rfi

Ouvindo
  • RFI Brasil
  • Último jornal
  • RFI em francês

OPAQ Armas Químicas Rússia Síria

Publicado em • Modificado em

Moscou nega ter impedido acesso de especialistas em armas químicas a Duma, na Síria

media
Duma destruída (30/03/18). Fuente: Reuters.

A Rússia e a Síria impendem, intencionalmente, o trabalho dos investigadores da Organização para a Proibição de Armas Químicas (OPAQ) nos arredores de Damasco? É a acusação feita nesta segunda-feira (16), por Londres e Washington.


Com informações de Daniel Vallot, correspondente da RFI em Moscou

O Kremlin nega. Após os ataques feitos na noite de sexta-feira (13) para sábado (14) pelos Estados Unidos, França e Reino Unido, a guerra de palavras continua entre a Rússia e os países ocidentais.

A declaração do porta-voz do Kremlim é clara: Moscou rejeita categoricamente as acusações formuladas pelo Reino Unido. Para Dmitri Peskov, são afirmações sem qualquer fundamento. O governo russo acrescenta que a Rússia não só não tem a intenção de atrapalhar o trabalho da OPAQ, como também já se pronunciou em favor de uma investigação imparcial.

A fúria de Moscou é consequência também de outras acusações mais graves, dessa vez vindas de Washington. De acordo com o representante americano na OPAQ, a Rússia teria agido em campo, em Duma, para sumir com elementos incriminadores contra o regime sírio.

"Encenação", diz Rússia

Nessa guerra de acusações, a Rússia também ataca: hoje, o embaixador russo junto à OPAQ afirma ter provas irrefutáveis, segundo ele, da participação de Washington e Londres no que ele chama de “armação” de um ataque químico no dia 7 de abril. Segundo Alexander Chourgin, trata-se de uma invenção dos serviços secretos britânicos.

Diante da pressão, a embaixada da Rússia declarou no final da tarde que os investigadores da OPAQ terão acesso a Duma na quarta-feira (18). Segundo as autoridades russas, a entrada dos especialistas foi impedida por motivos de segurança, pois as estradas precisavam ser desminadas.