rfi

Ouvindo
  • RFI Brasil
  • Último jornal
  • RFI em francês
Linha Direta
rss itunes

Eleitores pró-aborto desafiam católicos dogmáticos em referendo na Irlanda

Por Maria Luísa Cavalcanti

A Irlanda vai às urnas nesta sexta-feira (25) para um referendo que propõe legalizar plenamente o aborto no país. Os irlandeses, de maioria católica, têm uma das legislações antiaborto mais rígidas do mundo, e estão polarizados em torno do assunto. O resultado será conhecido no sábado (26).

A lei sobre o aborto na Irlanda está em vigor desde 1983. Ela determina que uma mulher só pode interromper uma gestação se estiver em perigo de vida real e iminente, inclusive sob risco de suicídio. Essa legislação de 35 anos não contempla o aborto quando há má-formação cerebral do feto ou em casos de estupro, como ocorre no Brasil.

Atualmente, uma irlandesa que decida interromper uma gravidez indesejada dentro do país pode ser condenada a até 14 anos de prisão. A lei, no entanto, permite que suas cidadãs viajem para realizar um aborto no exterior. Na União Europeia, apenas Malta e Polônia criminalizam o aborto dessa maneira.

O referendo na Irlanda pergunta aos eleitores se eles concordam ou não em revogar a antiga legislação, conhecida como 8ª Emenda. Essa emenda determina que o direito à vida do feto é igual ao direito à vida da mãe. Com a revogação, o Parlamento passa a poder legislar sobre o assunto. Caso isso ocorra, a nova legislação permitiria o aborto até 12 semanas, por decisão da mulher e com autorização médica.

Desde a instauração da 8ª Emenda, em 1983, este é o sexto referendo sobre o aborto na Irlanda. A diferença dessa vez é que é a primeira consulta pública que contesta e, de fato, pode reverter a 8ª Emenda.

Maioria católica dogmática bloqueia mudança

O aborto é uma questão polêmica neste país com uma população de mais de 78% de católicos. Mas casos recentes de mulheres que morreram por causa de uma gravidez de risco acabaram influenciando a opinião pública. Além disso, houve a constatação de que milhares de mulheres realizam o procedimento ilegalmente, enquanto outras milhares viajam a cada ano para o Reino Unido ou para outros países para poder realizar um aborto legalmente – mais de 3,2 mil em 2016.

Pacto político entre partidos cria chance de mudança

O referendo desta sexta-feira foi um compromisso assumido na corrida eleitoral daquele ano por cinco partidos de esquerda e centro-esquerda. O partido vitorioso, Fine Gael, de linha democrata-cristã e centro-direita, liderado pelo atual primeiro-ministro Leo Varadkar, acabou cedendo e facilitando essa convocação. O principal partido da oposição, Fianna Fáil, também apoiou a realização do referendo.

É importante lembrar que, nos últimos anos, a Irlanda tem tomado passos significativos no sentido de modernizar suas leis. Em 2015, se tornou o primeiro país do mundo a apoiar o casamento entre pessoas do mesmo sexo através de um referendo. Isso em um país que só legalizou o divórcio há pouco mais de 20 anos.

Indecisos vão definir resultado

As últimas pesquisas de opinião mostram um grande número de indecisos. Desde a convocação do referendo, em março, pesquisas indicam que a campanha do “sim”, em prol da revogação da 8ª Emenda e a favor da legalização do aborto, lidera com uma ampla margem frente ao “não”. Mas o número de indecisos é maior do que essa margem e, por isso, é impossível apontar um vencedor.

Duas pesquisas divulgadas esta semana colocam o “sim” com pouco mais de 50% dos votos, mas com até 20% de indecisos. Simpatizantes das duas campanhas intensificaram o corpo-a-corpo com o eleitor nos últimos dias e apostaram no apelo de líderes políticos e religiosos, além de celebridades. O “sim” conta com o apoio do primeiro-ministro, Leo Varadkar, que lembrou que se o “não” sair vitorioso o país provavelmente terá de esperar outros 30 anos para realizar um novo referendo sobre o assunto.

Hashtag incita irlandeses no exterior a viajar para votar pelo "sim"

Para evitar a interferência de agentes externos na campanha, o Facebook bloqueou todos os anúncios gerados no exterior, enquanto o Google proibiu qualquer propaganda relacionada ao referendo. Mesmo assim, nos últimos dias, a hashtag #hometovote explodiu nas redes sociais, sinalizando a intenção de milhares de cidadãos irlandeses que moram no exterior de viajar para a Irlanda apenas para votar pelo “sim”.

As urnas fecham às 22h desta sexta-feira (18h em Brasília), mas a contagem dos cerca de 3,3 milhões de votos só começa no sábado. O resultado deve ser conhecido na tarde de sábado.

Condenação de Michael Cohen complica a situação legal do presidente Donald Trump

Em último Conselho Europeu do ano, UE não fará concessões a May sobre o Brexit

Premiê britânica se reúne com líderes europeus para obter novas garantias para Brexit

Em clima tenso no clã Bolsonaro, presidente eleito será diplomado no TSE

Extrema direita se reúne na Bélgica contra Pacto sobre Migração da ONU

Bolivianos fazem greve geral contra nova candidatura de Evo Morales à presidência

Israel realiza operação em túneis do Hezbollah na fronteira com Líbano

Participação do Brasil no G20 é irrelevante à espera do que fará Bolsonaro

Hong Kong: congresso condena cientista"irresponsável" que editou genes em embriões

Outdoors sobre prêmio para retorno de migrantes causam indignação na Alemanha

Itália quer impedir empréstimo de obras de Da Vinci para museu do Louvre

Fim do Airbnb na Cisjordânia reforça ações contra ocupação israelense

Trump fecha o cerco aos migrantes latino-americanos na fronteira com o México

Primeiro Foro Mundial do Pensamento Crítico da esquerda discute vitória de Bolsonaro