez em sua história

Só renovação salva empresas que atingiram “limite de crescimento”

Clima de guerra comercial prejudica países emergentes e em desenvolvimento

No jantar de Putin e Trump em Helsinque quem está no cardápio é a Europa

Movimentos "antissistema" beneficiam de crise social, política e econômica na UE

Fim de emenda que proíbe aborto na Irlanda revela crise institucional da Igreja

Opinião: Meghan é “salvação” para modernizar imagem da monarquia britânica

Para Trump, explodir o pacto nuclear com o Irã é também uma mensagem dirigida a Putin

Corrida a Marte lembra grandes navegações portuguesas em conquista de um Novo Mundo

Análise: Tarifa dos EUA sobre aço e alumínio é jogada de Trump para rever regras da OMC