rfi

Ouvindo
  • RFI Brasil
  • Último jornal
  • RFI em francês

Investigação voo MH17 Rússia União Europeia Ucrânia OTAN

Publicado em • Modificado em

OTAN e UE pressionam Rússia a assumir responsabilidade na queda do MH17

media
No dia seguinte ao acidente, um rebelde pró-russo "protege" os destroços do avião da Malaysia Airlines derrubado no leste da Ucrânia. REUTERS/Maxim Zmeyev

A União Europeia (UE) e a Organização do Tratado do Atlântico Norte (OTAN) pediram nesta sexta-feira (25) em dois comunicados distintos que a Rússia aceite sua responsabilidade no caso do avião da Malaysia Airlines derrubado em 2014 na Ucrânia. Mais cedo, a Holanda e a Austrália, associadas nas investigações pela perda do maior número de passageiros na tragédia, culparam a Rússia pela queda do avião.


A equipe internacional que investiga o desastre com o voo MH17, em que morreram 298 pessoas, revelou pela primeira vez na quinta-feira (24) que uma brigada militar russa transportou o míssil utilizado para derrubar o avião. O aparelho fazia a rota entre Amsterdã e Kuala Lumpur, na Malásia, quando foi atingido pelo armamento.

"A UE faz um apelo à Federação Russa para que aceite sua responsabilidade e coopere plenamente com todos os esforços para estabelecer os autores da infração", disse a chefe da diplomacia europeia, Federica Mogherini.
   
Em outro comunicado, o secretário-geral da OTAN, Jens Stoltenberg, também pediu à Rússia para que "aceite a responsabilidade e coopere". "A derrubada do MH17 foi uma tragédia mundial e os responsáveis devem prestar contas", enfatizou o dirigente da Aliança Atlântica.

A equipe de investigação da brigada criminal da polícia de Amsterdã concluiu que o míssil BUK-Telar que derrubou a aeronave do voo MH17 veio da 53ª Brigada de Mísseis Antiaéreos estabelecida em Kursk, na Rússia, afirmou o investigador holandês Wilbert Paulissen.

Os investigadores já haviam concluído que o avião foi derrubado por um míssil BUK de fabricação russa, lançado de território ucraniano controlado pelos separatistas pró-Moscou da região de Donetsk. A equipe conseguiu reconstiruir o caminho pelo qual o míssil foi transportado, de Kursk, a 100 km da fronteira com a Ucrânia, utilizando vídeos e fotos.
   
Rússia desafia equipe de investigação

Moscou nega a acusação e afirma que nenhum projétil com tais características atravessou a fronteira entre Rússia e Ucrânia. O governo russo sempre colocou a culpa do acidente na Ucrânia.

O chefe da diplomacia russa, Serguei Lavrov, disse hoje que a Holanda não dispõe de "nenhuma prova" para acusar a Rússia. Lavrov afirma que o governo holandês "especula [sobre esse caso] para fins políticos". Ele relatou ter conversado por telefone com o ministro holandês das Relações Exteriores, Stef Blok, "que não me deu qualquer prova".

Após a queda do avião, a UE ampliou em julho de 2014 os pacotes de sanções contra a Rússia por seu papel no conflito na Ucrânia, com medidas contra setores de energia, defesa e bancos russos, que foram prorrogadas desde então.