rfi

Ouvindo
  • RFI Brasil
  • Último jornal
  • RFI em francês

Espanha ETA Terrorismo

Publicado em • Modificado em

ETA anuncia fim da organização e "dissolução de suas estruturas"

media
Um homem ergue uma bandeira basca no fim de uma manifestação em apoio à ETA REUTERS/Vincent West

A organização separatista basca ETA anunciou nesta quarta-feira (2) que "dissolveu completamente todas as suas estruturas" após quatro décadas de atentados pela independência do País Basco e Navarra.


Em uma carta com data do dia 16 de abril, a organização declara "que seu ciclo histórico e sua função estão encerrados, colocando um fim à sua trajetória, dissolvendo completamente suas estruturas e atividade política". A carta foi divulgada hoje pelo site eldiario.es.

A organização, que foi criada em 1959 e executou o primeiro ataque em 1968, afirma que deseja abrir "um novo ciclo político" no País Basco. O texto destaca que dissolução "fecha o ciclo histórico de 60 anos do ETA" e adverte, sobretudo, que o anúncio "não supera, em troca, o conflito que Euskal Herria mantém com a Espanha e com a França", onde reclama a independência do País Basco francês.

Vídeo será enviado à imprensa

Um alto funcionário do governo basco disse que a carta não representa o anúncio definitivo da dissolução do ETA, e que isto acontecerá na quinta-feira (3), certamente com um vídeo enviado à imprensa. De acordo com ele, trata-se de uma carta que o ETA enviou com antecedência a personalidades e entidades que participaram há sete anos na declaração de Aiete, uma conferência internacional que possibilitou, em outubro de 2011, o fim definitivo da luta armada por parte do grupo.

Segundo ele, o objetivo da carta é assegurar a estas personalidades, que incluem o ex-secretário-geral da ONU Kofi Annan e o ex-líder do Sinn Féin norte-irlandês Gerry Adams, "que sua decisão (de dissolução) é séria". As autoridades atribuem ao grupo Euskadi Ta Askatasuna (Pátria e Liberdade, em basco) 829 mortes, além de casos de extorsão a empresários e sequestros, em quatro décadas de violência pela independência do País Basco e de Navarra.

(Com informações da AFP)