rfi

Ouvindo
  • RFI Brasil
  • Último jornal
  • RFI em francês

Rússia Grã-Bretanha Espião Crise Diplomacia envenenamento

Publicado em • Modificado em

Caso Skripal: embaixador russo pede reunião com chanceler britânico em Londres

media
O embaixador russo em Londres, Alexandre Iakovenko. REUTERS/Simon Dawson

O embaixador russo em Londres, Alexandre Iakovenko, pediu neste sábado (7) um encontro com o ministro britânico das Relações Exteriores, Boris Johnson. A reunião visa superar a situação “totalmente insatisfatória” das relações bilaterais atuais, indicou o porta-voz da embaixada da Rússia na Grã-Bretanha.


O embaixador Iakovenko enviou pessoalmente um convite para o encontro ao chanceler Boris Johnson e espera que a reunião aconteça em breve. Além do caso do envenenamento do ex-espião russo Serguei Skripal, que provoca uma grave crise diplomática entre os dois países, questões bilaterais também devem ser discutidas.

O Foreign Office, o ministério das Relações Exteriores britânico, confirmou o recebimento do pedido para a reunião e disse que responderá posteriormente.

Crise diplomática.

A tensão entre a Rússia e a Grã-Bretanha começou em 4 de março, após o envenenamento de Serguei Skripal e da filha dele, Ioulia, em Salisbury, no sudoeste da Inglaterra. Londres acusa Moscou de ser o responsável pela tentativa de assassinato. O Kremlin nega categoricamente e aponta os serviços secretos britânicos e americanos como autores do envenenamento.

O caso provocou a maior onda de expulsão de diplomatas da História. Em apoio ao Reino Unido, vários países ocidentais expulsaram no final de março dezenas de diplomatas russos. Em represália, a Rússia adotou a mesma medida.

O estado de saúde de Serguei Skripal e de sua filha melhorou e eles já não correm mais risco de vida. A sobrinha do ex-espião russo, que queria visitar o tio e a prima, teve seu pedido de visto negado pelas autoridades britânicas na sexta-feira (6). Segundo o ministério do Interior, o pedido não “respeitava as normas de imigração”. A embaixada russa de Londres considerou “lamentável” a recusa.