rfi

Ouvindo
  • RFI Brasil
  • Último jornal
  • RFI em francês

Reino Unido Papa Francisco bebê

Publicado em • Modificado em

Morre bebê britânico alvo de batalha judicial que mobilizou até o papa

media
O bebê Alfie Evans sofria de uma rara doença neurológica degenerativa. Action4Alfie / AFP

O bebê britânico Alfie Evans, que estava em estado terminal, faleceu neste sábado (28) após uma longa batalha judicial de seus pais para conseguir, em vão, prolongar seu tratamento contra a opinião dos médicos. O caso mobilizou até o papa Francisco. 


"Meu gladiador saiu de campo e criou asas às 2h30. Estamos com o coração partido. Te amo, meu cara", escreveu no Facebook o pai do bebê de 23 meses, Thomas Evans

Alfie Evans sofria de uma rara doença neurológica degenerativa e estava hospitalizado desde dezembro de 2016. Depois de quase um ano e meio de tratamento, os médicos consideravam que não havia mais esperanças para a criança se recuperar. Com o aval da Justiça britânica, o Hospital Alder Hey, de Liverpool, desconectou o suporte vital do menino na segunda-feira (23). 

Após a retirada do suporte vital, o menino continuou vivo, o que, segundo o pai, provava que o seu estado de saúde "era significativamente melhor".

"Poderia estar na Itália a essa hora", lamentou Thomas Evans na terça-feira (24). "Eu não o abandono porque Alfie respira, não sofre", reiterou.

Papa pediu que bebê fosse mantido vivo

O caso mobilizou até o Vaticano. O papa Francisco se envolveu pessoalmente, depois dos apelos dos pais da criança. O sumo pontífice recebeu Thomas Evans em uma audiência privada e fez vários telefonemas pedindo que Alfie fosse mantido vivo.

"Comovido pelas orações e pela ampla solidariedade em favor do pequeno Alfie Evans, renovo meu apelo para que o sofrimento de seus pais seja ouvido e seu desejo de experimentar novas possibilidades de tratamento seja cumprido", tuítou Francisco na segunda-feira.

Com o apoio do papa e do governo italiano, o objetivo dos Evans era levar o menino à Itália, depois que os médicos britânicos decidiram interromper o tratamento, alegando que o sofrimento da criança estava sendo prolongado em vão. Roma chegou a conceder a nacionalidade italiana a Alfie, com a esperança de facilitar sua transferência a um hospital do país. 

No entanto, na quarta-feira (25), a Justiça britânica negou um recurso para transferir o bebê à Itália. O juiz Andrew McFarlane, da Alta Corte de Londres, determinou que as apelações apresentadas separadamente pelo pai e pela mãe do bebê, Kate James, "deveriam ser rechaçadas".

Jornada devastadora

"Queremos expressar nossa sincera simpatia e nossas condolências à família de Alfie", reagiu o hospital Alder Hey através de um comunicado neste sábado. Muitas pessoas se reuniram diante do local nos últimos dias para prestar apoio aos pais do bebê. "Tem sido uma jornada devastadora para eles e pedimos que sua privacidade seja respeitada".

O caso de Alfie levantou questões éticas difíceis, como aconteceu com episódios anteriores, como o do menino Charlie Gard, nascido em agosto de 2016 e que sofria de uma doença genética rara. A criança faleceu em julho de 2017, depois que os médicos desligaram sua respiração artificial e após cinco meses de batalha legal dos pais para levá-lo aos Estados Unidos a fim de realizar um tratamento experimental.

(Com informações da AFP)