rfi

Ouvindo
  • RFI Brasil
  • Último jornal
  • RFI em francês
Linha Direta
rss itunes

Alemanha deve extraditar Puigdemont para a Espanha, preveem analistas

Por RFI

A prisão do ex-presidente da Catalunha Carles Puigdemont na Alemanha caiu como uma bomba sobre o movimento independentista catalão, que saiu às ruas neste final de semana para mostrar sua indignação. Só em Barcelona, mais de 55 mil pessoas foram às ruas, em diferentes pontos da cidade.

Fina Iniguez, correspondente da RFI em Barcelona

Os protestos deixaram pelo menos 55 feridos e três detidos. Os independentistas ameaçam manter as mobilizações até a liberação do ex-presidente catalão e os políticos presos pelo Supremo Tribunal espanhol.

A situação política e social na Catalunha voltou a esquentar com a prisão de Puigdemont neste domingo na Alemanha. O ex-presidente do governo catalão tentava chegar de carro vindo da Finlândia até Bruxelas, onde tinha se exilado em outubro, mas foi detido pela polícia alemã logo depois de cruzar a fronteira com a Dinamarca. Os policiais cumpriram uma ordem de prisão decretada pela Justiça da Espanha, que o acusa de rebelião, entre outros delitos.

Puigdemont está detido em Neumunster, no norte do país, e se apresenta nesta segunda-feira diante de um Tribunal. O juiz ainda decidirá se aceita a petição de extradição da Espanha. De acordo com a maioria das análises, a Justiça alemã, ao contrário da belga, deverá entregar Puigdemont à Espanha, já que no Código Penal alemão existe um crime com as mesmas características conhecido como "alta traição".

Se a extradição acontecer, pode demorar entre 60 e 90 dias para ser efetivada. Na Espanha a rebelião é punida com até 30 anos de prisão, e na Alemanha a pena pode ser de 10 anos a prisão perpétua.

Situação política é complexa

O panorama é bem complexo. Apesar dos partidos independentistas terem obtido a maioria dos assentos no Parlamento nas últimas eleições de 21 de dezembro, vale lembrar que as eleições que foram convocadas pelo primeiro-ministro Mariano Rajoy, depois de ter cassado Puigdemont e todo o governo catalão, não conseguiram eleger um presidente que devolvesse a autonomia ao governo catalão.

Os partidos apresentaram três candidatos envolvidos com a Justiça espanhola. Puigdemont que estava em Bruxelas, Jordi Sánchez, ex-presidente da organização independentista ANC que está há cinco meses em prisão preventiva, e Jordi Turull, ex membro do governo de Puigdemont que não conseguiu assumir a presidência porque foi preso ao lado de outros quatro ex-membros do governo catalão cassado por Rajoy. Com isso, já são 9 os políticos catalães presos na Espanha.

Parlamento tenta iniciar diálogo

O presidente do Parlamento, Roger Torrent, máxima autoridade da Catalunha depois do presidente do governo, reúne hoje os membros da câmara para propor a formação de uma frente que inclui partidos não independentistas e sociedade civil- com o objetivo de obter um diálogo que evite os processos na Justiça.

Para muitos analistas, o primeiro-ministro espanhol Mariano Rajoy foi incompetente na gestão do problema catalão e optou pela delegação de suas funções políticas à Justiça desde o início. Agora Rajoy está pagando o preço: o problema político catalão se converteu em um problema jurídico. Enquanto isso, os manifestantes voltam às ruas e a temperatura deve subir se finalmente a extradição de Puigdemont acontecer e ele for preso na Espanha.

Destituição do chefe da agência de inteligência alemã abala governo Merkel

70° Emmy é marcado por pedido de casamento e premiação de “The Marvelous Mrs. Maisel”

Hong Kong se recupera da passagem do tufão Mangkhut, o mais forte que já atingiu o território

Em Berlim, congresso sobre violência sexual destaca casos na Igreja Católica

25 anos depois, Acordos de Oslo entre Israel e Palestina parecem cada vez mais distantes

Primárias em Nova York podem concretizar "ano da mulher" do Partido Democrata

Ameaças de sanções contra o Tribunal Penal Internacional reforçam opção isolacionista dos EUA

Suécia: eleições devem confirmar avanço de partido da extrema-direita e anti-imigração

Devido ao Brexit, Reino Unido perde apoio dos países europeus no caso Skripal

Acusado de apoiar terrorismo, Catar pode virar ilha e ficar totalmente isolado

Aufstehen, movimento de esquerda e anti-imigração, é lançado na Alemanha

Ministro italiano pode ser afastado do cargo por bloquear migrantes na Sicília

Papa tenta na Irlanda conquistar católicos afastados por escândalos de pedofilia