rfi

Ouvindo
  • RFI Brasil
  • Último jornal
  • RFI em francês
  • Brasil/Itália : Bolsonaro afirma que vai extraditar italiano Cesare Battisti se for eleito

Paraguai Jerusalém Embaixada Palestinos Autoridade Palestina

Publicado em • Modificado em

Paraguai inaugura embaixada do país em Jerusalém

media
O presidente israelense Reuven Livni ao lado do presidente paraguaio, Horacio Cartes, antes da inauguração da embaixada do Paraguai em Jerusalém (Foto: Reuters)

O presidente do Paraguai, Horacio Cartes, inaugurou nesta segunda-feira (21) a embaixada de seu país em Jerusalém, a segunda nação da América Latina, depois da Guatemala, a seguir os passos dos Estados Unidos. Com transferência de sua representação diplomática, o país latino-americano reconhece a disputada cidade como capital de Israel.


"Esta decisão soberana é um acontecimento histórico para os vigorosos vínculos de amizade que unem Israel e Paraguai", disse Cartes, que participou da cerimônia ao lado do primeiro-ministro israelense, Benjamin Netanyahu, poucos dias depois da Guatemala e dos Estados Unidos oficializarem a transferência de suas embaixadas em Israel para Jerusalém.

As decisões geraram grande controvérsia. Nas negociações de paz no Oriente Médio, entre isralenses e palestinos e mediadores, a criação de um Estado palestino é vista como essencial na resoluçao do conflito. A parte oriental de Jerusalém seria a capital desse território.

Inauguração de embaixada americana gera violência

A inauguração da embaixada americana aconteceu na segunda-feira passada, em meio a protestos na Faixa de Gaza, onde os soldados israelenses mataram mais de 60 palestinos. As decisões de Guatemala e Paraguai levantam suspeitas sobre eventuais ajudas a estes países por parte do governo de Donald Trump.

O presidente americano havia ameaçado no fim de 2017 com represálias financeiras os países que apoiaram a resolução da Assembleia Geral da ONU de condenação ao reconhecimento de Jerusalém como capital de Israel. A resolução foi aprovada em 21 de dezembro de 2017 por 128 votos a favor, nove contrários (Guatemala, Honduras, Togo, Micronésia, Nauru, Palau e Ilhas Marshall, além de EUA e Israel) e 35 abstenções.