rfi

Ouvindo
  • RFI Brasil
  • Último jornal
  • RFI em francês
Linha Direta
rss itunes

Papa renova Via Sacra convidando jovens a redigir as meditações

Por RFI

O papa Francisco celebra a Páscoa de 2018 com seu estilo pessoal: perto das pessoas necessitadas, sofridas e excluídas, com uma atenção especial aos jovens.

Gina Marques, correspondente da RFI em Roma

Ontem Francisco esteve na penitenciária Regina Coeli em Roma e lavou os pés de 12 detentos, sendo 8 deles estrangeiros, incluindo 2 muçulmanos e um budista.

“Eu sou pecador como vocês” disse o papa.

Esta foi a quarta vez, desde o início do pontificado em 2013, que Francisco efetuou o lava-pés dentro de uma prisão. Vale lembrar que, há três anos, o papa já havia lavado os pés de uma transexual brasileira, presidiária na Itália.

A Via Sacra na visão dos jovens

A Via Crucis de 2018 traz uma novidade interessante. Os textos das meditações sobre as catorze estações do ritual, que representam o trajeto de Cristo até o Calvário, foram escritos por quinze jovens, com idades entre 16 e 27 anos.

Pela primeira vez jovens e adolescentes prepararam um conjunto de reflexões que liga o sofrimento de Jesus à realidade de hoje, abordando, entre outros temas, os discursos de ódio nas redes sociais.

A jovem Greta Sandri de 18 anos escreveu, por exemplo, sobre o excesso de atenção que as pessoas dedicam às redes sociais, “acusando o erro dos outros, sem possibilidade de perdão. Homens que, tomados pela ira, agridem-se verbalmente pelos motivos mais fúteis”. Outro tema abordado pelos jovens será o drama dos migrantes, que deverá ser lido quando Jesus despe as suas vestes.

Intrigas do Vaticano

Na semana passada, o Prefeito da Secretaria para a Comunicação, monsenhor Dario Viganò teve que pedir demissão. Uma espécie de ministro da Comunicação do Vaticano, Viganò estava encarregado de reformar os meios de comunicação da Santa Sé.

O prefeito, no entanto, foi forçado a renunciar após ser acusado pela imprensa de suprimir uma parte de uma carta do antigo pontície Bento XVI sobre o papa Francisco.

O ex-chefe da comunicação teria citado apenas trechos do conteúdo da carta, antes de divulgar a mensagem por completo.

Num dos parágrafos omitidos, Bento XVI se nega por razões de "saúde e de tempo" a escrever um prólogo de oito livretos sobre o papa Francisco.

Na carta, Bento XVI explica também que não aceita escrever a apresentação porque, entre os autores dos livros, figura o teólogo alemão Peter Hünermann, que foi um severo crítico de João Paulo II e de Joseph Ratzinger como teólogo e como papa.

No Vaticano, muitos acreditam que a renúncia de Viganò é a só a ponta do iceberg de uma disputa interna no Vaticano entre reformistas e antirreformistas.

O papa e a China

A informação sobre um iminente acordo entre a Igreja Católica e a China foi dada por uma autoridade do regime comunista – o secretário-geral da Conferência Episcopal da China, Dom Guo Jincai -, mas já foi desmentida pelo Vaticano.

O regime da República Popular da China representa um dos desafios do papa Francisco. O Vaticano e a China não mantêm relações diplomáticas desde 1951. Os cerca de 12 milhões de católicos chineses estão divididos entre duas obediências: uma Igreja "patriótica" dirigida pelo regime e uma Igreja clandestina que só reconhece a autoridade do papa.

A China tem um total de 77 bispos, dos quais cerca de 50 são reconhecidos pelo Vaticano e Pequim. Dezessete outros são reconhecidos pela Igreja, mas não pelo regime.

Pequim espera do Vaticano o reconhecimento oficial de sete bispos nomeados pelo regime sem o aval da Santa Sé. Para a China é muito importante que o papa reconheça os títulos dos bispos ou que possa, pelo menos, confirmar uma verdadeira autoridade em suas dioceses.

Agenda do papa para a Páscoa

Nesta sexta-feira Santa, às 17h, 12h em Brasília, o papa celebra a Paixão do Senhor na Basílica de São Pedro.

Às 16h15, pelo horário de Brasília, Francisco presidirá a Via Sacra no Coliseu.

No sábado de Aleluia, o papa celebrará a Vigília Pascal, às 20h30, 15h30 em Brasília, na Basílica de São Pedro.

No dia 1º de abril, Domingo da Ressurreição, Francisco presidirá a missa na Basílica de São Pedro, às 10h, 5h da manhã em Brasília.

No final da celebração, da varanda central da Basílica, o papa dará a bênção “Urbi et Orbi” (à cidade e ao mundo).

Brexit: em nova cúpula, UE decide se autoriza o adiamento do divórcio com Reino Unido

"Anistia" para migrantes grávidas que derem filhos para adoção choca espanhóis

Visto, acordos econômicos e transferência tecnológica estão na agenda de Bolsonaro nos EUA

Aniversário de 60 anos do exílio leva China a proibir turistas no Tibete até abril

Em plena campanha eleitoral, Netanyahu se envolve em briga com atriz que interpreta Mulher-Maravilha

Após obter novas garantias junto à UE, Reino Unido vota novamente acordo do Brexit

Venezuela: apagão leva Guaidó a pedir instauração do estado de emergência

Greve de mulheres espanholas exige igualdade salarial no mercado de trabalho

Vaticano faz em Manaus reunião preparatória para Sínodo da Amazônia, criticado por governo Bolsonaro

China corta impostos e anuncia "batalha" para combater desaceleração da economia

Venezuela: manifestações marcam retorno de Guaidó, que pode ser preso

Mostra em Berlim reconstrói cidades históricas sírias destruídas pela guerra

Brasil faz escolha coerente ao descartar conflito armado na Venezuela, dizem analistas

Em duelo político, Maduro e Guaidó promovem shows na fronteira entre Colômbia e Venezuela

Em cúpula sobre pedofilia, papa pede que Igreja encare a "praga dos abusos sexuais"