rfi

Ouvindo
  • RFI Brasil
  • Último jornal
  • RFI em francês
Linha Direta
rss itunes

Europeus estão no caminho certo para manter acordo nuclear, diz Irã

Por Letícia Fonseca

O chanceler iraniano, Mohammad Javad Zarif, esteve em Bruxelas e afirmou que conversas com os europeus estão no caminho certo. Teerã quer que a Europa dê garantias em cumprir suas obrigações para permanecer no acordo nuclear.

Uma semana após a saída dos Estados Unidos (EUA) do acordo nuclear com o Irã, o ministro das Relações Exteriores iraniano, Mohammad Javad Zarif, se reuniu com colegas europeus em Bruxelas para tentar salvar o pacto. O primeiro encontro foi com a chefe da diplomacia da União Europeia (UE), Federica Mogherini. Ambos os lados concordaram sobre a importância de preservar o acordo.

A intenção da UE é manter os investimentos no país persa, mas isso só será possível se as sanções que serão anunciadas pelos EUA não atingirem as empresas europeias que fazem negócios com o Irã. Na semana passada, autoridades americanas sugeriram que estas companhias  poderiam ser alvo de punições.

Segundo Teerã, os países europeus têm até 60 dias de prazo para fornecer as garantias necessárias para salvaguardar os interesses iranianos e compensar os danos causados pela saída dos EUA. Zarif também se reuniu com os ministros das Relações Exteriores da França, Alemanha e Grã-Bretanha, que concordaram em encontrar soluções práticas durante as próximas semanas. Entre elas, continuar vendendo petróleo e gás iranianos, manter transações bancárias e proteger investimentos europeus no Irã.

Bruxelas foi a última escala do giro diplomático de Zarif, depois de ter passado por Pequim e Moscou. Tanto a China quanto a Rússia reafirmaram o compromisso sobre o acordo nuclear multilateral com o país persa.

O Brasil também está na expectativa do anúncio das sanções americanas para reavaliar suas relações comerciais com Teerã. 

Investimentos europeus no Irã

Apesar de possuir a quarta maior reserva de petróleo bruto e a maior reserva de gás natural do mundo, o Irã é dependente do petróleo importado. As sanções unilaterais que serão impostas pelo governo americano não devem impedir que o país continue produzindo quase 4 milhões de barris por dia. O grande receio é que as empresas europeias tenham que abandonar o país.

A gigante francesa Total, por exemplo, já assinou um contrato de US$ 1 bilhão para explorar um campo offshore de gás natural, em joint-venture com a chinesa CNPC. Outra multinacional francesa, a Peugeot-Citroen, fabrica carros em parceria com uma indústria local. A Renault também investe no Irã e a venda de automóveis no país representa 4% do total da empresa. Outras empresas europeias incluem a Siemens, Volkswagen, Airbus, Shell, British Airways, Lufthansa, Daimler, Accor e Meliá. No ano passado, as trocas comerciais entre União Europeia e Irã foram de US$ 25 bilhões. 

O Irã afirmou que permaneceria comprometido com o acordo – mesmo sem a participação dos EUA – se Teerã conseguir atingir seus objetivos em relação aos outros países signatários do pacto – China, Rússia, Alemanha, Grã-Bretanha e França. A proteção contra sanções em setores-chaves da economia como o petróleo, por exemplo, é fundamental para os iranianos.

Opções de garantia em discussão na cúpula de Sofia

A mensagem dos dirigentes do bloco em Sofia, na Bulgária, será “se o Irã respeitar seus compromissos, a União Europeia vai cumprir com os seus”, garantiu o presidente do Conselho Europeu, Donald Tusk.

Os europeus tentam evitar que Teerã se retire do acordo e retome seu programa nuclear; ao mesmo tempo, estudam como manter as empresas do bloco investindo no país persa. Em Sofia, o presidente da Comissão Europeia, Jean-Claude Juncker deve apresentar “diferentes opções para proteger os interesses econômicos das empresas do bloco no Irã” e líderes da UE devem adotar uma posição sobre a questão durante o jantar de trabalho, na quinta-feira. A chefe da diplomacia europeia, Federica Mogherini deve reportar a seus colegas o que discutiu com o chanceler iraniano.

O que está previsto no acordo nuclear com o Irã

Após anos de duras negociações, Irã e o chamado Grupo 5+1 – EUA, Grã-Bretanha, França, Rússia, Alemanha e China – assinaram um acordo histórico em julho de 2015. Este pacto permitiu pôr um fim em parte das sanções fazendo com que o Irã saísse do isolamento. Em troca, Teerã aceitou congelar seu programa nuclear. O acordo, com o apoio da ONU, estaria em vigor até 2031.

Com o acordo, as principais instalações nucleares do Irã tiveram seu funcionamento limitado e a Agência Internacional de Energia Atômica pode ter acesso às inspeções. O enriquecimento do urânio foi limitado e o uso do plutônio impedido. Ambos são usados em armas nucleares. O número de centrífugas para enriquecimento de urânio diminuiu bastante e o país persa reduziu em 98% o estoque do material. Em relação à economia, os países suspenderam a maior parte das sanções contra Teerã e US$ 100 bilhões de recursos do país, que estavam congelados, foram liberados.

Brasileiros da Cisjordânia estão indignados com possível transferência da embaixada do Brasil para Jerusalém

Senado italiano aprova projeto para reduzir proteção humanitária a imigrantes

Lisboa recebe Web Summit, conferência de inovação digital que reúne estrelas do setor

Moro deixa a posição de quase semideus e passa a ser ministro em cenário conturbado, diz cientista político

Para Turquia, morte de Khashoggi não poderia ter ocorrido sem ordem do alto escalão saudita

Republicanos e democratas rejeitam veto de Trump para cidadania por nascimento

Tensões geopolíticas com morte de jornalista geram incertezas à economia saudita e da região

Em meio à onda militarista de Bolsonaro, Chile e Uruguai punem insubordinações de militares

Reino Unido: movimento para novo referendo sobre Brexit cresce, mas premiê nega nova consulta

Extrema direita alemã cria plataforma para controlar debate político nas escolas

Jornalista saudita teria sido torturado por sete minutos, diz imprensa turca