rfi

Ouvindo
  • RFI Brasil
  • Último jornal
  • RFI em francês
RFI CONVIDA
rss itunes

Livro conta como Lisboa se tornou o “centro do mundo” na Segunda Guerra

Por Silvano Mendes

O jornalista e escritor suíço Patrick Straumann lança pela editora Chandeigne o livro Lisbonne ville ouverte (Lisboa cidade aberta), obra que conta como a capital portuguesa acolheu, durante a Segunda Guerra Mundial, milhares de pessoas que fugiam dos conflitos no resto do continente. Artistas, intelectuais e cientistas, muitos deles judeus, viram no país a última porta para escapar da Europa reprimida pelo nazismo.

Os refugiados passaram por Lisboa no início dos anos 1940, com o objetivo de embarcar para os Estados Unidos ou para a América Latina. Em meio aos milhares de anônimos, vindos dos quatro cantos do continente, alguns nomes conhecidos, como Salvador Dalí, Marc Chagal, Man Ray, ou ainda Antoine Saint-Exupéry, viveram temporariamente na capital, esperando o embarque.

“Esse livro é uma soma de destinos completamente diferentes, mas todos se cruzaram na capital portuguesa”, explica o autor. “Lisboa já era a capital do mundo no início do século 16 e eu acho que a cidade, de uma certa maneira, se lembrou desse jeito de estabelecer contatos com o mundo inteiro”, comenta Patrick Straumann.

O livro, que tem como fio condutor principal as diferentes personalidades que passaram pela cidade, se baseia em uma vasta pesquisa histórica, cruzando documentos oficiais e relatos da época, que mostram como a capital portuguesa vivia uma situação excepcional, apesar da guerra. Os jornais de 1940, como o Diário de Notícias, citado no livro, afirmava que Lisboa havia se tornado “a estação balneária ocidental da Europa”. Já Saint-Exupéry dizia que a cidade vivia um clima de festa, mesmo se “escondia uma tristeza atrás de seu sorriso”.

Segundo Straumann, esse paradoxo se deve ao fato de que “todos ali tinham a experiência de uma Europa sob as bombas, destruída, onde as pessoas nem podiam acender as luzes durante a noite por medo de serem bombardeadas. Então essa cidade, iluminada durante a noite, onde todos, ou pelo menos os mais ricos, podiam comer nos restaurantes, criou um contraste muito forte com o que o povo vivia no resto da Europa”.

Avô do autor também é personagem do livro

A parte mais pessoal do livro vem com a introdução do personagem de Tadeaus Reichstein, avô do autor, que também passou por Lisboa, em 1940. O químico polonês naturalizado suíço, reconhecido internacionalmente, inclusive com um prêmio Nobel, embarcou da capital portuguesa para os Estados Unidos, depois de atravessar a França ocupada e Espanha destruída. “Foi uma aventura”, afirma Straumann, ao se recordar dos relatos do avô durante sua infância.

Mas o que chama a atenção na história é o fato de que Reichstein voltou para a Europa, apesar dos riscos que corria, mesmo tendo um passaporte suíço. “Ele era judeu, imigrante da Polônia. Para mim, até hoje essa decisão de voltar é incompreensível”, conta o autor, que tenta entender durante o livro essa escolha do avô. “Qual seria o destino dele e qual seria o nosso destino se ele não tivesse tomado essa decisão”, questiona Straumann.

Assista a entrevista completa no vídeo abaixo ou clique na foto acima.

"João Gilberto sintetizou o samba", diz Bernardo Lobo ao homenagear compositor em Paris

Em Paris, soprano brasileira Camila Titinger canta na ópera Don Giovanni

Artista plástico Oscar Oiwa expõe em Paris obras de três cidades ligadas pelas Olimpíadas

Revista Vesta discute os desafios das adoções que “não dão certo”

Série sobre índios da Amazônia rende prêmio a fotógrafa brasileira em Perpignan

Artista plástica radicada na França, Janice Melhem Santos exibe coletânea de obras

“Democracia brasileira está sendo golpeada por dentro”, diz, em Genebra, representante da OAB

"O maior problema da Amazônia é a impunidade”, diz fotógrafo italiano premiado por trabalho na região

Empresárias brasileiras visitam Paris para se “reconectarem com seu lado feminino”

Documentário da franco-brasileira Véronique Ballot revisita primeiro encontro entre índios e brancos no Brasil

Miriam Grossi: Cortes de bolsas da Capes podem levar pesquisadores a deixar o Brasil

“O Brasil sempre vai estar presente no meu jeito de fazer música”, diz cantora de jazz Agathe Iracema

Para grupo Brasileiras de Paris, misoginia de Bolsonaro não começou com Brigitte Macron, mas com Dilma

Sem mudança ambiental “radical”, perspectiva é “muito pessimista” para o agronegócio do Brasil

Afastamento de França e Brasil vem desde o impeachment, lembra cientista político

Banda Natiruts lota casa de shows em Paris com 'I love', "ampliando raízes" do reggae

Livro de brasileira radicada em Paris desmistifica glamour da capital francesa